Publicidade
Publicidade
Traduções pra o inglês – ritmos diferentes nos EUA e na Grã-Bretanha
PublishNews, Felipe Lindoso, 13/03/2019
Em sua coluna, Lindoso fala sobre a importância e crescimento das traduções em língua inglesa nos últimos anos

Existem amplas evidências do predomínio do inglês como idioma prevalente no mundo de hoje. Não apenas em negócios e diplomacia como também, no que nos interessa, como idioma de origem das traduções. Já tratei amplamente do assunto em um post de 2017, As dificuldades para a internacionalização da literatura brasileira no qual apresentava os últimos dados compilados pelo Index Translationum, da UNESCO, a partir de informações das bibliotecas nacionais dos países membros (o índice foi descontinuado).

Os dados apresentados mostravam o inglês disparado como o idioma de origem de 1.265.835 traduções para todos os idiomas (o português estava em 18º lugar). Mesmo como idioma alvo para traduções de outros idiomas, o inglês ocupava um confortável 4º Lugar, com 164.505 traduções (precedido pelo alemão, francês e espanhol). Note que se fala aí do conjunto de traduções para o conjunto de países que têm esses idiomas como língua corrente. Ou seja, traduções cujo conteúdo ia da literatura às ciências puras, incluindo negócios, autoajuda, livros de culinária, livros escolares e infantis, etc. Em se tratando do inglês, incluíam-se, além dos EUA, a Grã-Bretanha, Canadá, Austrália e vários outros países da África e da Ásia, ex-colônias britânicas.

No caso do inglês notei, com uma breve e não sistemática olhada nos títulos, que boa parte das traduções eram de obras de caráter técnico-científico, com uma presença bem pequena de literatura.

Essa ausência das traduções de literatura no mercado de obras gerais nos EUA vem sendo acompanhada há muito por Chad Post, que criou o blog Three Percent a partir da Universidade de Rochester, onde ensina. Muito interessado na divulgação da literatura estrangeira nos EUA, Chad Post vem compilando estatísticas sobre as traduções ali publicadas. O índice de três por cento é o cálculo dele para o número de lançamentos de traduções publicadas anualmente nos EUA. 

Até 2016, Chad Post esteve mais otimista sobre o aumento do número de traduções. Este ano, alguns livros tiveram bastante sucesso, como o quarteto de Elena Ferrante. Surgiram também algumas novas editoras centradas na publicação de traduções, juntando-se às conhecidas Dalkey Archive Press e a Open Letters, como a Albertine Press (que tem apoio do governo francês). A última autora brasileira publicada pelo Open Letters foi a Maria José Silveira, com seu romance “A Mãe da Mãe de sua Mãe e suas Filhas” traduzido por Eric Becker, editor da Words Without Borders, o site que publica excertos de traduções.

Os números, entretanto, não corresponderam à expectativa. A série compilada por Chad Post (agora publicados também pela Publishers Weekly) mostra um aumento do número de traduções nos EUA (369 títulos in 2008 até 609 em 2018, com um pico de 666 em 2016). No entanto, os dois anos seguintes mostraram um declínio no número de traduções publicadas:

Fonte: Publishers Weekly – Chad Post 

O dado isolado mais interessante é que a editora que mais publicou traduções foi o selo da Amazon (AmazonCrossing), seguida por outras editoras independentes publicando a maior parte das traduções. Das grandes, a única significativa foi a Farrar, Straus and Giroux.

NA GRÃ-BRETANHA AS TRADUÇÕES AUMENTAM

A tendência contrária aconteceu na Grã-Bretanha nos últimos anos, incluindo 2018. A Booker Prize Foundation, que organiza o prêmio, encomendou à Nielsen uma pesquisa sobre a publicação de traduções e constatou um crescimento de 5,5% em volume e 4,2% em vendas, que totalizaram US $ 27,2 milhões de dólares. Isso representa um crescimento de mais de 20% nos títulos de ficção em tradução, enquanto a categoria permaneceu praticamente estável no período, configurando um aumento da importância das traduções no mercado britânico. 

Quando se verifica a porcentagem dos ISBN emitidos para traduções no total de ISBNs emitidos, ano a ano, isso fica evidente:

As informações enviadas pela Booker Prize Foundation apresentam alguns destaques interessantes. O idioma mais traduzido é o francês, mas o sueco e o norueguês aumentaram consideravelmente sua participação nos últimos cinco anos. O único autor cujo idioma de origem é o português e que aparece em destaque entre os mais vendidos continua sendo Paulo Coelho (O Alquimista).

Os segmentos que mostraram maior crescimento (dentro da categoria geral de ficção) foram os de autores premiados, crime e ficção científica/fantasia.

Como a Nielsen registra também os totais de vendas e seus sistemas permitem a identificação de categorias de modo mais preciso que a dos dados dos EUA, vale e pena verificar os valores, mais além das porcentagens:

Para além do fato das compilações seguirem metodologias bem distintas, o que percebo, é que a indústria editorial inglesa está mais atenta à diversidade da literatura internacional que a dos EUA.

As razões? Só um estudo sociológico que está muito além de um pequeno artigo.

Agradeço as informações de Truda Spruyt, da assessoria de comunicações do Booker Prize International.

Comentários são bem-vindos no blog O Xis do problema.

Traduções inglesas
Traduções inglesas

Felipe Lindoso é jornalista, tradutor, editor e consultor de políticas públicas para o livro e leitura. Foi sócio da Editora Marco Zero, diretor da Câmara Brasileira do Livro e consultor do CERLALC – Centro Regional para o Livro na América Latina e Caribe, órgão da UNESCO. Publicou, em 2004, O Brasil pode ser um país de leitores? Política para a cultura, política para o livro, pela Summus Editorial. Mantêm o blog www.oxisdoproblema.com.br. Em sua coluna, Lindoso traz reflexões sobre as peculiaridades e dificuldades da vida editorial nesse nosso país de dimensões continentais, sem bibliotecas e com uma rede de livrarias muito precária. Sob uma visão sociológica, ele analisa, entre outras coisas, as razões que impedem belos e substanciosos livros de chegarem às mãos dos leitores brasileiros na quantidade e preço que merecem.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Felipe Lindoso analisa a pesquisa 'Kids & Family Reading Report - The Rise of Read-Aloud' feita pela editora americana Scholastic
Em sua coluna, Felipe Lindoso dá seus pitacos sobre a crise que afeta o mercado livreiro – e consequentemente o editorial – brasileiro
Em sua coluna, Lindoso fala sobre a lei aprovada na Colômbia que coloca o país no pelotão de vanguarda na atualização da legislação de direitos autorais não apenas na América Latina
Em sua coluna, Felipe Lindoso analisa recentes dados de pesquisas que mostram os hábitos de leitura nos EUA
Felipe Lindoso participou da III Jornada de Crítica Literária, na UnB, cujo tema era precisamente esse - Literatura e Ditaduras -, com o objetivo de provocar o debate sobre as relações estre estética
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Lindoso fala sobre a importância e crescimento das traduções em língua inglesa nos últimos anos
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Gurbanov fala sobre a sua participação no Fórum sobre Políticas Públicas e a Rede de Livros no México e como o Brasil se comporta nesse quesito
Carlo Carrenho descobriu como editores brasileiros podem disponibilizar seus livros em Portugal
Quando eu era jovem, quase sempre lia para aprender. Hoje, às vezes, leio para esquecer.
Giovanni Papini
Escritor italiano (1881-1956)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar