Publicidade
Publicidade
(Não) é a economia, editor!
PublishNews, Julio Silveira, 26/08/2016
O livro vai mal, e vai ficar igual se a gente não pensar diferente

O livro não subiu enquanto o Brasil dava um salto; o livro despencou quando o Brasil caiu. Vendiam-se poucos livros quando o preço de capa estava alto; vendem-se menos ainda quando o preço é mais baixo. Não há nem vagalumes no fim do túnel editorial de acordo com os dados encarados na manhã de quarta, analisando o mercado do livro 2006 a 2015, a “ década perdida”. O panorama estatístico, corrigido pela inflação e cotejado com o PIB, mostrou, entre outros, que o segmento de obras gerais (que inclui aquele livro na sua cabeceira), faturou em 2015 apenas 60% do que faturava em 2006. Tirando um espasmo por volta de 2009, o movimento nestes 10 anos foi (e ainda é) de queda livre (23% só no biênio passado).

A derrocada no faturamento ocorreu mesmo com o aumento no número de exemplares impressos, o que demonstra o apego dos editores pelos encalhes e por uma economia wishful thinking, onde um aumento da oferta teria poder de aumentar a demanda. Pela mesma lógica do autoengano, advoga-se que a fixação (no alto) no preço do livro vai atrair mais leitores, mesmo que por decreto.

Falando pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), Marcos Pereira desabafou: “Hoje, os donos das livrarias estão me dizendo para aumentar os preços. Eles também sofreram com a inflação, reajuste de aluguel, salários. É difícil convencer a sociedade que o preço fixo pode ser bom para ela”. Sim, é difícil. Mais difícil ainda é fechar uma equação em que preços mais altos (e fixos) façam aumentar o faturamento de modo a compensar a perda por elasticidade (em outras palavras, a perda dos leitores que também sofreram com inflação e que vão trocar os livros caros por, sei lá, caçar pokémons).

A equação não fecha, e nem acho que devemos encarar isso como um problema econômico. O setor de bens de consumo, ou o financeiro, vão para onde for a economia. Nosso setor, o cultural, é mais afetado para onde vai… a cultura.

Estamos passando por um grande câmbio cultural e não há contas ou decretos que deem jeito na economia do livro, se estes se propuserem a manter as coisas do jeito que estão (ou estavam). A cultura mudou, os leitores mudaram. Resta aos editores e livreiros decidirem se ficam para trás, ou se aproveitam as mudanças. Segundo alguém que entende da história do livro,

“A mudança mais óbvia é a tecnológica. A internet transformou o modo como os livros são produzidos, vendidos e lidos. As mudanças que começaram em 1991, com o desenvolvimento da internet, são tão grandiosas quanto às da Era Gutenberg. E elas continuam. Não é exagero dizer que o mundo do livro está passando por sua maior transformação em 500 anos. É excitante e ameaçador para profissionais do livro, mas, para mim, é um tempo de grandes oportunidades”.

Segundo Robert Darnton, “as editoras não estão perdendo dinheiro porque essas pessoas [nativos digitais] não compravam livros. O público leitor está crescendo graças ao livro digital.” Pode-se discutir a quantidade, e mesmo a qualidade, dos leitores, mas não pode-se contestar que em nenhuma época se escreveu, e se leu, tanto. A prova está neste artigo, assim como as dezenas de posts, emails e textos que você vai ler ou percrustar antes mesmo do almoço, na sua mesa de trabalho ou no objeto retangular que você leva no bolso e que o mantém conectado.

Um desavisado que consultar a lista de mais vendidos pode estranhar a profusão de blogueiros e outras personalidades geradas nas profundezas caóticas da internet. E, se este desavisado for também desconectado, talvez isso lhe pareça, com certo desprezo, mera “cultura de massa”. O que ele não vê é que já não é meramente a cultura “de” (ou melhor, “para”) a massa, e sim a cultura da massa. Eis um sintoma de que os leitores já não estão mais acatando a posição, passiva, de consumidor. Os leitores, em rede, já detêm o poder de detectar os futuros bestsellers e de definir o sucesso comercial dos livros publicados. Com o fenômeno dos booktubers, o ciclo se completa e leitores tornam-se escritores.

Fundir leitor e autor é um desejo antigo que a tecnologia (ou a filosofia) vem tentando responder. A internet fez 25 anos e, no primeiro browser criado por Tim Berners-Lee, já havia um botão “edit” para que qualquer um pudesse escrever nas páginas que acessasse (o que hoje se pode fazer apenas nos sites Wiki). Antes disso, os revolucionários como Theodor W. Adorno olhavam torto para os “novos” meios de comunicação que criaram consumidores passivos e [politicamente] alienados, já que “não se desenvolveu nenhum dispositivo de réplica”. E antes mesmo da Revolução Industrial, Immanuel Kant (citado por Roger Chartier) sonhava com que “cada um fosse ao mesmo tempo leitor e autor, que emitisse juízos sobre as instituições de seu tempo, quaisquer que elas fossem, e que, ao mesmo tempo, pudesse refletir sobre o juízo emitido pelos outros.”

Ok, ok. Muito bacana, muito erudito. Os leitores agora podem (e querem) participar: selecionando, publicando, promovendo, escrevendo. Mas como isso pode ajudar a remendar a cadeia do livro, ou mesmo a pagar as contas dos editores e livreiros?

Não sei, mas procuro saber. Só acho que o caminho passa mais por uma daquelas “grandes oportunidades” de que falou o Darnton do que em tentar resolver (ou entender), com as ferramentas de ontem, um problema de hoje. E quando ao amanhã? No mesmo dia em que os editores encaravam os números da “década perdida”, os livreiros reuniram-se para pensar na “ Livraria do futuro”... mas nem tanto. Regulamentação, margens das editoras, a velha farinha-pouca.

“Tentar ganhar da

turma da internet não é fácil não”, disse Marcus Teles, da rede Leitura.

Verdade: não é fácil ganhar da turma da internet, e nem vale a pena. Também

difícil, porém mais produtivo, seria descobrir como ganhar a turma

da internet: o leitor.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
Julio Silveira faz balanço da Flip, elogia a curadoria de Josélia Aguiar e dá força para a criação da 'federação de festivais', ideia proposta durante mesa na Casa PublishNews
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A PublishNewsTV dessa semana conversou com Fernando Nuno, músico, jornalista e editor responsável pelo famoso Círculo do Livro
Na crônica desse mês, Luciana Pinsky narra o efêmero relacionamento de duas pessoas que mantiveram um relacionamento virtual, com raros, "mas sempre muito desejados" encontros presenciais
Cinthia Favilla, gerente da Bienal de SP, participa do programa para falar das novidades do evento que acontecerá em 2020. Programa traz ainda relato dos bastidores da operação de Felipe Neto na Bienal do Rio.
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Não acredito que alguém possa se interessar pela literatura a não ser começando pela leitura
Marçal Aquino
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar