Publicidade
Publicidade
Autobiografias e biografias, relicários da memória
PublishNews, Paulo Tedesco, 28/06/2017
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a memória e os novos jeitos de poder preservá-la

E por que não falar em memória? Por que não falar em reproduzir nossas memórias e recordações para nossos filhos e netos? Por que não contar, como diz o hino do Rio Grande do Sul, nossas façanhas para a toda a terra, sempre cantado a todo pulmão antes dos jogos de futebol? Por que não levar adiante, por vezes num esforço último de vida e de lembrança, nossas mais significativas recordações, espécie de monumento de nós mesmos numa sociedade cada vez mais massificada e estandardizada?

Ora, se um computador ou um aparelho celular quebram, e com isso levam para o nada nossas recordações mais caras, por que não tentar salvar em papel e num formato livro aquilo que conseguimos arrumar através de uma narrativa? Pois esse é, notadamente, o esforço de muita autopublicação que encontramos. Biografias, autobiografias, relatos de aventura ou histórias pessoais ficcionalizadas, a cada dia são mais frequentes, visto a possibilidade de baixas tiragens e impressões por demanda a custos muito acessíveis.

E que mal há, pergunto? O pessoal mais apressado torce o nariz, ensaiando desdém quando ali deveria identificar o que há de mais honesto e sincero na história contemporânea. Se nas faculdades de história aprendemos que existem as fontes primárias, e essas andam ameaçadas com o crescimento das cidades e a digitalização do conhecimento, essas biografias e autobiografias e correlatos, vêm servindo como uma resposta inteligente ao quadro um tanto sombrio das memórias, tanto individuais como coletivas.

Vamos para exemplos, mais assustadores: há alguns anos uma grande empresa europeia que guardava, como banco digital, os arquivos de fotógrafos pelo mundo afora, simplesmente teve pane em seus sistemas, e por motivo desconhecido seus “back ups” ou cópias de segurança, também não resolveram. Resultado, milhões de fotos e portfólios de fotógrafos profissionais simplesmente evaporaram.

Se esses fotógrafos talvez tivessem confiado numa empresa que também imprimisse ou que houvesse desenvolvido outra forma de segurar as cópias de segurança, esse assunto aqui não entraria. Mas tem mais. Uma gráfica tradicional de quase 30 anos de serviços certo dia quebrou, e, obviamente, se desfez de seus computadores e qualquer material ali desenvolvido. Pode talvez não representar um grande um problema, afinal empresas médias quebram todo o dia no Brasil, mas o desaparecimento dessa gráfica levou consigo, além de empregos, uma inominável memória de tudo que ali foi impresso, em especial dos livros ali revisados e ali produzidos sem qualquer outra versão ao longo de três décadas!

Tudo bem, a voracidade do digital em apresentar novas soluções para velhos problemas, vem se mostrando impressionante e surpreendente. Mas, o que resta a quem compreende esse salto tecnológico e de consumo e suas repercussões, a não ser lutar humildemente pela preservação da sua própria memória em papel? E aqui minha crítica às tais visões catastróficas na venda de livros. Os números do consumo de livros estão caindo porque os verdadeiros números não mais passam nos scanners das livrarias, tampouco nos algoritmos da internet.  Eles estão nas reuniões de família, nos encontros em restaurantes e bares, nos salões de festa e nas paróquias, onde os heroicos autores tentam deixar para o presente sua história e a história de seu país.

Paulo Tedesco é escritor e consultor em projetos editoriais. É autor dos livros Quem tem medo do Tio Sam? Fumprocultura de Caxias do Sul, 2004); Contos da mais-valia & outras taxas (Dublinense, 2010) e Livros: um guia para autores (Buqui, 2015). Desenvolveu e ministra o curso de Processos Editorais na PUCRS e coordena o www.consultoreditorial.com.br atendendo autores e editores. Pode ser acompanhado pelo seu site, pelo Facebook ou pelo Twitter.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Paulo Tedesco dá sua opinião sobre os reais motivos para a crise do mercado editorial: 'Não há crise de leitura, definitivamente'
Em artigo, Paulo Tedesco faz reflexão sobre o atual cenário eleitoral: 'Nossa democracia, ou melhor, nossa forma de tentar exercer a democracia vem sendo ameaçada abertamente'
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se investir na educação e, claro, nos livros
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se preservar o legado literário
Em sua coluna, Paulo Tedesco recomenda a editores e a autores que não tenham medo de assumir posições e publicar sem medo
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em nova crônica, Luciana Pinsky conta a história de uma mulher que vivia atrasada até que esbarrou num ciclista em pleno trânsito de SP
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A partir de Monteiro Lobato que, além de escritor, era um empreendedor do livro, Marcio Coelho faz, em sua coluna, uma reflexão sobre a gestão dos pontos de vendas de livros no país
Toda semana você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
O jogo entre realidade e ficção forma parte da literatura. Ela é essencialmente uma ilusão.
Javier Cercas
Escritor espanhol
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar