Publicidade
Publicidade
É a democracia que querem matar
PublishNews, Paulo Tedesco, 24/10/2018
Em artigo, Paulo Tedesco faz reflexão sobre o atual cenário eleitoral: 'Nossa democracia, ou melhor, nossa forma de tentar exercer a democracia vem sendo ameaçada abertamente'

Aquele que agride, aquele que queima livros, que ameaça com a mão-de-ferro, jamais terá a razão, porque a chance da sua mão-de-ferro voltar-se contra si e contra os seus é enorme, não sem antes haver prejudicado uma geração inocente e indefesa.

Mas democracia faz bem. Pouco importa se é dolorosa, se incorre em imperfeições, ou se, por vezes, a sensação de lentidão e cansaço predomine e nos desanime, não importa. A democracia sempre fará bem, e assim a história da humanidade vem provando nos últimos séculos.

E esse discurso de democracia está muito além de qual democracia se quer, sim, porque democracia pressupõe participação ampla e irrestrita, mas também, como efeito colateral, também pressupõe respeito e educação acima de tudo, e de todos. Não há diferença de democracia, a democracia é e ponto.

Só poderá erguer, portanto, a bandeira da democracia aquele ou aquela que tenha por princípio o diálogo para suas dúvidas, mas também que saiba calar-se quando é mais educado, e quando lhe for dada a palavra, se falar para uma maioria, deverá respeitar a minoria, ou as minorias.

Mas esse paradigma pilar da sociedade contemporânea, fundada ainda na Revolução Burguesa de 1789, de Igualdade, Liberdade e Fraternidade, nos recentes anos nunca esteve tão em cheque. Sim, leitor e leitora, há uma sombra de horror a nos cercar.

Darcy Ribeiro afirmava que o Brasil era também dotado de uma “civilização brasileira”, com características únicas acomodadas numa excepcional diversidade e singular experiência histórica no contemporâneo e numa nação continental.  E parecia ter ele razão, pois, a se ver pelas próximas eleições no dia 28 de outubro, estaremos diante de uma situação ímpar na história.

Nossa democracia, ou melhor, nossa forma de tentar exercer a democracia vem sendo ameaçada abertamente. Um candidato ao onipotente cargo de presidente da república chama para si a responsabilidade de mais violência num país violento, e somente por isso é possível dizer que nossa democracia pode virar uma autocracia, ou ditadura, para ser mais direto.

Somos, portanto, e novamente, um povo ímpar no planeta, uma civilização, como falava Darcy Ribeiro. E por esse caminho, apresentamos ao mundo talvez a expressão mais incivilizada de se fazer política no país. E muitas das cabeças pensantes estão caladas, consentido com o absurdo.

Não esperemos o erro de alguns afoitos pelo poder e pela riqueza destruir nossa democracia, porque é a civilização contra a barbárie, e o Brasil, a nação brasileira pode dar essa resposta, de forma madura e engrandecida. Só depende de nós.

Paulo Tedesco é escritor e consultor em projetos editoriais. É autor dos livros Quem tem medo do Tio Sam? Fumprocultura de Caxias do Sul, 2004); Contos da mais-valia & outras taxas (Dublinense, 2010) e Livros: um guia para autores (Buqui, 2015). Desenvolveu e ministra o curso de Processos Editorais na PUCRS e coordena o www.consultoreditorial.com.br atendendo autores e editores. Pode ser acompanhado pelo seu site, pelo Facebook ou pelo Twitter.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Paulo Tedesco dá sua opinião sobre os reais motivos para a crise do mercado editorial: 'Não há crise de leitura, definitivamente'
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se investir na educação e, claro, nos livros
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se preservar o legado literário
Em sua coluna, Paulo Tedesco recomenda a editores e a autores que não tenham medo de assumir posições e publicar sem medo
Em seu artigo, Paulo Tedesco fala sobre doar livros ou não pagar autores. "Paguem pelos livros e deem cachês decentes aos autores",
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Em sua nova crônica, Luciana Pinsky conta a história de uma mulher que recebe um livro misterioso que acaba tirando o seu sono
Em sua coluna, Paulo Tedesco dá sua opinião sobre os reais motivos para a crise do mercado editorial: 'Não há crise de leitura, definitivamente'
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Henrique Rodrigues analisa outros lados da cadeia produtiva da literatura
Em sua coluna, Cassius fala sobre a importância da presença dos quadrinhos no Prêmio Jabuti e na Comic Con Experience
A poesia sensibiliza e faz pensar.
Elisa Lucinda
Escritora e atriz brasileira
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar