Publicidade
Publicidade
O “coronelismo” editorial
PublishNews, 05/04/2011
O “coronelismo” editorial

Camila Cabete, desde que estreou aqui no Publish News como colunista, vem me deixando quinzenalmente às quintas-feiras com vontade de marcar um café da manhã na sexta seguinte para conversar sobre trabalho. E uma das coisas que temos em comum é considerar esse assunto, apesar de angustiante, uma coisa tão natural e importante em nossas vidas como falar de nossas gatinhas, famílias etc.

Quando li a última coluna dela cheguei a rir sozinha ao ver a palavra “coronel” e entendi que era hora de nossas colunas conversarem como em um bom café da manhã com milkshake de chocolate. E aqui vai:

Camila,

Eu sempre quis falar sobre o “coronelismo” editorial, mas, como estou dentro da indústria, sempre tive medo do poder dos coronéis porque dependo do meu salário pra viver e comprar a ração e a areia das gatas. Sim, eu sei que você sabe disso, mas eu queria expor meu medo porque o que é ridículo é para ser desmascarado...

Sabe o que mais me incomoda nesse “coronelismo”? Não, não é a falta de pagamento de hora extra ou a lenda de que você nunca pode entrar na justiça contra os abusos trabalhistas editoriais sob pena sub-reptícia de jamais conseguir um novo emprego na área, o que mais me incomoda é a sensação de que não evoluímos, ou, pior, de que involuímos! Sinceramente, é deprimente ter a mente da chamada “geração y” e trabalhar para a geração x, w, v (quem seria da “geração A”? Jesus?)... E não tem nada a ver com idade, e sim com a cultura organizacional x, w, v. Chega a ser brutal como empresas com essa cultura te obrigam a se adaptar a elas e deixam claro que nunca vão se adaptar a você porque “não é que você tenha talento, ela é que tem uma vaga”.

Se você é novo porque é seu primeiro emprego ou porque acabou de chegar na empresa, essa cultura serve para impedir que suas ideias sejam ouvidas até você saber o que “funciona ali”. Isto é, a empresa está estabelecida, inflexível, ela não te reconhece como um elemento que a enriquece, ela não precisa nem se interessa por você, ela te concedeu a possibilidade de entrar “no quadro dela e de ser moldada por ela” até você virar mais do mesmo e espalhar por aí que “aprende-se muito trabalhando lá”. Sim, aprende-se a ser o que ela quer que você seja. Zuckerberg e seus moletons não teriam chance...

Vamos para as frases fortes: não raramente, trabalhar com livro, ao menos no Brasil (mas tenho certeza de que não só), provoca uma sensação dolorosa de emburrecimento. Porém, quanto menor a empresa, maior a flexibilidade na gestão, certo? Não necessariamente. Afinal, as menores muitas vezes têm as maiores como exemplo e quase todas as maiores só são grandes porque estão há muitos e muitos anos no negócio e já descobriram o jeito de fazer livro e ter lucro – e não precisam de mais que isso.

Essa sensação de emburrecer no trabalho não é nova nem é só da nossa área, mas, considerando que nosso produto é o livro e que os livros são, por natureza, odes ao conhecimento, às novas ideias, é de matar de desgosto pedir para o profissional dessa área se calar e aceitar que, por exemplo, não se usa moletom no trabalho porque não se usa moletom no trabalho e-ponto-final.

Esse coronelismo editorial encontra ressonância no “leitor-coronel” e ambos, indústria e consumidor, se estabelecem como superiores porque cultos. Temos aí a elite cultural, os “formadores de opinião” (nada é mais coronelismo que isso...) e assim percebemos grau do terremoto que os ebooks promovem nesse mundo.

Os ebooks trazem em si o conceito da geração y e, mesmo que sejam produzidos ainda no mesmo esquemão de sempre da geração X, gostar deles neste momento no Brasil é uma atitude política revolucionária. É como se defendêssemos a liberdade, a igualdade e a fraternidade. E assim nos tornemos mais modernos, mais inteligentes, mais contemporâneos só porque apoiamos uma elite contra a outra. Porque, convenhamos, por exemplo, a Apple com seus iTunes e iBooks e a Amazon com o .mobi do Kindle não são exatamente antiaristocráticas, são apenas possibilitadores de um nova elite a qual os antigos excluídos podem ascender.

Se não está claro, eu gosto dos ebooks, mas vejo claramente o que está por trás dessa frase. A leitura agora nos permite ostentar não só a nossa erudição, mas também nosso poder financeiro (ao comprar os e-readers) e nossos graus de “sagacidade tecnológica” e de privilégio no acesso a informações.

Não sei se você lembra que eu duvidava que os ebooks poderiam provocar um crescimento na leitura, mas depois de pensar sobre a necessidade humana de parecer ou ser melhor que os outros e a quantidade de poder que a leitura de um ebook proporciona, estou mudando de ideia?

E aí, vamos ao milkshake?

Cindy Leopoldo é graduada em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pós-graduada em Gerenciamento de Projetos pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Cursou o Yale Publishing Course em 2015. Trabalha em editoras há uns 15 anos. Na Intrínseca,
onde trabalhou por 7 anos, foi gerente de edições digitais, sendo responsável pelos e-books da editora carioca, e editora de livros nacionais. Escreve quinzenalmente, só que não, para o PublishNews. Sua coluna trata de texto, tanto de forma quanto de conteúdo. Acesse aqui o LinkedIn da Cindy.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Cindy Leopoldo: as listas dos mais vendidos 'contém dados atualizadíssimos sobre o que é a literatura brasileira e até mesmo o que é ser brasileiro hoje'
Em novo artigo para o PublishNews, Cindy Leopoldo fala sobre a Comunicação, esse "tipo de milagre que acontece milhares de vezes por dia e não há explicação que baste"
Cindy Leopoldo entrevistou Paola Prestes, diretora do documentário sobre o editor brasileiro Massao Ohno, e conta tudo na sua coluna de hoje
Em sua coluna, Cindy Leopoldo busca respostas para essa questão que perturba muita gente que trabalha com livros digitais não só no Brasil, mas no mundo inteiro
Nem leitores nem editores (e menos ainda as livrarias) estão prontos para o “desaparecimento” dos livros impressos
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
O escritor, tradutor e jornalista é o convidado dessa semana da PublishNewsTV. No papo, ele falou sobre a infância, as profissões e ainda contou ‘causos’ das várias personalidades que já entrevistou.
Primeiro episódio da Audioteca Paraty dessa semana traz a íntegra da mesa que mostrou as ações do Sesc na formação do leitor e na promoção de leitura
Julio Cesar da Cruz e Roberto Novaes, ambos à frente da Distribuidora Catavento, são os convidados do Podcast dessa semana
Uma amiga encomendou a nossa colunista Luciana Pinsky uma crônica feliz, sobre o casamento... Ela fez...
Em sua coluna, Marcio Coelho faz uma reflexão sobre o que é estar 'no livro' nesse momento de crise. Vale a pena?
Ler um livro é importante para você não ser você por um tempo. E, quando você voltar, voltará com os olhos muito mais aguçados.
Beatriz Bracher
Escritora brasileira
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar