Publicidade
Publicidade
Por uma equação para a leitura
PublishNews, Paulo Tedesco, 22/01/2018
​​Foi lendo os 'Contos reunidos de Fiódor Dostoiévski', que Paulo Tedesco concluiu: para ler mais e melhor é preciso de dois vetores, tempo e disposição.

Foi lendo a 1ª edição de Contos reunidos de Fiódor Dostoiévski, da Editora 34, que a conclusão me tomou de assalto: para ler mais e melhor é preciso de dois vetores, tempo e disposição. Simples e sem qualquer fórmula. A humanidade precisa de tempo e disposição para melhorar e aumentar o volume de leitura.

Por sua linguagem provocadora e sua engenhosidade, numa literatura ainda da segunda metade do século XIX, reler cada um daqueles contos é tarefa obrigatória de quem se atira naquelas páginas, ou melhor, naquele calhamaço de páginas em papel offwhite ainda pela primeira vez. Aliás, nem é necessário ser neófito, mesmo um leitor já experimentado naquelas histórias vê, de forma pouco usual, a necessidade em se voltar à primeira linha de qualquer dos contos para melhor compreender os enigmas e os desvãos das tramas e histórias.

Nos idos da Rússia Czarista de Dostoiévski, ler em voz alta era uma das atividades de diversão e entretenimento das mais comuns. Não havendo televisão, rádio ou outro veículo eletrônico, restavam os encontros em espetáculos de teatro e ópera, sendo que os mais regulares e acessíveis eram os encontros sociais nas casas da aristocracia, e de burgueses e intelectuais. Nessas as reuniões tinha-se por hábito a leitura de folhetins, poemas e muitas vezes longas histórias que depois seriam publicadas sob a forma de livro. É legítimo imaginar que para os contos que hoje compõem esse livro muito bem traduzido do russo para o português, reler em alta voz fosse parte indispensável para o contato com muitos dos leitores, e que, tendo isso em conta, o autor imaginasse a importância de se criar algo que verdadeiramente provocasse a releitura e a curiosidade do maior número possível de ouvintes e leitores.

Como, então, hoje, no avançar do novo milênio propagar a leitura literária e qualificada diante do volume de outras leituras e possibilidades? Sim, como falei, não há fórmulas, não tem como. Mas se temos tempo e disposição como determinantes, portanto, reduzindo, por exemplo, a carga horária de trabalho, que no Brasil é um absurdo de 44 horas – e com a “pejotização” do trabalhador tende a piorar, afinal estarão asfixiadas as horas extras e os descansos remunerados –, seria por si um dado a ser levado em conta quando se fala em aumento qualificado da leitura.

Ler implica, necessariamente, na compreensão do que se leu, e quem leu e não souber verbalizar ou reescrever curtamente o que acabou de ler, demonstra que ainda há um bom caminho a percorrer, e nessa hora a humildade e o tempo são nossos melhores amigos, pois é preciso reler para encontrar ali o que antes não se viu.

Também não se quer dizer que se deva ler aquilo do qual não se gosta, mas assim como na comida e na bebida, um esforço de experimentação nunca é demais. E um esforço como esse pede o quê? Tempo e disposição, novamente. 

Precisamos, portanto, de uma reforma trabalhista, de uma reforma no ensino e no país, mas uma reforma que diminua as horas de trabalho, que amplie o ensino para mais e mais áreas e que abra tempo para o aluno poder exercer livremente a leitura e o tempo da releitura; e uma reforma nacional para que deixemos de ser tão atrasados e compreendamos que, a seguir o rumo da política nacional, breve voltaremos ao Brasil da chegada de Dom João VI – menos de duas décadas antes do nascimento do gigante Fiódor Dostoiévski em sua Rússia semifeudal, onde uma pequena elite tinha acesso aos livros e mandava seus filhos para estudar na Europa, enquanto a massa de brasileiros permanecia na mais profunda das ignorâncias e no pior dos analfabetismos.

Paulo Tedesco é escritor e consultor em projetos editoriais. É autor dos livros Quem tem medo do Tio Sam? Fumprocultura de Caxias do Sul, 2004); Contos da mais-valia & outras taxas (Dublinense, 2010) e Livros: um guia para autores (Buqui, 2015). Desenvolveu e ministra o curso de Processos Editorais na PUCRS e coordena o www.consultoreditorial.com.br atendendo autores e editores. Pode ser acompanhado pelo seu site, pelo Facebook ou pelo Twitter.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Paulo Tedesco dá sua opinião sobre os reais motivos para a crise do mercado editorial: 'Não há crise de leitura, definitivamente'
Em artigo, Paulo Tedesco faz reflexão sobre o atual cenário eleitoral: 'Nossa democracia, ou melhor, nossa forma de tentar exercer a democracia vem sendo ameaçada abertamente'
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se investir na educação e, claro, nos livros
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se preservar o legado literário
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Carlo Carrenho traz números e tendências do audiolivro no Reino Unido e na França
Toda semana você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Volnei Canônica conta que foi convidado, ao lado de nomes como André Neves, Roger Mello e Marina Colasanti para participar do Salão do Livro Infantil e Juvenil da cidade espanhola de Pontevedra
Na crônica deste mês, Luciana Pinsky brinca com encontro e desencontros
Que outros se gabem das páginas que escreveram; eu me orgulho das que li.
Jorge Luis Borges
Escritor argentino
(1899 - 1986)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar