Publicidade
Publicidade
A arte de ser prolixo
PublishNews, 12/09/2013
A arte de ser prolixo

Brasileiro que se preze tem que complicar, burocratizar e transformar tudo o que é simples em algo bem complexo.

Ao fazer isso, as pessoas te admiram, e veem o quanto se esforçou para resolver algo intrincado e difícil.

Se você simplifica, que graça tem? Que louros você colhe? Que reunião você gera? Que agenda você lota?

Veja bem, meu amigo, vamos com calma, pois esta coluna veio para deixar as coisas complicadas, não para simplificar.

Vou listar – e não listo simplesmente, estou dizendo que listarei, assim consomem-se mais minutos de sua vida e mais linhas da minha página:

- Quando receber alguma tarefa, faça cara de complicação… Respire fundo… Olhe para o computador, como se procurasse um pixel. E diga finalmente: vamos marcar uma reunião.

- Reunião: abuse delas. Comece falando do problema que todos já conhecem, como se em nenhuma corporação existisse fofoca. Dê voltas (nada de ir direto ao assunto), jogue indiretas para as pessoas, afinal, você não quer que entendam, correto? Se entenderem, negue! Chame de louco. Logo depois se instale na frente de um quadro branco e comece a desenhar esquemas ilegíveis. Escreva por cima. Certifique-se de não estar dizendo algo clara e precisamente, mas um mundo de coisas desconexas. Mas finja que faz sentido.

- Responda seus emails com textos de mais de nove linhas. Nove é o número ideal. Ou uma linha só, que seja uma pergunta genérica, do tipo “E aí?”, ou “Tudo resolvido?”, “Como estamos?”. Uma boa opção é dar incentivos a coisas já em andamento. Do tipo: isso mesmo, faça exatamente o que está fazendo, se empenhe e resolveremos tudo. (entenda-se: isso, continue lendo meu email, perca tempo e todos acharão que a solução saiu de mim, e não do caboclo que está botando a mão na massa).

- Seja negativo sempre! Isso é importante. Sempre veja as soluções como um problema. Afinal, você não deseja de fato solucionar nada, concorda?

- Ao explicar como resolveu algo, demore, explique e descreva a conversa que tiveram e destaque o quanto foi brilhante com determinada tirada, como deixou o interlocutor desconcertado, como fez uma pegadinha e o outro, coitado, se deu mal… Isso é muito útil!

- De todos os problemas da empresa, atenha-se ao de menos valor. Deixe os grandes problemas para lá, afinal, alguém deve resolver.

- Crie uma conspiração. Essa é uma boa dica. De preferência aquelas de perseguição. “Alguém falou que falaram isso num outro continente”… Não se esqueça de nunca ser direto, vai que alguém resolve confrontar e simplificar a situação perguntando simplesmente se o que fulano falou é realmente verdade.

- Saiba quem enrolar e quem envolver. Quanto mais prolixo e insatisfeito, mais ele vai te ajudar.

- Dê mais valor a hierarquia e modelos empresariais antigos – a inspiração aqui devem ser os quartéis. Meritocracia é coisa de ‘gentinha’. Não demita, não mude, não promova gente com menos de 75 anos! Afinal, o que jovens sabem da vida, hein?

- Por fim, para colocar a cereja no bolo, pergunte numa reunião de trabalho: qual é o futuro do livro?

Pronto. Seguindo meu guia, estarás pronto para o nada, para a inércia, para encher o saco de gente que quer ver resultados e conquistas, para afastar essas desagradáveis pessoas produtivas de perto de você. Eca!

Camila Cabete (@camilacabete no Twitter e instagram) tem formação clássica em História e foi responsável pelo setor editorial de uma editora técnica por alguns anos. Entrou de cabeça no mundo digital ao se tornar responsável pelos setores editorial e comercial da primeira livraria digital do Brasil, a Gato Sabido, além de ser a responsável pelo pós-venda e suporte às editoras e livrarias da Xeriph, a primeira distribuidora de conteúdo digital do Brasil. Hoje é a Brazil Senior Publisher Relations Manager da Kobo Inc. e é a parceira da Beatriz Alves no podcast As Desqualificadas pela Central 3.

O LinkedIn da Camila pode ser acessado aqui.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Camila conta como deixou de ser só 'publishers relations da Kobo' para ser também 'especialista em inovação no mercado editorial'
'Onde encaixaríamos o material didático na realidade que os alunos vivem hoje? O material didático deveria ser fluido, mutável.... como a web', defende Camila Cabete na sua coluna de hoje
Camila Cabete é curta e grossa na sua coluna de hoje: colocar seus e-books numa única loja é 'uma atitude limitante e nada sustentável'
Nessa semana, Camila Cabete, a nossa colunista judoca, fala sobre competição: 'se alguma livraria digital vender muito, a gente vai acabar dividindo este mercado. É só fazer a lição de casa'.
Camila Cabete faz o seu balanço da Flip, que acabou no último domingo
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Nosso colunista Marcio Coelho foi ao Jabuti depois de algumas edições ausente. Ele gostou e conta como foi.
Em sua coluna, Felipe Lindoso dá seus pitacos sobre a crise que afeta o mercado livreiro – e consequentemente o editorial – brasileiro
Em seu artigo, Gurbanov fala sobre a obra escolhida pelo Prêmio Jabuti como Livro do Ano e que o mercado do livro precisa urgente aprimorar sua gestão 'para sair desse estado de inércia'
Em sua segunda coluna, Luciana Pinsky conta a experiência de um personagem numa confeitaria e conclui 'Se for transgredir, fuja dos intolerantes'
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
O leitor deve ser capaz de ler com fluência, mesmo se você estiver escrevendo metafísica, ou filosofia, ou seja o que for.
Jorge Luis Borges
Escritor argentino
(1899 - 1986)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar