Publicidade
Publicidade
É preciso resistir ao estado mínimo
PublishNews, Paulo Tedesco, 14/09/2017
Em sua coluna, Paulo Tedesco defende que é preciso resistir. "E resistir, no mundo do livro, é o mesmo que fincar pé nas coisas simples e cotidianas, entre elas a defesa da cultura laica e pacífica",

Não resta dúvidas que temos que resistir. E resistir, no mundo do livro, é o mesmo que fincar pé nas coisas simples e cotidianas, entre elas a defesa da cultura laica e pacífica, mas principalmente universal e acessível. E para isso, num país pobre feito o nosso, com tantas divisões sociais, tantos abismos, a presença do poder público é mais do que essencial, é indispensável.

Antes de se falar em poder público, é preciso falar um pouquinho de como são as coisas. Pois neste enorme país temos a presença de diferentes formas de gestão ou administração. Há, nas escolas e hospitais, para ficarmos com exemplos importantes, a existência de fundações privadas e públicas, de igrejas com imunidades tributárias das mais diferentes, de empresas privadas de capital aberto e fechado, ou misto, e também a participação do poder público e privado, e, por fim, há a exclusividade do poder público no comando, e que se divide em três esferas principais: o poder executivo federal, o estadual e o municipal.

De outro lado temos a história, e essa é mais direta e já não mais permite avaliações alucinadas, como os caras do MBL e os neonazistas tentam fazer. Pois as grandes e recentes crises da humanidade, como o crash da bolsa de valores de Nova York em 1929 e o fim da Segunda Grande Guerra, que devastou globalmente o planeta numa hecatombe social e ecológica, tiveram somente uma única e objetiva resposta para sua superação: o reforço do papel do poder público na gestão da coisa pública e na promoção da qualidade de vida.

Ora, pergunto, em qual direção, então, se dá o atual discurso neoliberal que tomou num golpe o poder político no país, e junto aproveitou para levar prefeituras e governos estaduais? Esses que administram muito do que precisamos diariamente? Na direção do “estado mínimo”? Na direção de uma privatização irresponsável e perigosa? Na liquidação de conquistas genuinamente brasileiras como o SUS e o nosso sistema hidrelétrico? E, obviamente, na direção de se liquidar qualquer ação de vulto no poder público em direção ao fomento da cultura em seu melhor nível?

O mundo do livro é um desaguadouro óbvio dessa insanidade que no Brasil se vê como num caleidoscópio, pela própria grande divisão dos tipos de gestão do essencial para a população. E por esse caminho é que o mundo livro se vê reduzido a feiras escolares em escolas privadas, a compras setorizadas de setores específicos de acordos privados, a asfixia do escritor e das editoras enquanto elementos essenciais de um pensar livre e independente, e principalmente, ao aumento da ignorância, na bestialização do cidadão e violência urbana. Afinal quem deixa de ter bons livros em casa é o jovem pobre, o jovem de pouco acesso e de capacidade de compra limitada, e eles, a maioria da população brasileira, é que se verão apartados de seus empregos, das conquistas nas suas carreiras e da liberdade a que têm direito.

Mas temos que resistir, pois se a onda virou artificialmente, algum dia virará novamente e na direção correta. Enquanto isso, a palavra resistência cresce em importância. Pois é preciso defender cada instituição pública, cada entidade que preserve o livro e incentive a leitura, cada ação, como aqui no sul com o Adote um Escritor, que foi bombarbeado por uma prefeitura comprometida com a liquidação da promoção pública da cultura. E quem acredita no livro, na cultura e seu poder transformador, contra o discurso de absurdos como “Escola Sem Partido” e outras alucinações protofascistas, precisa se engajar para além das mídias sociais, precisa contribuir com seu tempo e seus esforços para barrar o avanço do pior. Porque o pior um dia passará e virará monumento ao erro, aos grandes erros da humanidade, sem dúvida.

Paulo Tedesco é escritor e consultor em projetos editoriais. É autor dos livros Quem tem medo do Tio Sam? Fumprocultura de Caxias do Sul, 2004); Contos da mais-valia & outras taxas (Dublinense, 2010) e Livros: um guia para autores (Buqui, 2015). Desenvolveu e ministra o curso de Processos Editorais na PUCRS e coordena o www.consultoreditorial.com.br atendendo autores e editores. Pode ser acompanhado pelo seu site, pelo Facebook ou pelo Twitter.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Paulo Tedesco dá sua opinião sobre os reais motivos para a crise do mercado editorial: 'Não há crise de leitura, definitivamente'
Em artigo, Paulo Tedesco faz reflexão sobre o atual cenário eleitoral: 'Nossa democracia, ou melhor, nossa forma de tentar exercer a democracia vem sendo ameaçada abertamente'
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se investir na educação e, claro, nos livros
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se preservar o legado literário
Em sua coluna, Paulo Tedesco recomenda a editores e a autores que não tenham medo de assumir posições e publicar sem medo
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em nova crônica, Luciana Pinsky conta a história de uma mulher que vivia atrasada até que esbarrou num ciclista em pleno trânsito de SP
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A partir de Monteiro Lobato que, além de escritor, era um empreendedor do livro, Marcio Coelho faz, em sua coluna, uma reflexão sobre a gestão dos pontos de vendas de livros no país
Toda semana você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Uma parte de mim é só vertigem: outra parte, linguagem.
Ferreira Gullar
Poeta brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar