Publicidade
Publicidade
Cossaco ou naïf: o que é preciso para ser editor?
PublishNews, Julio Silveira, 08/12/2015
Julio Silveira: 'Acho que o que faz de nós editores é a certeza de seguir, por cima da lógica financeira, por cima da penúria cultural vigente'

“Todo editor é um burguês, já dizia Bourdieu”, declarou o editor francês Gilles Colleu em sua participação na última Primavera dos Livros, que aconteceu no último final de semana no Rio de Janeiro. A frase me bateu em um momento de reflexão pessoal/profissional. Eu andava me questionando o que é ser editor nestes dias sinistros, em termos financeiros e culturais, quando livrarias e editoras vêm fechando as portas. Era uma data redonda, propícia para parar e pensar no caminho até aqui. Quinze anos da Primavera dos Livros Literária. O que éramos há 15 anos? O que queríamos ser?

Na virada do milênio eu estava entre os que conspiravam uma “Liga” de editoras “Independentes”. O que vinha a ser “independente” não estava claro, mas tinha alguma coisa a ver com não estar comprometido com grandes grupos econômicos e, justamente por isso, não conseguir um lugar no mercado. Outra consequência de não estar ligada a grupos econômicos era o permanente aperto no caixa das editoras da Libre, a exceção de uma: Cosac & Naify.

A Cosac foi fundada no mesmo ano em que abrimos a Casa da Palavra, mas dizer que andaram em paralelo é tripudiar da geometria. A Casa da Palavra começou com capital zero, a Cosac Naify tinha pontos-de-equilíbrio (a quantidade de exemplares vendidos que paga os custos) inexpugnáveis. A discrepância não impediu alguns pontos de encontro entre as editoras, incluindo a coedição de Os miseráveis. Nestes quase 20 anos as editoras cresceram e apareceram. Hoje a Casa da Palavra está incorporada no grupo LeYa, e a Cosac Naify acaba de anunciar seu encerramento.

Foi também na virada do milênio que André Schiffrin escreveu O negócio dos livros, publicado mais tarde pela Casa da Palavra (um tanto premonitoriamente). O manifesto alertava para o fim das Editoras “de editor” solapada pelos interesses pecuniários dos grandes grupos de mídia. Incidentalmente, a parte (Michael) Naify da Cosac está ligada a um gigantesco grupo de mídia, mas a empresa sempre foi uma editora “de editor”, nominalmente: Charles Cosac. Foi ele — em concerto com Augusto Massi, Cassiano Elek Machado, Florence Müller, Bernardo Ajzemberg, entre tanta gente brilhante — o esteio da editora que leva seu nome, desdenhando solenemente de toda aquela pressão pelo resultado econômico de que falava Schiffrin. Em uma entrevista impromptu ele culpou a alta do dólar, custos gráficos, prazos de livrarias, baixas vendas. Puro despiste. Não foi o súbito encontro da/do Cosac com o imperativo econômico que fez a editora fechar.

“Ao meu ver, uma editora deve existir exclusivamente para alimentar um projeto cultural e quando eu senti o projeto Cosac Naify ameaçado, eu julguei que seria o momento correto para cessarmos nossas atividades. Como o fiz. Dessa maneira, eu perpetuo um sonho belíssimo do qual tantos participaram e ajudaram a construir.” A carta aos leitores esclarece: o sonho continua, o que acabou foi a realidade.

Charles Cosac desanca Bourdieu: é o editor anti-burguês. Da burguesia seria, se tanto, o épatteur. Sergio Augusto o equipara ao esteta Franco Maria Ricci, que imprime sobre folhas feitas à mão. Eu prefiro compará-lo a outro editor italiano: Giacommo Feltrinelli. Em comum: são muito ricos; mantiveram-se incólumes contra a corrente; e editavam com a vida. Feltrinelli, por sinal, deu a vida pelas ideias, literalmente: morreu em uma ação terrorista — onde era ele o terrorista. Ser milionário e comunista eram dois lados de sua radicalidade.

Nestes tempos de vacas esquálidas e desprezo oficial à cultura e à educação, algumas editoras e editores se reinventam para sobreviver, ou mais simplesmente “cessam as atividades”. As listas de mais vendidos confirmam o apocalipse de Schiffrin: aglomeradas, são cada vez menos editoras, publicando sobre cada vez menos assuntos (e vendendo menos livros). A internet, que prometia dar voz à diversidade, acabou ironicamente ocupando os primeiros lugares, com youtubers que converteram um pequeno porcentual de seus milhões de seguidores em leitores.

“Um editor independente é aquele que concebe sua política editorial com toda a liberdade, de maneira autônoma e soberana: ele não é um porta-voz da expressão de um partido político, de um grupo de comunicação ou de uma empresa” afirma o manifesto dos editores independentes, subscrito pela Libre. Até aí é muito bonito, e fácil. Mas o texto prossegue: “a composição de capital de uma editora e a identidade de seus acionistas informam sobre a independência do editor”. Como ser independente quando sequer se tem um capital composto? Como alguém pode se dar o direito de ser burguês ou artista com contas a pagar? A Cosac & Naify tinha capital (uns R$ 140 milhões, parece), porém o seu “resultado do exercício” era um sonho. O mesmo “sonho” que Charles Cosac quer perpetuar ao fechar sua empresa, e que mantém abertas as editoras da Libre (mesmo porque a maioria não tem capital).

Saí daquele “debate sobre a bibliodiversidade” um tanto atarantado. Para combinar, era noite, chovia…

Mas eu voltei dois dias depois, e o clima era bem melhor. Literal e figurativamente: fazia um sol gentil, e nas alamedas da Primavera Literária me empanturrei de livros. Revi editoras de quem fui companheiro na primeira Primavera, e descobri nova gente, dando nova forma ao sonho de que falava Charles Cosac.

Acho que está aí o que nos faz editores. A certeza de seguir, por cima da lógica financeira, por cima da penúria cultural vigente. Enfrentar e seguir em frente. Com o ímpeto de um cossaco, com a fé de um naïf.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
Julio Silveira faz balanço da Flip, elogia a curadoria de Josélia Aguiar e dá força para a criação da 'federação de festivais', ideia proposta durante mesa na Casa PublishNews
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A PublishNewsTV dessa semana conversou com Fernando Nuno, músico, jornalista e editor responsável pelo famoso Círculo do Livro
Na crônica desse mês, Luciana Pinsky narra o efêmero relacionamento de duas pessoas que mantiveram um relacionamento virtual, com raros, "mas sempre muito desejados" encontros presenciais
Cinthia Favilla, gerente da Bienal de SP, participa do programa para falar das novidades do evento que acontecerá em 2020. Programa traz ainda relato dos bastidores da operação de Felipe Neto na Bienal do Rio.
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
E eu preciso mergulhar periodicamente nessas trevas, transportá-las para a literatura, que é minha verdadeira alegria.
Raimundo Carrero
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar