Publicidade
Publicidade
Escritor bom é o que mais aparece
PublishNews, 05/09/2013
Ser autor em tempos de rede

Franz Kafka só teria um seguidor no Twitter, um único amigo no Facebook. E passava o dia em casa escrevendo, para ninguém. Aquele único amigo, Max Brod, se negou a atirar os papéis de Kafka ao fogo, editou e fez publicar a obra, tornando o autor de Metamorfose um dos mais importantes escritores do século 19 — postumamente. “Esse autor introspectivo, que passa o dia dentro de casa escrevendo, não existe mais. Rubem Fonseca [ou Kafka], hoje, não seria publicado. Ele é de outra escola, outra época”, pontificou o editor e escritor Raphael Draccon. Para ele, mais que uma boa história bem contada, é requisito para o autor “participar de muitos eventos e saber se comunicar com o leitor”. A declaração teve o repúdio esperado e foi replicada pelas timelines de leitores chocados com essa “vulgarização do papel do escritor”. Pode-se discutir a insolência da afirmação do escritor/editor, mas, sossegados os ânimos, é preciso encarar. Ele está dizendo, com a inocência e clareza do menino da fábula, o que ninguém gosta de saber: que “o rei está nu”.

O que é determinante para a afirmação de um escritor? É a qualidade de seu trabalho ou sua capacidade de espalhar suas ideias por leitores? Em um mercado editorial, cuja fórmula só dá resultado com grandes números (tiragem), o que importa mais, o autor “torre de marfim” ou o “arroz de festa”? E em um ambiente de rede, onde não há mais barreiras (ou intermediários) entre o escritor e o leitor, a quantidade de “likes” é certificado de validade do autor?

Aquilo que Bourdieu postulou como Capital Social (“o agregado dos recursos efetivos ou potenciais ligados à posse de uma rede durável de relações mais ou menos institucionalizadas de conhecimento ou reconhecimento mútuo”) entendemos intuitivamente como “panelinha”. É preciso estar na “panelinha” para aparecer. Por sinal, o termo “panelinha” veio do encontro de escritores na casa de Machado de Assis, no Cosme Velho, onde os venerados autores charlavam em torno de um caldeirão (ou panelinha). É coincidência que nosso escritor maior tenha sido nosso maior “capitalista social” bourdiano? Machado de Assis criou uma “rede durável de relações e reconhecimento mútuo” sólida e a institucionalizou como a Academia Brasileira de Letras. Sua atividade social intensa — assim como a de escritores do cânone como Mark Twain, Oscar Wilde, Victor Hugo, figurinhas fáceis em palestras, congressos e feiras — só fortaleceu o monumento de sua obra.

“Participar de eventos e saber falar com leitor” não é a marca somente de escritores de literatura de fantasia juvenil. “Não creio que se possa julgar um trabalho pela maneira como o escritor se posiciona”, reconhece o premiado escritor Luiz Ruffato. Para ele, a presença de escritores em “festivais literários, feiras do livro, palestras, conferências, oficinas” é o que tem permitido o recente fenômeno de se poder viver de literatura no Brasil.

Aos que cultivam a “pureza” do escritor, é sempre bom voltar às Ilusões perdidas. O livro de Balzac começa com dois jovens amigos escritores. O primeiro, David, fica na cidadezinha tocando a duras penas o negócio do pai, uma gráfica. O segundo, Lucien, segue para Paris, para que o mundo reconheça seu gênio literário. O que ele vai perdendo são as ilusões do título, e o que ele encontra é o frívolo, cínico e pecuniário mundo das letras, onde importam muito mais quem você é, e de quem você é amigo, do que propriamente o que você escreve. (Seria a obra de Lucien, que encontrou a glória, “melhor” que a de David, que continuou enfurnado na província?)”

Para aquele autor que escreve bem, mas prefere ficar no seu canto (ou torre de marfim) a desfilar no circo literário, resta talvez a fama póstuma. Foi o que Kafka conseguiu. Ou Tommasi di Lampedusa, que morreu antes de seu O Leopardo virar um clássico. O italiano se definia como “um rapaz que gostava da solidão, que gostava mais de estar com as coisas do que com as pessoas”. No caso de Lampedusa, quem impediu que a obra fosse enterrada com o autor, foi o editor (e milionário e terrorista de esquerda) Giaccomo Feltrinelli.

Um único amigo, como Max Brod, ou um único editor sagaz, como Feltrinelli, podem levar um bom escritor à glória — ainda que póstuma. Aos escritores (os bons e os nem tanto) que não têm essa sorte restam talvez os amigos do Facebook, seguidores e que tais da rede.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
Julio Silveira faz balanço da Flip, elogia a curadoria de Josélia Aguiar e dá força para a criação da 'federação de festivais', ideia proposta durante mesa na Casa PublishNews
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A PublishNewsTV dessa semana conversou com Fernando Nuno, músico, jornalista e editor responsável pelo famoso Círculo do Livro
Na crônica desse mês, Luciana Pinsky narra o efêmero relacionamento de duas pessoas que mantiveram um relacionamento virtual, com raros, "mas sempre muito desejados" encontros presenciais
Cinthia Favilla, gerente da Bienal de SP, participa do programa para falar das novidades do evento que acontecerá em 2020. Programa traz ainda relato dos bastidores da operação de Felipe Neto na Bienal do Rio.
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Tudo que escrevo é autobiográfico, mas não confessional.
Amós Oz
Escritor israelense
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar