Publicidade
Publicidade
Cadernos de livros: mais um que se foi
PublishNews, Felipe Lindoso, 24/09/2015
Em sua coluna de hoje, Felipe Lindoso analisa o fim de cadernos literários nos grandes jornais no Brasil e no mundo

Desde a semana passada o caderno Prosa & Verso, d’O Globo, foi reduzido a duas páginas dentro do Segundo Caderno do jornal. Não sabemos quanto tempo isso irá durar até que seja definitivamente extinto. Não é o primeiro – nem será o último. Por aí ainda restam alguns poucos suplementos de livros nos jornais diários. De memória, lembro dos óbitos pranteados abundantemente em cada ocasião, do Ideias (do Jornal do Brasil – esse foi o mais radical, pois o jornal também só existe online como uma pálida sombra do que foi), o Folhetim, e o Sabático, do Estadão (que já era a undécima encarnação do antigo Suplemento Literário). Isso sem falar na longínqua extinção dos “rodapés”, que até a década de 1960 sobreviviam aqui e ali, e que começaram como misto de coluna de opinião e crítica literária, em épocas remotas, quando os jornais se sustentavam no prestígio de quem os escrevia (além de serem claramente jornais de facções políticas).

Em quase todos os casos, certamente, as extinções se deram no bojo de visitas do famoso passaralho, essa ave de rapina que dizima redações. E o passaralho está trepado no alto do morro, já assuntando suas próximas vítimas.

É fácil jogar a culpa genericamente na ganância e cegueira dos barões da imprensa. Evidentemente eles têm culpa – principalmente pela cegueira – embora a responsabilidade pelos infaustos óbitos não seja exclusiva deles. Mas, sem dúvida, é deles a parcela principal.

Uma parte da “culpa” é frequentemente jogada nas próprias editoras e livrarias, que não publicam anúncios que justificariam a existência dos cadernos. E citam como exemplo os que aparecem nas revistas das redes de livrarias.

Então, vamos com calma.

O preço de anúncios nos jornais é praticamente impossível de ser coberto pela venda de livros. Quando muito, pelos best-sellers. A conta é fácil de fazer. Pelas tabelas atuais, sem descontos nem negociações, um anúncio de dez centímetros por duas colunas sai assim:

Estadão – R$ 22.940 (Caderno 2)
Folha de S.Paulo – R$ 22.580 (Ilustrada)
O Globo – R$ 10.380 – (Segundo Caderno)

Se tivermos um livro com o preço de capa de R$ 80, podemos, generosamente, supor que a verba para marketing equivalha a R$ 4 (correspondente a 5% do preço de capa. Para o editor sai, no mínimo, a 10% do líquido recebido).

A conta é simples. A editora teria que vender 5.735 exemplares no Estadão, 5.645 na Folha de S.Paulo e (incrível!) apenas... 2.595 n’O Globo. Isso apenas para empatar no custo. E, obviamente, não é o suficiente.

O resultado é que as editoras têm preferido fazer acordos com as livrarias para colocar os livros em pilhas nos locais privilegiados e publicar anúncios nas respectivas publicações.

Isso é pago com descontos bonificados e exemplares dos livros. Seja qual for o valor acordado, o custo para a editora é o equivalente ao que a livrarias (ou rede) pagaria líquido pelos exemplares. No caso de um livro de R$ 80, supondo o desconto geralmente praticado para esses grandes clientes, entre 55% e 60% do preço de capa, isso significaria a apropriação de um valor entre R$ 36 e R$ 32. Por um custo certamente menor pelo espaço e pelo anúncio.

Precisa desenhar?

Já faz algum tempo que não leio – em papel – os suplementos do New York Times e do El País (Babelia). Entretanto, mesmo nas versões online, pode-se notar que a publicidade que aparece nesses jornais tem uma parte substancial de produtos que podem interessar a um público mais qualificado: aparelhos eletrônicos, automóveis, leilões de arte e coisas desse tipo. Parece evidente que esses jornais sabem que a publicidade de livros não seria o suficiente para manter a estrutura dos cadernos. De fato, quem publica anúncios de livros, no mercado do EUA, é a Publisher’s Weekly, cujo alvo são os livreiros, e não os compradores finais de livros. E os mega-bestsellers, é caro.

No entanto, tanto nos EUA quanto na Europa parece que existe também uma diminuição dos suplementos propriamente literários.

Em 2007 o Itaú Cultural promoveu um seminário sobre jornalismo cultural, a propósito do programa Rumos. Desse encontro nasceu um livro que reuniu as intervenções de convidados nacionais e internacionais ao evento. http://www.gruposummus.com.br/summus/livro/1019/Rumos+[do]+jornalismo+cultural

Para encerrar essas reflexões, quero citar alguns trechos da intervenção de András Szantó, que na época era diretor do National Arts Journalism Program, e hoje ensina no Sotheby’s Institute of Art em Nova York.

“Atualmente emerge um novo modelo de jornalismo cultural, que eu chamaria de modelo de serviço. A ideia é a de que nós, editores, não possuímos o conhecimento relevante. É o leitor que tem a especialização relevante: porque apenas ele sabe o que quer fazer no fim-de-semana e como deseja usar seu tempo livre para divertir-se ou edificar-se. Nossa tarefa enquanto jornal é proporcionar ao leitor toda a informação que possa necessitar para tomar uma decisão, sob a forma de enormes listas de programas e anúncios, sobre como usar seu tempo livre. [...] O resultado desse jornalismo cultural orientado para o serviço é o que se percebe atualmente na maioria dos jornais americanos. Mais da metade do espaço editorial destinado ao jornalismo cultural consiste em listas: intermináveis colunas detalhando todas as exposições, todas as apresentações musicais, todas as conferências que aconteçam na cidade. O leitor tem menos resenhas críticas, porque se assume que a informação crítica, a inteligência crítica está com o leitor. O papel do jornal é o de simplesmente proporcionar esse vasto painel de informações. Isso produz uma cobertura cultural rasa, mas útil.

[...]

Deve-se notar que essas mudanças acontecem não por causa de pressão da indústria cultural, mas pela mudança da tradicional seletividade crítica editorial na direção de um serviço mecânico prestado ao leitor.[...] Salvar a cobertura da alta-arte, entretanto, muitas vezes envolve uma espécie de pacto faustiano. A cobertura de teatros, museus ou música clássica está cada vez mais frequentemente empacotada com artigos sobre estilo de vida, jardinagem, viagens e culinária. A cultura está cada vez mais embutida dentro de seções engraçadas e estilosas, nas quais se supõe que os leitores tenham mais interesse.

O jornal tem uma meia dúzia de cadernos, e a primeira coisa que faço (e não me orgulho disso), é jogar fora o caderno de Esportes. Não me interesso por esportes, então jogo fora. E isso é o que muitas pessoas fariam com o caderno de Alta Cultura. Oitenta por cento dos leitores o jogariam na lata de lixo. Obviamente o risco é muito menor disso acontecer com um caderno que empacote matérias variadas sobre estilo de vida”.

Não é à toa que os cadernos de livros vão desaparecendo, para o empobrecimento geral de todos. Os que sobrevivem precisam encontrar novas formas de financiar esse conteúdo, sob pressão dos departamentos comerciais, que reclamam que os editores – e livreiros – não querem gastar dinheiro com publicidade.

O triste, na verdade, é que essa perda de massa crítica na imprensa acaba se refletindo, negativamente, no próprio desempenho dos jornais. Tudo está na Internet, mas ali, em grande medida, só achamos a informação bruta, principalmente nos portais agregadores. Com raras exceções encontramos a inteligência e a reflexão que exigem o velho e penoso trabalho de apuração, um conhecimento mínimo (mas abrangente) das questões culturais, geralmente perdidos na selva salvaggia ed aspra e forte que é o ciberespaço.

Quantas dessas pessoas por aí (com as tradicionais e honrosíssimas exceções) acham que Lavoura arcaica é um livro de agricultura, ou que A montanha mágica talvez seja um sucedâneo do Harry Porter?

Felipe Lindoso é jornalista, tradutor, editor e consultor de políticas públicas para o livro e leitura. Foi sócio da Editora Marco Zero, diretor da Câmara Brasileira do Livro e consultor do CERLALC – Centro Regional para o Livro na América Latina e Caribe, órgão da UNESCO. Publicou, em 2004, O Brasil pode ser um país de leitores? Política para a cultura, política para o livro, pela Summus Editorial. Mantêm o blog www.oxisdoproblema.com.br. Em sua coluna, Lindoso traz reflexões sobre as peculiaridades e dificuldades da vida editorial nesse nosso país de dimensões continentais, sem bibliotecas e com uma rede de livrarias muito precária. Sob uma visão sociológica, ele analisa, entre outras coisas, as razões que impedem belos e substanciosos livros de chegarem às mãos dos leitores brasileiros na quantidade e preço que merecem.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Em sua coluna, Felipe Lindoso dá seus pitacos sobre a Pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro divulgada na última segunda-feira
Felipe Lindoso resgata a história do ISBN para analisar a mudança da operação do ISBN, que deve acontecer em março próximo
Em sua coluna, Felipe Lindoso chama atenção para a importância do acervo bibliográfico e documental das bibliotecas do Museu Nacional, que foram destruídas no incêndio do ano passado
Felipe Lindoso sai em defesa do casal de sebistas processado por Edir Macedo. 'Esse processo representa um atentado à liberdade de expressão tão grave quanto o veto a Miriam Leitão e Sérgio Abranches', defende.
Em sua coluna, Felipe Lindoso conta os bastidores que possibilitaram a inauguração de uma biblioteca infantil dedicada à língua portuguesa no Japão
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Mariana Bueno (Nielsen), Dante Cid (SNEL) e Vitor Tavares (CBL) participam do programa e analisam os principais resultados vistos na última edição do estudo
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Henrique Rodrigues questiona a lógica de mercado que vem balizando a vida literária contemporânea
O podcast especial do PublishNews patrocinado pela Alta Books traz o headhunter Ricardo Basaglia, que lança hoje em São Paulo o livro 'Lugar de potência', reunindo sua experiência de mais de 10 mil entrevistas, cafés e reuniões
Conversa reúne Bruno Mendes, sócio do PublishNews, da Distribuidora Saudade e CEO do #coisadelivreiro, e André Palme, executivo, professor e podcaster, além de colunista e palestrante e diretor-geral da Storytel no Brasil.
A literatura insinua e coloca questões muito mais do que as responde ou resolve.
Milton Hatoum
Escritor brasileiro
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar