Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 10/12/2018
Aldeia dos Livros oferece serviços que vão desde a revisão de textos em geral; tradução do inglês e espanhol; copydesk; pareceres; contatos com editoras; eventos nacionais e internacionais; criação de capas de livros, branding e coaching criativo para autores.
HiDesign Estúdio é um estúdio editorial focado em design. Entre os trabalhos oferecidos pelo estúdio estão: capas, projetos gráficos, diagramação e ilustração para projetos de editoras e autores independentes.
A Beluga Editorial presta diversos serviços de produção do livro, incluindo revisão, copidesque, diagramação, capa e projeto gráfico. Atendemos tanto editoras quanto autores.
PublishNews, Redação, 10/12/2018

Fonte: Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) A partir de dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) fez um levantamento do número de livrarias e papelarias em funcionamento no País. A conclusão é que na última década, o Brasil perdeu 21 mil estabelecimentos do gênero. Pelo levantamento da entidade, no fim de 2017, havia 52,6 mil papelarias e livrarias no país. Em 2007, esse número era 73,7 mil. O estudo mostra que a maioria dos fechamentos aconteceu de 2013 para cá, como mostra o gráfico ao lado. Clique no Leia Mais para conferir outros detalhes da pesquisa.

PublishNews, Redação, 10/12/2018

O juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho, responsável pelo processo de recuperação judicial (RJ) da Saraiva, publicou no último dia 6 o edital de convocação de credores da varejista. A partir da data de publicação, os fornecedores que têm contas em aberto com a varejista têm 15 dias para confirmar ou contestar os valores listados no edital. As habilitações ou divergências deverão ser apresentadas diretamente à Lucon Advogados Associados, nomeada pelo magistrado como administradora judicial da RJ. Nessa mesma ocasião, os credores deverão indicar dados da conta bancária (nome do titular, CNPJ ou CPF, número da agência e conta bancárias). A dívida informada à Justiça é de R$ 674.698.227,29. Entre os maiores credores, considerando apenas as editoras, estão a Moderna (R$ 19.775.399,71), Editora Schwarcz / Companhia das Letras (R$ 18.638.315,67), Record (R$ 18.241.167,49) Saraiva Educação (R$ 18.019.617,60), GEN (R$ 15.615.151,12), Intrínseca (R$ 13.258.421,97) GMT / Sextante (R$ 9.026.372,67), Panini (R$ 8.355.502,96), Planeta (R$ 8.315.369,83), Grupo A (R$ 7.393.546,70) e Rocco (R$ 7.003.081,76).

PublishNews, Redação, 10/12/2018

Saraiva e Cultura ainda são o tema principal das notícias do final de semana. A Folha fez uma matéria dizendo que o mercado editorial teme o efeito cascata da dívida da Saraiva e Cultura que médios e pequenos editores têm alta dependência dos negócios com as megarredes de livrarias. A Landmark, por exemplo, entrou com um processo judicial contra a Saraiva, que lhe deve R$ 169,7 mil.  "Caso não consiga recuperar seus livros deixados em consignação, sofrerá severos prejuízos", afirma a editora no processo. A matéria ainda falou sobre o modelo de consignação usado no mercado editorial e o que algumas editoras estão fazendo para reduzir custos e passar pelas dificuldades. O Zero Hora também falou sobre como a crise das grandes redes afeta o futuro do livro no Brasil e o Correio do Povo focou em como as pequenas livrarias estão resistindo à crise. As duas matérias apresentam uma linha do tempo sobre o assunto, explicando como as duas grandes redes chegaram nessa situação e também ouviram o que especialistas no assunto têm a dizer. A Babel confirmou que a Livraria da Travessa irá abrir loja em Lisboa e em São Paulo. E de novo sobre a crise, a coluna também contou que os editores e a Livraria Cultura ainda não chegaram a um acordo sobre a manutenção do fornecimento de livros para a rede – pensando principalmente no Natal. Clique no Leia Mais para ter acesso à íntegra dessa nota.

PublishNews, Redação, 10/12/2018

Rosália Meirelles é a convidada do Podcast do PublishNews dessa semana | © Luciana MeloNa última quinta-feira (06), durante a confraternização da Câmara Brasileira do Livro (CBL), Rosália Meirelles recebeu uma placa comemorativa pelos seus 25 anos de trabalho no mercado editorial brasileiro. Com passagens por casas como a Companhia das Letras, Conrad, Manole e V&R, onde trabalha desde 2011, Rosália conquistou experiência e, por isso, foi a convidada especial do Podcast do PublishNews dessa semana. Na semana passada, ela já tinha escrito uma crônica sobre a Feira do Livro da USP e uma relação dela com a atual crise por que passam os mercados editorial e livreiro no País. No podcast, Rosália resumiu que a Feira da USP foi “assustadora de boa”. “Foi impressionante! A gente vendeu muito melhor do que no ano passado. As pessoas perguntavam: ‘cadê a crise?’ E eu dizia: ‘a crise está lá fora e deixa ela lá!’”, disse durante o programa. De forma lúcida – e bem-humorada, como é sua característica – , Rosália comentou sobre esse momento complicado. “A gente tem que procurar outros lugares [para vender livros]. Se o remo não está dando, a gente pega um baldinho e vai tirando água”, diz a vendedora conhecida pela sua teimosia. O Podcast do PublishNews é um oferecimento da Metabooks e do #coisadelivreiro. Clique no Leia Mais para ter acesso ao programa.

PublishNews, Redação, 10/12/2018

Em cerimônia realizada na última sexta (7), no Palácio da Ajuda, em Lisboa, o Oceanos – Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa anunciou os quatro vencedores de 2018: uma brasileira, dois portugueses e um moçambicano, consagrando escritores de três continentes e aprofundando o processo de internacionalização do prêmio. A poeta brasileira Marília Garcia ficou em primeiro lugar com a obra Câmera lenta (Companhia das Letras), recebendo o prêmio de R$ 100 mil. A obra reflete a pesquisa da autora sobre o processo poético. Nele, a Marília faz do poema o lugar para experimentar, exercitar o pensamento “ao vivo” e testar procedimentos novos, sempre em aberto. Em segundo lugar, o português Bruno Vieira Amaral, autor do romance Hoje estarás comigo no paraíso (publicado por aqui pela Quetzal), receberá prêmio de R$ 60 mil. O livro de poesia A noite imóvel, do português Luís Quintais, ficou em terceiro lugar, pelo qual terá premiação de R$ 40 mil. Fechando a lista, o quarto colocado é o poeta moçambicano Luís Carlos Patraquim, autor de O Deus restante, premiado com R$ 30 mil. “Esta edição do Oceanos está rica, cheia de ineditismos: pela primeira vez, anunciamos os premiados em Lisboa, temos autores do Brasil, de Portugal e de Moçambique, o que revela a importância da internacionalização do prêmio, e, de quatro títulos vencedores, três são de poesia, um dado que merece atenção”, observou a gestora cultural Selma Caetano, curadora e idealizadora do prêmio. 

PublishNews, Luciana Pinsky, 10/12/2018

© Thomás Camargo CoutinhoEm sua nova coluna, Luciana Pinsky relata a relação de uma mulher com um livro roxo que ela recebe, misteriosamente, em sua casa. Não há remetente ou cartão no livro deixado à porta. A trama passa a incomodar a leitora, que perde o sono, perambula pela casa no meio da noite tentando entender por que a protagonista insiste naquela história: "Como é inocente, não percebe que não pode dar certo?". Fantasmas do passado da leitora são trazidos de volta por conta da leitura do livro roxo. "Letras, palavras, parágrafos, páginas correm, engulo quase num susto, tentando mudar o rumo da história". Ela então resolve dar um fim no livro. Será que ela voltará a ter tranquilidade depois de queimar o volume de capa roxa? Clique no Leia Mais para ler a íntegra da coluna.

PublishNews, Redação, 10/12/2018

No dia que Clarice Lispector, escritora ucraniana radicada no Brasil completaria 98 anos, o doodle do Google prestou uma homenagem à escritora e jornalista com uma ilustração feita pela designer Mariana Valente, neta de Clarice. Na imagem, Clarice aparece entre livros, jornais e imagens que remetem à sua vinda para o Brasil aos dois anos de idade. “Digitalizei algumas imagens e texturas e tive a ideia de mostrar ela saindo com a família lá da Ucrânia e chegando ao Brasil, começando a trabalhar como jornalista, e depois se direcionando para o próprio trabalho de escrita”, contou Mariana ao G1. Clarice faleceu no dia 9 de dezembro de 1977, aos 57 anos, em decorrência de um câncer de ovário e é autora de A hora da estrela, Água viva, Laços de família, Perto do coração selvagem, e muitos outros livros.

PublishNews, Redação, 10/12/2018

O personagem da história brasileira que é tema do livro Apagando Lampião (Global, 384 pp, R$ 55) já foi apontado por muitos como bandido e por outros como produto das injustiças sociais. Polêmicas à parte, não restam dúvidas de que Lampião permanece magnetizando a curiosidade de todos que já ouviram falar dele. Mito ainda em vida, sua morte, há 80 anos, só fez aguçar toda a mística que cerca sua trajetória. Afinal de contas: quem matou Virgulino Lampião? Muita tinta já foi gasta procurando dar conta deste imbróglio. E o historiador Frederico Pernambucano de Mello traz aqui ao leitor um retrato vivo e completo deste homem de coragem e inteligência cuja trajetória já foi objeto de música, filme, novela e tantas outras manifestações da arte. Através de uma linguagem certeira e ancorado por caudalosa documentação escrita e ampla gama de depoimentos orais, o autor contextualiza historicamente as ações de Lampião e seu bando nas primeiras décadas do século XX e desata o nó que até então existia a respeito do assassinato de uma das figuras mais admiradas e, ao mesmo tempo, temidas de nossa história.

“E se por um lado o setor de comércio tradicional de livros está passando por uma situação difícil, por outro a sede e fome de escrita e leitura está cada vez mais viva. E como um rio, ela sempre vai dar um jeito de desembocar.”
Henrique Rodrigues
Colunista do PublishNews
1.
A sutil arte de ligar o foda-se
2.
O milagre da manhã
3.
Me poupe!
4.
As aventuras na Netoland com Luccas Neto
5.
O poder da ação
6.
Seja foda!
7.
Pai rico, pai pobre - Edição de 20 anos
8.
Aprendizados
9.
21 lições para o século 21
10.
Textos cruéis demais para serem lidos rapidamente
 
PublishNews, Redação, 10/12/2018

Elza (LeYa, 400 pp, R$ 59,90) é a biografia oficial de uma das maiores cantoras de todos os tempos e ícone cultural brasileiro. Zeca Camargo narra a história de Elza Soares, da infância pobre ao sucesso, consagrada em discos que marcaram a música brasileira e, mais recentemente, nos premiados A mulher do fim do mundo e Deus é mulher. Nas palavras de Zeca, “esta é a versão final, definitiva, contada por ela. Elaborada por mim, mas a matéria-prima é a memória da Elza – e isso é muito, muito fascinante. É como um mergulho nessa vida maravilhosa e nessa trajetória incrível”. Com coordenação de conteúdo de Juliano Almeida e Pedro Loureiro, o livro foi construído a partir de muita pesquisa do autor e ao longo de dezenas de encontros entre Elza e Zeca no apartamento da autora, no Rio de Janeiro. Foram momentos de conversas e interação, transpostas em livro num texto ágil e revelador que funciona como um passeio pelas lembranças de uma de nossas maiores artistas.

PublishNews, Redação, 10/12/2018

Em 1969, Jô Soares lança o seu primeiro one-man show, Todos amam um homem gordo, no Teatro da Lagoa, no Rio de Janeiro. No ano seguinte, depois do enorme sucesso na Família Trapo, estreia na Globo, no programa que revolucionou os humorísticos na TV brasileira, Faça humor não faça guerra. Na segunda parte do Livro de Jô: uma autobiografia desautorizada (Companhia das Letras, 384 pp, R$ 69,90), ele conta tudo (ou quase tudo, ou mais que tudo) que aconteceu desde então, até chegar ao talk show que mudou o fim de noite dos brasileiros. Revela como chegou a distribuir hóstias ao lado de Dom Hélder Câmara, sua vida de motoqueiro encerrada com dois acidentes, o processo que sofreu durante o período da presidência do general Emílio Garrastazu Médici (e como foi absolvido com um testemunho do poeta Carlos Drummond de Andrade), a saída para o SBT no auge do sucesso na Globo, os casamentos, a perda do filho Rafael, além de sua admiração profunda por figuras — gordas — como Orson Welles e Winston Churchill.

PublishNews, Redação, 10/12/2018

Com histórias e curiosidades sobre os mais de 50 anos de carreira de Zezé Motta, o escritor e ator Cacau Hygino traz a público o livro Zezé Motta – Um canto de luta e resistência (Companhia Editora Nacional, 256 pp, R$ 39,90). Por meio de histórias diversas, algumas engraçadas, entre outras trágicas, o leitor viajará pela carreira de Zezé, marcada desde o início pela resistência e perseverança. No livro também está presente a Zezé do dia a dia, generosa com amigos e desconhecidos, uma mulher sem frescuras e melindres, que deixou a sua marca registrada na TV, no teatro e no cinema. A obra é dividida em três partes e contém quase 90 fotos que ilustram as cinco décadas de trajetória profissional da atriz e cantora. O lançamento da obra acontece nesta quinta (13), às 19h, na Livraria da Travessa Ipanema (Rua Visconde de Pirajá, 572 - Rio de Janeiro / RJ).

 
©2001-2019 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Fidalga 471, Conjunto 3 | Vila Madalena | São Paulo | SP | Brasil | 05432-070
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.