Apanhadão: Crise do setor editorial vai parar na telinha da Globo
PublishNews, Redação, 03/06/2019
E mais: Exame mostra o protagonismo da Amazon no comércio eletrônico; morrem os autores Michel Serres e Agustina Bessa-Luíse Jo Nesbo deve lançar livro na Feira de Frankfurt

Na coluna da Babel, destaque para a crise do mercado editorial que será um dos temas da próxima novela das sete da Globo, Bom sucesso. Nela, Antonio Fagundes interpreta o dono de uma editora com os dias contados (os dois). Ele começou a carreira vendendo enciclopédia de porta em porta e teve sucesso com a editora, mas se recusa a publicar livros mais comerciais. Assim, seus dois filhos voltam para ajudar o pai nas finanças. A coluna noticiou ainda que a Amazon começou a oferecer, esta semana, a possibilidade de os autores de sua plataforma de autopublicação Kindle Direct Publishing (KDP) venderem seus livros também no formato impresso para o consumidor final, e que o Clube de Autores reportou crescimento no primeiro trimestre de 31% em livros publicados, de 28% em faturamento e 25% em exemplares vendidos.

A Exame publicou uma matéria sobre como a batalha do comercio eletrônico ficou mais difícil com a Amazon no meio. O avanço da companhia, que é responsável por 42% de todas as vendas online nos Estados Unidos, dificulta o avanço dos competidores e torna essa disputa cada vez mais cara. O comércio eletrônico já representa uma fatia de 9,4% das vendas totais nos Estados Unidos, contra 12,8% em 2017 – no Brasil, essa fatia é de 4% – mas o volume ainda está muito abaixo das previsões de 30% dos analistas. As lojas tradicionais estavam reduzindo sua distância da Amazon, mas essa tendência se reverteu e a gigante liderada por Jeff Bezos voltou a ser uma ameaça mais forte. A matéria explica ainda que a Amazon ampliou o número de produtos entregues no mesmo dia ou dia seguinte e que o custo para competir com ela cresce cada vez mais, o que afasta competidores menores do campo de batalha.

O Estadão noticiou a morte do filósofo francês Michel Serres que ficou conhecido no Brasil pelo livro Polegarzinha. Serres faleceu no último sábado, aos 88 anos, em Paris. Já o site Público deu a notícia da morte de Agustina Bessa-Luís. A escritora portuguesa faleceu nesta segunda, aos 96 anos, e já estava doente há mais de uma década. Agustina estreou como romancista em 1948, com a novela Mundo fechado, mas é com o romance A Sibila, de 1948, que se impõe como uma das vozes mais importantes da ficção portuguesa contemporânea. Em 1951, venceu os Jogos Florais do Minho com o conto Civilidade, ao qual concorreu usando como pseudônimo o nome do seu marido, o advogado Alberto Oliveira Luís.

O Painel das Letras, falou sobre o filme A vida invisível de Eurídice Gusmão, de Karim Aïnouz, que já tem distribuição garantida para oito países -- Bélgica, Holanda, Luxemburgo, China, França, Grécia, Alemanha e Espanha. O filme foi inspirado no livro de mesmo nome escrito por Martha Batalha. Já o escritor Jo Nesbo, um dos homenageados da Feira do Livro de Frankfurt (16 a 20/10), deve lançar no evento seu novo livro, Knife. A Record já comprou os direitos do romance e deve publicá-lo em 2020. Antes disso, saem aqui dois livros dele inéditos no país, Macbeth e Filho.

Tags: Apanhadão
[03/06/2019 06:00:00]