Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 06/01/2020
Há 49 anos servindo a cultura e educação, é uma das maiores distribuidoras de livros para o ensino de idiomas, técnicos e científicos.
A Transpo Express é uma transportadora que já atua há 10 anos focada completamente no segmento editorial. Faz entregas e coletas em editoras, distribuidoras, livrarias, gráficas e grandes redes. A área de atuação atualmente engloba São Paulo (Capital), grande São Paulo, Jundiaí, Campinas e todo o estado do Rio de Janeiro.
A área de Soluções em Acessibilidade é uma divisão da Fundação Dorina Nowill para Cegos criada para oferecer o mais amplo portfólio de produtos e serviços acessíveis a empresas que desejam não apenas se adequar à lei, mas atender a todos os seus clientes com a mesma atenção e respeito!
PublishNews, Redação, 06/01/2020

Saraiva aumenta seu capital, mas resultado fica aquém do autorizado inicialmente | © Facebook da varejistaNo último dia 30, a empresa enviou um aviso aos acionistas informando o fim do prazo para exercício de direito de preferência na subscrição das ações a serem emitidas conforme foi aprovado pelo seu Conselho de Administração no início de novembro. O informe diz que foram subscritas 7.828.169 (entre ações ordinárias e preferenciais) ao preço de emissão de R$ 1,45, totalizando o valor de R$ 11.350.845,05, o que corresponde a 31,16% do aumento de capital em ações. Os 68,84% restantes - 17.293.900 ações não subscritas o que equivale à cifra de R$ 25 milhões – serão oferecidos para rateio entre os investidores-subscritores que demonstraram interesses nessas sobras. E por falar nas ações da Saraiva, entre os dias 23 e 26 de dezembro, as ações da companhia se comportaram de forma pouco usual para uma empresa em recuperação judicial. Saltaram de R$ 1,70 para R$ 2,31. Isso por conta da iminente troca do seu comando. No último pregão, da sexta-feira passada (03), as ações estavam valendo R$ 1,98. Clique no Leia Mais e confira a íntegra desta nota.

PublishNews, Talita Facchini, 06/01/2020

Charlie Donlea, Yuval Noah Harari, Mark Manson, Luccas Neto e Caio Carneiro são os autores dos livros mais vendidos de 2019

Na última edição do PublishNews de 2019, nossa redação fez uma apuração parcial na Lista Anual dos mais vendidos, agora, na primeira edição de 2020, já temos confirmados os vencedores da quarta dição do Prêmio PublishNews, que dá reconhecimento às equipes de vendas e de marketing por trás dos livros mais bem-classificados na nossa Lista de Mais Vendidos e já está marcado para acontecer no dia 23 de março. Em 2019, a Lista dos Mais vendidos do PublishNews apurou a venda de 2.708.633 ante os 2.910.391 vendidos no ano anterior, uma queda de 6,9%. Desde a última previsão, não era dúvida nenhuma de que o livro mais vendido do ano seria A sutil arte de ligar o foda-se (Intrínseca). O livro de Mark Manson começou e terminou 2019 liderando a Lista Geral e vendeu 386.555 exemplares durante o ano. O segundo lugar ficou com O milagre da manhã (BestSeller), de Hal Elrod, com 257.451 cópias vendidas e o bronze ficou com Caio Carneiro e seu livro Seja foda! (Buzz), que vendeu 192.172 exemplares em 2019. Além do pódio da Lista Geral, todas as demais categorias são dominadas pelos homens. Clique no Leia Mais para conferir a íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 06/01/2020

O ano que passou foi muito agitado para quem trabalha com livros e, consequentemente, para a equipe do PublishNews. Ao longo de 2019, nossa redação preparou nada menos do que 2.207 notas e matérias, isso sem contar os episódios semanais do Podcast e da PublishNewsTV. Para botar um ponto final em 2019, o primeiro Podcast de 2020 trouxe um apanhadão das principais notícias do ano passado que, juntas, formam um panorama do mercado editorial em 2019. As matérias que comentamos foram reunidas numa única página que pode ser acessada clicando aqui. Nossa equipe buscou comentar cada uma dessas notícias, trazendo inclusive, notas de bastidores. A edição do Podcast teve uma participação especial que trouxe dinamismo e, no fim, uma pitada de humor inusitado. Vale ouvir até o fim para dar risada.

PublishNews, Redação, 06/01/2020

O mês de novembro se tornou, nos últimos anos, um período muito esperado pelo varejista brasileiro. Isso porque a Black Friday, uma tradição norte-americana, caiu de vez no gosto do consumidor daqui. Mas como o varejo de livros se comportou nessa importante data do calendário em 2019? A GfK e a Nielsen – institutos de pesquisa que acompanham a evolução do varejo de livros no País – publicaram no finzinho do ano passado seus relatórios relativos ao mês de novembro e o resultado, em linhas gerais, foi: varejistas venderam menos, mas faturaram mais. A GfK apurou a venda de 4,1 milhões de exemplares o que redundou no faturamento de R$ 150 milhões. Em comparação com 2018, isso representa queda de 1,1% no número de exemplares vendidos e aumento de 0,7% no faturamento. Já a Nielsen registrou a venda de 3,4 milhões de cópias vendidas e faturamento de R$ 128 milhões. Na comparação com 2018, os estabelecimentos monitorados pelo instituto de pesquisa venderam 0,43% a menos em volume, mas faturaram 1,82% a mais. Clique no Leia Mais e confira a íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 06/01/2020

Barack Obama publica lista de seus melhores livros de 2019 | © Pete Souza / Casa BrancaFamoso fã de livros, Barack Obama publicou no último sábado de 2019 a lista dos seus livros favoritos de 2019. O ex-presidente listou 19 títulos – entre romances, não-ficção, investigação e reportagens – que “tornaram o ano passado um pouco mais brilhante”, nas suas próprias palavras. Entre os livros de Obama estão, Arquivo das crianças perdidas, da mexicana Valeria Luiselli e publicado por aqui pela Alfaguara; Girl, Woman, Other, de Bernardine Evaristo, vencedora do último Booker Prize; e The orphan master’s son, de Adam Johnson. Clique no Leia Mais para conferir a lista completa.

PublishNews, Redação, 06/01/2020

O primeiro Apanhadão de 2020 traz ainda notícias do ano que passou. Antes mesmo do Natal o presidente do FNDE, Rodrigo Sergio Dias, foi exonerado após menos de seis meses no cargo. Em 2019, o orçamento previsto do fundo foi de cerca de R$ 55 bilhões e para a presidência foi nomeada Karine Silva dos Santos, que já atuava no órgão. Em nota, o MEC não informou o motivo da exoneração, mas afirmou que "a escolha do nome [de Karine] se deu pelo perfil técnico". Antes do ano acabar, o FNDE publicou o Edital do PNLD 2021 para aquisição de obras didáticas e literárias para o ensino médio. As obras adquiridas serão divididas em cinco objetos, cada um com prazo de inscrição específico. As regras para participação desta edição do programa estão disponíveis no site do FNDE. Os períodos de inscrição para quatro objetos já foram definidos. Para fechar o ano, o Estadão chamou dez escritores para refletirem sobre o ano de 2019 e olhar para o futuro. Autores como Milton Hatoum, Conceição Evaristo, Ian McEwan, Leonardo Padura, Ignágio de Loyola Brandão, Yuval Noah Harari, Verissimo e Karnal falaram sobre assuntos como o desmatamento na Amazônia, literatura, representatividade, história, política e cultura. E o ano começou com Bolsonaro defendendo mudanças nos livros didáticos. Em sua declaração, o presidente disse que os livros têm "muita coisa escrita", que é preciso "suavizar" e afirmou que a partir de 2021, quando os livros forem feitos por sua gestão, as publicações irão conter a bandeira do Brasil e o hino nacional. Clique no Leia Mais para conferir a íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 06/01/2020

O livro Um circo de rins e fígados (Edições Sesc-SP, 584 pp, R$ 95) apresenta os textos integrais de 24 peças escritas por Gerald Thomas no Brasil e no exterior acompanhadas de suas respectivas críticas de época, e traz ainda ensaios da organizadora Adriana Maciel, do jornalista Dirceu Alves Jr. e da professora de teoria do teatro Flora Süssekind. Thomas é um autor e diretor de teatro cujas habilidades alcançam a dramaturgia, a iluminação, a cenografia, o figurino, o desenho e a música. Sua extensa trajetória nacional e internacional o fez passar por pelo menos 15 países e vencer por duas vezes o Prêmio Molière e uma vez o Prêmio Mambembe. No volume, estão peças como Carmem com filtro 2 (Nova York, 1998), Ventriloquist (São Paulo, 1999), Eletra com Creta (Rio de Janeiro, 1986), Sturm Spiel (Munique, 1990), além de Um circo de rins e fígados (São Paulo, 2005), que dá nome à coletânea.

PublishNews, Redação, 06/01/2020

Aos 14 anos, Sérgio Augusto se tornou fã de Antonio Moniz Vianna, quando leu, por acaso, uma de suas críticas cinematográficas. Ficou fascinado por aquele universo e disse para si mesmo: é isso que eu quero fazer na vida. Estreou na imprensa nos anos 1960, e nunca mais parou de escrever. Reconhecidamente um dos maiores nomes do jornalismo cultural brasileiro, Sérgio Augusto fala sobre os mais variados temas, ainda que esta antologia seja sobre sua grande paixão: o cinema. Os textos reunidos na obra Vai começar a sessão (Objetiva, 416 pp, R$ 89,90) foram produzidos desde os anos 2000 e publicados, em sua maioria, no jornal O Estado de S.Paulo — e uma primeira versão desta coletânea foi publicada em formato digital, em 2015, sob o título O colecionador de sombras. Juntos, formam uma espécie de guia afetivo da sétima arte para curiosos e aficionados, mas também para todo mundo que se interessa por arte e cultura, ou simplesmente deseja uma boa leitura.

“Escrever é estar no extremo de si mesmo.”
João Cabral de Melo Neto
Poeta brasileiro (1920-1999)
1.
A sutil arte de ligar o foda-se
2.
Escravidão
3.
Essa gente
4.
Mais esperto que o diabo
5.
Do mil ao milhão
6.
21 lições para o século 21
7.
Seja foda!
8.
Prólogo, ato, epílogo
9.
Como fazer amigos e influenciar pessoas
10.
Sapiens
 
PublishNews, Redação, 06/01/2020

Somente nos cinemas (Ateliê Editorial, 160 pp, R$ 42,00), segundo livro de contos de Jorge Ialanji Filholini, publicado pela série LêProsa, fala sobre a digressão que os personagens fornecem sobre o fazer literário e cinematográfico nos dias de hoje. Em 14 histórias, Jorge faz reflexões de um período conturbado para a cultura do País e apresenta estranhas relações banais com requintes de violência e reflexões sobre o trabalho literário e cinematográfico. A obra conta com narrativas de dimensões variáveis, passando pelas formas literárias do diário, diálogo, e-mail e até mesmo do microconto, deixando à mostra o cotidiano que se acumula e as suas tragédias, sejam elas de caráter individual ou nacional.

PublishNews, Redação, 06/01/2020

"Por que não reunir, em um livro, os textos que foram inspirados por filmes?” Foi pensando nisso que Martha Medeiros escreveu a obra Comigo no cinema: Reflexos depois do The End (L&PM, 232 pp, R$ 44,90). Juntando suas duas paixões, literatura e cinema, a autora trouxe para a obra seus pensamentos e sensações que voltaram com ela para casa depois de assistir a um road movie do Walter Salles, depois de ver o documentário sobre Amy Winehouse, e depois de trancar o cho­ro com o desfecho de As pontes de Madison, por exemplo. São textos sobre filmes “desprezados pelo Oscar”, que a comoveram diante da telona e que ela procurou entender por que, escrevendo a respeito. “O cinema como pauta. O cinema como terapia. O cinema como espelho”, explica

 
©2001-2020 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Fidalga 471, Conjunto 3 | Vila Madalena | São Paulo | SP | Brasil | 05432-070
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.