Publicidade
Publicidade
​Faça igual
PublishNews, Gustavo Martins de Almeida, 04/08/2015
Gustavo Martins de Almeida dedica sua coluna à edição fac-similar e analisa, a partir de exemplos, as possibilidades desse tipo de edição

A Palavra composta “fac-símile” (não deixe de consultar o VOLP - Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras) significa exatamente o título desse artigo; “Faça igual”. Esse conceito é utilizado para denominar, dentre outros, o tipo de edição de livros que reproduz integralmente outra edição, e mantém seu status de importância, na medida em que edições raras, ou incomuns, constituem objeto de desejo de bibliófilos.

Em conceito obtido na internet (desculpem) pode-se dizer, em tradução livre, que “uma edição fac-símile é a reprodução de fotomecânica de um modelo único, praticamente bidimensional; isso elimina o trabalho de cópia de manual o máximo possível, reflete para o mais alto grau os aspectos internos e externos do original, incorpora todos os possíveis meios técnicos disponíveis, garante a proteção e preservação do original e é apropriado para interesses científicos e artísticos. Um fac-símile pode servir como um verdadeiro substituto do original para fins de investigação e de bibliófilos”.

Para não estender muito o campo de pesquisa, faço referência à primorosa edição fac-similar de Amor de perdição, de Camilo Castelo Branco, publicada por Lello & Irmão-Editores e pelo Real Gabinete Português de Leitura, em 1983. Ali, lado a lado, página a página, foram impressos o manuscrito da obra e uma edição crítica sob a direção de Maximiano de Carvalho e Silva. É um volume primoroso, de 645 páginas, onde aparecem rabiscos, hesitações, reparos e emendas do autor, reproduzindo seu trabalho intelectual.

Outras tantas, como a dos Lusíadas, exposta na comemoração do Quarto Centenário da 1ª edição da obra, também no Real Gabinete, no Rio de Janeiro (ver exemplos aqui) vão sendo mais facilmente lançadas graças aos novos recursos tecnológicos, que aprimoram a sensação e manuseio do original.

Existem, porém, fatos curiosos, que por sua originalidade, acabam valorizando essa ou aquela edição. E aqui faço referência à belíssima obra de autoria de Gilberto Ferrez (veja fotos ao lado) e concebida por Raymundo de Castro Maya A muito leal e heroica cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro lançada no ano de 1965, comemorativo do Quarto Centenário da cidade, e reeditada esse ano de 2015, em edição fac-similar, em formato reduzido, para comemorar os seus 450 anos. Embora alguém tenha questionado o formato reduzido como supressor do caráter fac similar, esse não é o ponto peculiar.Na edição original consta que foram publicados 100 exemplares numerados em algarismos romanos de I a C, fora do comércio, destinados a Comissão Organizadora e colaboradores e mais mil em numeração arábica, e que as matrizes da obra “foram destruídas”.

Pois o fato curioso é que a matriz dessa edição fac similar é o exemplar número LX da primeira tiragem. Logo, o fac-símile na verdade é de um exemplar da edição, que certamente ficou mais valorizado, por ser o original.

O fato é que com a internet as edições fac-similares digitais se multiplicam aos milhares, e as máquinas de escaneamento de livros raros são reproduzidas de modo a “manusear” as obras com cuidado, rapidez e obtenão de imagens perfeitas (veja o vídeo abaixo como exemplo). A ABNT tem norma específica sobre publicações e numa delas existe referência a edição fac-similar.

A Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin na prática traz reproduções fac-similares em meio digital. Não é possível o real manuseio do livro, e sim o folhear digital, mas se há um ponto positivo na internet e novas tecnologias editoriais, este é o acesso a edições raras por infinito número de pessoas. Ainda assim, gosto do cheiro de “papel velho” do meu escritório de casa, que convive muito bem com leitores digitais e outras inovações.

Gustavo Martins de Almeida é carioca, advogado e professor. Tem mestrado em Direito pela UGF. Atua na área cível e de direito autoral. É também advogado do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e conselheiro do MAM-RIO. Em sua coluna, Gustavo Martins de Almeida aborda os reflexos jurídicos das novas formas e hábitos de transmissão de informações e de conhecimento. De forma coloquial, pretende esclarecer o mercado editorial acerca dos direitos que o afetam e expor a repercussão decorrente das sucessivas e relevantes inovações tecnológicas e de comportamento. Seu e-mail é gmapublish@gmail.com.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Gustavo Martins de Almeira aproveita a data de comemoração dos 173 anos de nascimento de Eça de Queiroz para retomar um capítulo importante da Justiça brasileira
Em sua coluna, Gustavo Martins de Almeida analisa, sob o ponto de vista jurídico, dois assuntos: Domínio público e a explosão dos audiolivros
Em sua coluna, Gustavo Martins de Almeida fala dos direitos decorrentes do novo hábito de se ouvir um livro
​A obtenção de dados sobre leitores e seus hábitos de leitura são o hit do momento e Gustavo Martins de Almeida usa sua coluna para explicar as implicações disso no mercado editorial
Em sua coluna, Gustavo Martins de Almeida analisa, do ponto de vista de aspectos jurídicos, a compra da Estante Virtual pela Livraria Cultura
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em nova crônica, Luciana Pinsky conta a história de uma mulher que vivia atrasada até que esbarrou num ciclista em pleno trânsito de SP
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A partir de Monteiro Lobato que, além de escritor, era um empreendedor do livro, Marcio Coelho faz, em sua coluna, uma reflexão sobre a gestão dos pontos de vendas de livros no país
Toda semana você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Se leitura é liberdade, essa liberdade também se manifesta na escolha de leitura.
Ana Garralón
Especialista espanhola em literatura infantil
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar