Publicidade
Publicidade
Em Cabo Verde, escritores conversam sobre o mundo da literatura e a literatura-mundo
PublishNews, Julio Silveira, 19/07/2017
Nosso colunista Julio Silveira esteve no Festival de Literatura-Mundo na ilha do Sal, em Cabo Verde. De volta ao Brasil, ele conta o que viu por lá.

Vista de uma das praias da Ilha do Sal | © Yolanda Castaño
Vista de uma das praias da Ilha do Sal | © Yolanda Castaño
Os escritores boiaram, literalmente. Já as conversas foram profundas, literariamente. A primeira cena é difícil de imaginar, para brasileiros: um deserto à beira mar, uma antiga boca de vulcão, na qual o mar se infiltra e evapora, deixando uma piscina de água hipersaturada, tão densa que não deixa os banhistas afundarem. A outra cena, desta vez junto a uma praia de águas azul-turquesa, foi no Festival de Literatura-Mundo na Ilha do Sal.

A Ilha do Sal recebeu escritores, tradutores, jornalistas e editores em torno da “Literatura-Mundo”, um conceito que abarca, entre outras definições, a produção e circulação da escrita para além das literaturas nacionais, principalmente as de países de fora do cânone ocidental (vale dizer, dos colonizadores). Na discussão cabe falar sobre a “universalidade” dos textos e a dinâmica multicultural.

Se existe um “lugar de fala” para universalidade e multiculturalidade este fica em Cabo Verde: uma fusão de diferentes povos arrancados da África (mandingas, wolofs, mandjacos, bantos) com portugueses desgarrados e outros europeus que deram às ilhas vulcânicas. A mistura é refletida no crioulo, língua do dia-a-dia (ao lado do português, idioma da lei e da escola), aglutinando a base lusitana a falas africanas e europeias. Há talvez mais cabo-verdianos no mundo do que no arquipélago e mesmo entre os que residem no país há constante diálogos com nações africanas, europeias e americanas. Não há portanto cultura menos “isolada” do que a dessas ilhas.

O primeiro Festival de Literatura-Mundo do Sal surgiu do esforço e vontade de seus organizadores Filinto Elísio (cabo-verdiano) e Márcia Souto (brasileira) e de Patrícia Santos Pinto (portuguesa); bem como do curador, José Luís Peixoto, vencedor do Prêmio Oceanos em 2016. O autor de Galveias (Companhia das Letras) foi, quando jovem, professor em Cabo Verde e criou uma relação de afeto com o arquipélago (o que costuma acontecer com outros escritores, como testemunhou Socorro Acioli).

Inocência Mata, entre o brasileiro Sérgio Rodrigues e o português José Luís Peixoto durante o evento | © Divulgação
Inocência Mata, entre o brasileiro Sérgio Rodrigues e o português José Luís Peixoto durante o evento | © Divulgação

Uma apresentação ao que seja a “Literatura Mundo”, proferida pela professora Inocência Mata, inspirou e disparou os debates. Inocência é um exemplo da circulação no território lusófono por via da cultura: natural de São Tomé e Príncipe, é professora na Universidade de Macau. As mesas trataram da “polifonia” de literaturas, da disseminação da prosa e da poesia e o papel dos festivais literários, pontuadas, aqui e ali, por discussões sobre identidade e etno-euro-centrismo. Havia autores de Cuba, Sérvia, Colômbia, Alemanha, EUA e Espanha, todos conversando em português. Entre os autores “da casa” estavam Germano Almeida, Arménio Vieira (laureado com o Prêmio Camões), José Luís Tavares e Jorge Carlos da Fonseca, presidente de Cabo Verde. (São também escritores o atual e o anterior ministros da Cultura, respectivamente Abraão Vicente e Mario Lucio Souza). A homenagem foi para Corsino Fortes e para José Saramago, representado por Pilar del Río.

No time (ou “equipa”) brasileiro estavam a autora e curadora Guiomar de Grammont e o jornalista e romancista Sérgio Rodrigues, que aconselhou que o escritor que se pretenda “universal” precisa driblar dois riscos: o de emular a literatura de fora em uma escrita apátrida ou, no extremo oposto, o de carregar no exotismo e fazer “macumba para turista”.

Voltar ao Brasil, depois de quatro dias em Santa Maria (uma espécie de Búzios ou Praia do Forte, só que organizado) e conversar sobre tantas culturas diferentes me deixou com dois sentimentos. O primeiro é que somos nós, um país continental, que nos comportamos como ilhas, voltados para nós mesmos. O segundo sentimento é aquele que dá em todos que visitam Cabo Verde: a sôdade.

PS. Se quiserem saber mais sobre Cabo Verde e a língua portuguesa, com depoimentos de José Luis Peixoto, Sérgio Rodrigues e outros, assistam ao primeiro episódio de “NossaLíngua.Doc”.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Livrarias italianas podem abrir, mas não querem; letãs querem abrir no fim de semana, mas não podem; francesas não podem vender, mas também não deixam a Amazon tomar seu espaço: como o livro europeu se vira com o vírus
Em sua coluna, Julio Silveira relata como Portugal e em especial, editores e livreiros, estão lidando com a pandemia da covid-19
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Camila Cabete celebra dez anos como colunista do PublishNews: 'Revendo minhas colunas antigas eu tive um sentimento de muita gratidão. Posso dizer ao ver que fiz parte desta história'
Em seu artigo, Gustavo Martins de Almeida fala sobre a autorização de uso de obras encontradas na internet
Podcast do PublishNews conversou com Jaime Mendes, historiador que escreveu, recentemente, dois artigos para o PN analisando o mercado editorial brasileiro
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Neste episódio especial do PublishNews Entrevista, André Argolo reuniu alguns de seus entrevistados para compartilharem pensamentos sobre o mundo, suas preocupações e sonhos
O artista parte do princípio de que a vida não é boa e a literatura é sonho. E a gente tem que sonhar o tempo todo, mesmo com o sonho que não presta.
Raimundo Carrero
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar