Publicidade
Publicidade
Selos, por que te quero?
PublishNews, Daniela Kfuri, 19/07/2016
Daniela Kfuri usa sua coluna para levantar mais questões sobre a pertinência e relevância dos selos editoriais

Escrevo esse artigo inspirada na discussão levantada pelo Carlo Carrenho sobre a pouca relevância dos selos editoriais no mercado editorial. A pesquisa Retratos da Leitura no Brasil apontou que apenas 3% dos consumidores escolhem os títulos pela editora, essa informação não é nova, todos nós enquanto consumidores ou profissionais da indústria editorial sabemos que a escolha se deve muito mais a capa, ao tema ou ao autor e gênero, em poucos casos pela editora. Mas isso significa que os selos não importam?

O mesmo gráfico usado para apontar a irrelevância da marca mostra que, dos 97% restantes, que não escolhem livros pela editora ou selo – marca criada para lançar produtos específicos de um segmento – o fazem boa parte por indicações, anúncios, mídias sociais etc. Não seriam todos esses pontos formas que esse selo ou marca tem de estabelecer a conexão com esse leitor de forma relevante?

Enquanto consumidora, em um momento que eu nem sonhava em trabalhar no mercado editorial, lembro da minha primeira experiência de escolher um livro por causa da editora. Eu tinha lido O monge e o executivo e fiquei louca para repetir essa sensação de leitura, mas não queria gastar meu dinheiro com algo que não fosse garantido. Escolhendo o novo livro – primeiramente a partir do tema que me interessava – o que mais me chamou a atenção foi que todos eles tinham aquele mesmo símbolo na capa. E, quando escolhi o título, para minha grata surpresa era um livro que me satisfez perfeitamente. Eu podia confiar! Pronto, a Sextante ganhou uma leitora. E isso em uma época em que era raro o contato direto das editoras com os leitores, muito diferente dos potenciais atuais.

Há dez anos, quando entrei na editora Objetiva (editora que foi uma das pioneiras no processo de criação de selos influenciada pela aquisição do grupo Prisa-Santillana de parte de seu capital), meu primeiro trabalho como gerente de marketing foi o lançamento do selo Alfaguara no Brasil, muito forte em sua composição de marca, seja pelos títulos, autores e capas, que tinham no seu design um “L” que influenciava o reconhecimento gráfico do público com relação àquela marca no ponto de venda. Posso dizer que esse foi um grande projeto de selo para leitores e autores. E a gente nem vivia nos novos tempos digitais.

Pois bem, agora vivemos uma nova era, uma reorganização do consumo de conteúdo e informação. O consumidor hoje escolhe que tipo de assunto ele quer ser informado, segue páginas de empresas e personalidades que ele acredita estar de acordo com seus propósitos. Defende bandeiras com as quais tenha afinidade. Da mesma maneira, corta relações com o que não tem a ver com o seu mundo de pensar, ver e vivenciar o mundo. Por isso ficou tão mais urgente para as editoras se posicionarem enquanto a ser uma coisa ou outra. Eu já tive a experiência de trabalhar redes sociais de selos que mudavam tanto de assunto dos livros lançados que a evasão de seguidores era constante. Nada funcionava porque não ficava claro para o leitor quem a gente era. Citando o exemplo do meu amigo Carlo, o leitor da Bigu Design não quer receber informações da Bigu Negócios, e a gente gasta tempo e dinheiro comunicando para quem não vai comprar aquele tipo de livro.

O protagonismo cada vez maior do cliente, somado ao contato mais próximo que as redes sociais nos proporcionaram mudaram toda a dinâmica de divulgação nos últimos poucos anos. Hoje, enquanto profissional de marketing, eu não posso negar as vantagens de se ter foco, de falar para o grupo certo de pessoas e não para uma multidão pasteurizada que não quer saber daquele assunto. Atualmente existem selos editoriais ou editoras com milhões de seguidores e por quê? Porque o selo ou marca reflete uma personalidade e um estilo que é agradável e relevante àquele leitor. Ele quer saber sobre outros títulos daquele tema, de autores que eles gostam ou de autores similares que eles podem vir a gostar. Eles confiam no programa editorial e eles tem vontade de dialogar com a editora ou com o selo.

Não é à toa que grandes marcas investem nessa construção do branding, aliando curadoria com comunicações efetivas: séries da HBO ou Netflix, animações da Pixar, filmes da Marvel (hoje praticamente dois selos da Disney), jogos da Ubisoft ou Blizzard e por aí vai. O erro não está no conceito de fortalecimento de marca, mas sim entender essa marca como algo a mais do que agrupar livros com um logo em comum.

Essa construção de um selo, assim como a de uma editora consistente, não se resume a setores de atuação. É um projeto verdadeiro de leitura. É fazer o consumidor confiar em você enquanto empresa, alinhando todas as áreas, editorial, marketing e comercial a um propósito e com formas consistentes. De outra forma, fica vazio e falso. Vejam editoras que conseguiram fãs muito fieis como Darkside e Aleph. Tudo está integrado. Ambas hoje, embora de médio porte, conseguem muito mais relevância do que muitos grupos. Se você gosta, fica esperando pelo novo título e vai confiar que vai ser bom. Algo impossível de se fazer isso se jogarmos em um mesmo balaio livros religiosos e de ficção, por exemplo.

Quando interagimos com esses leitores fiéis, falamos com os 20% formadores que reverberam para os outros 80% dos consumidores daquele segmento. E assim se dá o processo de divulgação que mais funciona no mundo: o boca-a-boca, responsável por grande parte da escolha de um título. E acredito ainda que esse número percentual de 3% apontado pela Retratos da Leitura não é maior justamente pelo processo de escolha editorial, que muitas vezes não foca no consumidor e na construção de leitores fiéis. O livro é escolhido e depois é decidido onde ele vai ser publicado. Grandes erros são cometidos nesse processo.

Chamemos de editora, marca ou selo. A questão não é partir da irrelevância apontada pelos leitores para uma conclusão de que não é necessário. Mas analisar o por que alguns exemplos deram certo e outros não. Acredito sim que eles podem ser uma vantagem competitiva de comunicação e fidelização, desde que dentro de um projeto maior que envolva toda a empresa. Um projeto com propósito. Que tem missão, visão e valores. Um projeto de marketing que está de mãos dadas com o editorial. Que tenha personalidade própria. Com coerência, consistência e sem exageros. Se o trabalho for genuíno e feito com carinho e cuidado, ele dará certo e dará frutos. Quem sabe na próxima pesquisa esse número não aumenta?

Daniela Kfuri é formada em Comunicação Social pela UERJ, possui MBA em Marketing e Pós-MBA em Marketing Digital pela FGV. Com mais de 20 anos de experiência, já trabalhou em agências de propaganda e nas áreas de marketing de empresas como Jornal do Brasil, Metropolitan e Estação das Letras. Em 2006, fundou o Departamento de Marketing da editora Objetiva, englobando os selos Alfaguara, Suma de Letras, Fontanar e Ponto de Leitura. Gerenciou campanhas de marketing de autores como Luis Fernando Verissimo, Mario Vargas Llosa, Carlos Ruiz Zafón, Martha Medeiros, Stephen King, Elizabeth Gilbert, Mario Quintana, Marcelo Rubens Paiva e Arnaldo Jabor, entre outros. Trabalhou no Grupo Companhia das Letras e no Grupo Ediouro. Atualmente, a colunista é Diretora de Marketing e Vendas da HarperCollins Brasil.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Daniela Kfuri defende que essa máxima deveria estar em desuso e que a performance de um livro depende de toda a cadeia: desde o autor até o livreiro
Em sua coluna Daniela Kfuri faz uma declaração de amor aos livreiros e conclui: ‘apostando no livreiro, estamos no caminho certo’
Daniela Kfuri tenta responder essa pergunta e conclui que o maior desafio é escolher o que fazer e como fazer de forma assertiva
"Estamos vivendo mais uma batalha de informações do que uma batalha de vendas", essa frase de Philip Kotler mostra a dimensão da importância do planejamento e da pesquisa no Marketing
Em seu artigo de estreia no PublishNews, Daniela Kfuri defende que o Marketing deve ser adotado por todos os departamentos da editora
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Mariana Bueno (Nielsen), Dante Cid (SNEL) e Vitor Tavares (CBL) participam do programa e analisam os principais resultados vistos na última edição do estudo
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Henrique Rodrigues questiona a lógica de mercado que vem balizando a vida literária contemporânea
O podcast especial do PublishNews patrocinado pela Alta Books traz o headhunter Ricardo Basaglia, que lança hoje em São Paulo o livro 'Lugar de potência', reunindo sua experiência de mais de 10 mil entrevistas, cafés e reuniões
Conversa reúne Bruno Mendes, sócio do PublishNews, da Distribuidora Saudade e CEO do #coisadelivreiro, e André Palme, executivo, professor e podcaster, além de colunista e palestrante e diretor-geral da Storytel no Brasil.
Eu acredito que temos uma obrigação de ler por prazer.
Neil Gaiman
Escritor inglês
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar