Publicidade
Publicidade
A geração digital é burra demais para entender coisas que ela é inteligente demais para acreditar
PublishNews, 25/07/2013
Conseguirão os “dementes digitais” ler nossos livros?

Voltaram a pipocar, aqui e ali, matérias alertando para o “emburrecimento” da nova geração, sempre plugada, se desgarrando do mundo “real” pelo universo da rede. As críticas a esses jovens online costumam começar com uma condenação a um estilo de vida — a distração, a incapacidade de se aprofundar em um assunto, o bovarismo — e logo sobem alguns graus para afirmar que a insistência em tal comportamento acarretará em graves danos cerebrais, gerando um indivíduo que, de tanto se “socializar” nas redes será inútil à sociedade. Seria o que chamam de “demência digital”, o mal do século.

Sobre causar danos cerebrais, estão certos. Ou quase isso. É provável sim que os nativos digitais já tenham uma nova configuração neural, mais apta a conviver com fontes múltiplas e simultâneas de informação e estímulo. O fenômeno chama-ser neuroplasticidade, e sem ele, nada aprenderíamos. O cérebro de um spalla de orquestra, por exemplo, é exatamente igual ao de um contador, mas cada um deles foi tecendo seus neurônios, à medida que aprendia e vivenciava seu ofício, no circuito que mais lhes habilitasse para executar um pizzicato ou amortizar o diferido, respectivamente.

O que os críticos e digitoludistas não querem reconhecer, no entanto, é que não há uma configuração cerebral “perfeita”. Isso seria uma “eugenia mental” à la Goebbels. A mente muda no indivíduo, e muda nas gerações. Assim como o cérebro das pessoas vai se configurando, também as gerações vão alterando sua “placa-mãe”. Uma característica geral da “circuitação cerebral” dos nativos digitais é o fim da exclusividade do modelo linear de aprendizado, com um dado de cada vez, construindo um conhecimento. E isso, especulações fisiológicas à parte, é que representa(ria) risco para nós que trabalhamos com livros.

Em outras palavras, o nativo digital “multiestimulado” não conseguiria acompanhar narrativas lineares longas, não conseguiria se engajar em argumentações complexas — enfim, não conseguiria ler um livro.

“Estudos mostram que metade das crianças chinesas que aprendem a usar o computador não é mais capaz de ler. Se isso não mostra o perigo do digital, então não sei o que mostra”. Estudos mostram que estudos mostram o que foram pagos para mostrar, e é preciso ter muito medo para conseguir fazer sentido do que o professor Manfred Spitzer, arauto da “demência digital”, quis dizer com essa estatística difusa.

Um traço comum entre os críticos é o apelo ao cânone. “Quem vai conseguir ler Guerra e Paz?” Um dos autores que mais ganhou dinheiro com o pânico, Nicholas Carr (de The shallows), chegou a dizer que o livre acesso à informação, trazido pela internet, levou a um enorme aumento da comunicação, favorecendo somente a fofoca e a trivialidade — os jovens estariam falando de celebridades quando deveriam estar lendo Milton ou Shakespeare. (Cabe perguntar se o bardo, lá no século 17, estava mais preocupado em ler Chaucer ou Aristóteles ou em satisfazer o público fofoqueiro com peças divertidas e “superficiais” como Sonho de uma noite de verão.)

Enfim. O que estamos enfrentando, e pela primeira vez, é o fenômeno da abundância abrupta. Temos estímulos demais, livros demais a nosso alcance (além de filmes, músicas, aplicativos, memes e vídeos de gatinhos). Como lidar com tudo isso, sem ficar demente? Em um experimento bem conhecido com os bonobos, primatas geneticamente parecidos com os homens, foi oferecido a um grupo desses macacos uma montanha de comidas — bananas, carnes, doces. Os bonobos, frente à abundância abrupta, no lugar de atacar a comida, começaram a fazer sexo desenfreadamente, e em todas as combinações de gênero e posição. Algo parecido pode ocorrer com nossa espécie de primatas: frente à abundância de informações, não conseguimos absorver, ou processar, então nos regozijamos. Em todas as combinações. E temos medo, também.

Sócrates teve medo quando os jovens passaram a escrever; o autor do Eclesiastes alertou para a loucura dos livros sem fim; a imprensa foi tratada como a prostituta do saber; Jerônimo Squarciafico (impressor do século 15) já dizia que a abundância de livros torna o homem menos estudioso; a primeira geração televisiva foi taxada de alienada.

Olhando pelo outro lado, Silvio Meira é da opinião que “empresas e escolas, instituições em geral, assustadas com a democracia das redes sociais, uma espécie de 1968 online, resolveram se esconder do ‘problema’, e por muito tempo. Estão muito atrasadas no aprendizado da nova ‘linguagem’. O resultado? os jovens saíram na frente e estão à frente, onde vão continuar por muito tempo. E isso é muito bom, sejam quais forem as consequências.”

O fato, contabilizável e incontestável, é que nunca se leu e se escreveu tanto. Mesmo que confinada em 140 caracteres, os nativos digitais formam a geração mais letrada e mesmo literária desde a Revolução Industrial.

Um dos replicadores de Carr, Clay Shirky, acha que a abundância é motivo de otimismo, e que “demente” são os que não conseguirem fazer a transição para esse novo modo de pensar. Ele argumenta que “as tecnologias que tornam a escrita abundante sempre exigem novas estruturas sociais para acompanhá-las”, e lembra que a invenção da imprensa por Gutenberg dizimou algumas formas tradicionais de expressão, mas amplificou enormemente a força da palavra escrita. No que diz respeito ao métier de quem vive da palavra, como os editores, é preciso se dar conta, o quanto antes, de que o digital também vai aposentar algumas formas de expressão e tornar redundantes alguns segmentos da indústria editorial, como a imprensa fez com os sermões e os monges copistas. Alguns vão cair, mas, no final, a indústria, e a palavra, vão se erguer.

Ou talvez ficaremos todos dementes, mesmo.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
Julio Silveira faz balanço da Flip, elogia a curadoria de Josélia Aguiar e dá força para a criação da 'federação de festivais', ideia proposta durante mesa na Casa PublishNews
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A PublishNewsTV dessa semana conversou com Fernando Nuno, músico, jornalista e editor responsável pelo famoso Círculo do Livro
Na crônica desse mês, Luciana Pinsky narra o efêmero relacionamento de duas pessoas que mantiveram um relacionamento virtual, com raros, "mas sempre muito desejados" encontros presenciais
Cinthia Favilla, gerente da Bienal de SP, participa do programa para falar das novidades do evento que acontecerá em 2020. Programa traz ainda relato dos bastidores da operação de Felipe Neto na Bienal do Rio.
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Literatura não é qualquer coisa.
João Silvério Trevisan
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar