Publicidade
Publicidade
Mercado editorial e a sutil arte de ligar o foda-se
PublishNews, Julio Silveira, 10/08/2018
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'

O livro no Brasil vai mal mas isso não é notícia (afinal, o que é que não vai mal no Brasil?) e tampouco é novidade (raras vezes não estivemos em crise). A gente vai levando enquanto pode (quem pode) e vai mantendo a fé ou a pose. Só que agora está dando na vista. Espaços vazios nos shoppings onde havia livrarias e livrarias que se mantêm abertas, mas vazias de fregueses são a face escancarada da crise editorial que já é comentada nas redes, nas esquinas e na tevê.

Dois dos construtores do livro moderno no Brasil, Luiz Schwarcz e Marcos Pereira, conversaram com Pedro Bial sobre a (falta de) perspectiva e sobre a crise que, segundo o fundador da Companhia das Letras, é talvez a mais forte das suas quatro décadas de atuação. Diante da ameaça de fechamento das duas maiores compradoras de livros que, junto com o governo, eram o esteio do mercado, os editores procuraram soluções para salvar as livrarias, incluindo a remarcação do preço dos livros… para cima. Argumentaram que o preço de capa não acompanhou a inflação e que livros mais caros garantiriam margens mais robustas para as livrarias cobrirem seus custos. Faltou explicar como, a arrepio dos fundamentos da economia, um aumento de preço poderia levar a um aumento da demanda, mas a equação do mercado editorial não costuma levar em conta a variável “leitor”. Já o apelo ao governo é invariável.

Uma comitiva de editores, representados pelos presidentes da CBL e do SNEL esteve com o presidente Temer para “pedir apoio na busca de soluções para a contenção dos problemas financeiros enfrentados pela indústria editorial brasileira” e saiu com promessas de linhas de crédito e financiamento para dar sobrevida ao varejo. Por sinal, antes do encontro, esse governo, no apagar das luzes (em todos os sentidos), mostrou-se mais preocupado com soluções para a segurança, propondo desviar verbas da cultura (voltou atrás) ou do Sesc, que muitas vezes faz o que o Ministério da Cultura não pode ou não tem dinheiro para fazer. A alegação é que falta dinheiro para a segurança, concretizando a profecia de Darcy Ribeiro: “se os governantes não construírem escolas, em 20 anos faltará dinheiro para construir presídios”.

Enquanto editores procuram manter vivo o varejo (e a agonia do mercado) e esperam o livro volte a funcionar por decreto, o leitor dá seu jeito de contornar a situação e as livrarias. Se elas eram o “lugar de mercado”, hoje importa mais o marketplace. As editoras estão vendendo mais por canais que sequer veem os livros passarem por suas prateleiras. Um atestado disso é que na Bienal do Livro de 2018, onde não se vê estande da Saraiva, ergue-se imponente um do Mercado Livre, uma das maiores “intermediadoras” entre os leitores e as editoras. Esta relação, porém, está ficando ainda mais direta e íntima: seguindo a picada aberta pelos clubes de livros por assinatura, as editoras estão reforçando a venda direta e até arregimentando leitores em grupos como o “Intrínsecos”, criado justamente por uma das editoras que mais contava com as redes de livraria para seu sucesso.

Se é forte a crise, mais forte é o livro: esse vigor se vê nas redes, nos festivais literários, nos novos formatos, nos leitores e escritores. Também se vê por aí gente nas editoras e livrarias inventando soluções, se virando. Talvez seja isso do que precisamos para virar essa página: deixar para lá uma equação que já não dava resultado e tentar outras, para, quem sabe, reescrever esse negócio do livro.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
Julio Silveira faz balanço da Flip, elogia a curadoria de Josélia Aguiar e dá força para a criação da 'federação de festivais', ideia proposta durante mesa na Casa PublishNews
Nosso colunista Julio Silveira esteve no Festival de Literatura-Mundo na ilha do Sal, em Cabo Verde. De volta ao Brasil, ele conta o que viu por lá.
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A PublishNewsTV dessa semana conversou com Hendenson Fürst, ​editor jurídico, advogado, presidente da Comissão Especial de Bioética/OAB, professor e pesquisador universitário
Em sua crônica desse mês, Marcio Coelho faz analogias entre o construtor de um edifício e um editor de livros
O Podcast do PublishNews recebeu a drag queen dona do canal Tempero Drag, para falar sobre seu novo livro e de outros temas atuais e relevantes
Carlo Carrenho seleciona o melhor da programação da maior feira de livros do mundo
Só posso escrever realmente sobre aquilo que me toca até as vísceras.
João Gilberto Noll
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar