Publicidade
Publicidade
Em Cabo Verde, escritores conversam sobre o mundo da literatura e a literatura-mundo
PublishNews, Julio Silveira, 19/07/2017
Nosso colunista Julio Silveira esteve no Festival de Literatura-Mundo na ilha do Sal, em Cabo Verde. De volta ao Brasil, ele conta o que viu por lá.

Vista de uma das praias da Ilha do Sal | © Yolanda Castaño
Vista de uma das praias da Ilha do Sal | © Yolanda Castaño
Os escritores boiaram, literalmente. Já as conversas foram profundas, literariamente. A primeira cena é difícil de imaginar, para brasileiros: um deserto à beira mar, uma antiga boca de vulcão, na qual o mar se infiltra e evapora, deixando uma piscina de água hipersaturada, tão densa que não deixa os banhistas afundarem. A outra cena, desta vez junto a uma praia de águas azul-turquesa, foi no Festival de Literatura-Mundo na Ilha do Sal.

A Ilha do Sal recebeu escritores, tradutores, jornalistas e editores em torno da “Literatura-Mundo”, um conceito que abarca, entre outras definições, a produção e circulação da escrita para além das literaturas nacionais, principalmente as de países de fora do cânone ocidental (vale dizer, dos colonizadores). Na discussão cabe falar sobre a “universalidade” dos textos e a dinâmica multicultural.

Se existe um “lugar de fala” para universalidade e multiculturalidade este fica em Cabo Verde: uma fusão de diferentes povos arrancados da África (mandingas, wolofs, mandjacos, bantos) com portugueses desgarrados e outros europeus que deram às ilhas vulcânicas. A mistura é refletida no crioulo, língua do dia-a-dia (ao lado do português, idioma da lei e da escola), aglutinando a base lusitana a falas africanas e europeias. Há talvez mais cabo-verdianos no mundo do que no arquipélago e mesmo entre os que residem no país há constante diálogos com nações africanas, europeias e americanas. Não há portanto cultura menos “isolada” do que a dessas ilhas.

O primeiro Festival de Literatura-Mundo do Sal surgiu do esforço e vontade de seus organizadores Filinto Elísio (cabo-verdiano) e Márcia Souto (brasileira) e de Patrícia Santos Pinto (portuguesa); bem como do curador, José Luís Peixoto, vencedor do Prêmio Oceanos em 2016. O autor de Galveias (Companhia das Letras) foi, quando jovem, professor em Cabo Verde e criou uma relação de afeto com o arquipélago (o que costuma acontecer com outros escritores, como testemunhou Socorro Acioli).

Inocência Mata, entre o brasileiro Sérgio Rodrigues e o português José Luís Peixoto durante o evento | © Divulgação
Inocência Mata, entre o brasileiro Sérgio Rodrigues e o português José Luís Peixoto durante o evento | © Divulgação

Uma apresentação ao que seja a “Literatura Mundo”, proferida pela professora Inocência Mata, inspirou e disparou os debates. Inocência é um exemplo da circulação no território lusófono por via da cultura: natural de São Tomé e Príncipe, é professora na Universidade de Macau. As mesas trataram da “polifonia” de literaturas, da disseminação da prosa e da poesia e o papel dos festivais literários, pontuadas, aqui e ali, por discussões sobre identidade e etno-euro-centrismo. Havia autores de Cuba, Sérvia, Colômbia, Alemanha, EUA e Espanha, todos conversando em português. Entre os autores “da casa” estavam Germano Almeida, Arménio Vieira (laureado com o Prêmio Camões), José Luís Tavares e Jorge Carlos da Fonseca, presidente de Cabo Verde. (São também escritores o atual e o anterior ministros da Cultura, respectivamente Abraão Vicente e Mario Lucio Souza). A homenagem foi para Corsino Fortes e para José Saramago, representado por Pilar del Río.

No time (ou “equipa”) brasileiro estavam a autora e curadora Guiomar de Grammont e o jornalista e romancista Sérgio Rodrigues, que aconselhou que o escritor que se pretenda “universal” precisa driblar dois riscos: o de emular a literatura de fora em uma escrita apátrida ou, no extremo oposto, o de carregar no exotismo e fazer “macumba para turista”.

Voltar ao Brasil, depois de quatro dias em Santa Maria (uma espécie de Búzios ou Praia do Forte, só que organizado) e conversar sobre tantas culturas diferentes me deixou com dois sentimentos. O primeiro é que somos nós, um país continental, que nos comportamos como ilhas, voltados para nós mesmos. O segundo sentimento é aquele que dá em todos que visitam Cabo Verde: a sôdade.

PS. Se quiserem saber mais sobre Cabo Verde e a língua portuguesa, com depoimentos de José Luis Peixoto, Sérgio Rodrigues e outros, assistam ao primeiro episódio de “NossaLíngua.Doc”.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
Julio Silveira faz balanço da Flip, elogia a curadoria de Josélia Aguiar e dá força para a criação da 'federação de festivais', ideia proposta durante mesa na Casa PublishNews
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A PublishNewsTV dessa semana conversou com Fernando Nuno, músico, jornalista e editor responsável pelo famoso Círculo do Livro
Na crônica desse mês, Luciana Pinsky narra o efêmero relacionamento de duas pessoas que mantiveram um relacionamento virtual, com raros, "mas sempre muito desejados" encontros presenciais
Cinthia Favilla, gerente da Bienal de SP, participa do programa para falar das novidades do evento que acontecerá em 2020. Programa traz ainda relato dos bastidores da operação de Felipe Neto na Bienal do Rio.
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Acho que não é possível escrever um livro se a história não estiver ‘queimando’ dentro do escritor.
Suzana Montoro
Escritora brasileira
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar