Apanhadão: Leitura faz propostas por lojas fechadas pela Saraiva
PublishNews, Redação, 19/11/2018
E mais: Livraria Cultura apresenta seu plano de Recuperação Judicial para editores e ganhador do Jabuti é alvo de matéria especial no Fantástico

Nesse feriado prolongado, o Estadão noticiou que a Leitura, hoje a segunda maior rede de livrarias do País, fez propostas para assumir cinco dos pontos de venda fechados pela Saraiva. Segundo o presidente da Leitura, Marcus Teles, é possível que duas ou três das ofertas realizadas resultem na mudança da bandeira Saraiva para a Leitura. A “tradição” da Leitura de encerrar pontos deficitários deverá ser mantida em 2019, quando a rede pretende abrir sete lojas – incluindo as conversões da Saraiva –, mas deverá encerrar duas. Desta forma, a Leitura deverá fechar 2019 com 75 unidades, número próximo às 84 que a Saraiva tem hoje.

A coluna da Babel contou o que a Livraria Cultura quer das editoras na sua recuperação judicial. Segundo apurou a coluna, a rede espera que elas aceitem a seguinte proposta: deságio de 40% da dívida, prazo de até 12 anos para pagar essa dívida reduzida, e sem juros, e uma data indeterminada para o início desse pagamento. Quem aceitar vai ter que concordar com a obrigação de fornecer livros imediatamente – a rede está desfalcada para a Black Friday e para Natal, e preocupada também com o Volta às Aulas. As editoras não vão receber à vista por essa venda. Os prazos pedidos vão de 30 a 120 dias, mas uma parte dessa compra seria consignada. Para as editoras que não concordarem com os termos, comenta-se que o deságio poderá ser de 70%, mesmo índice negociado com empresas de eletrônicos, e elas irão para o fim da fila do pagamento.

Valor Econômico também dedicou espaço à crise e ouviu editores como Marcos da Veiga Pereira, Mariana Zahar e Sonia Jardim. Sonia, a propósito, adiantou ao jornal que o Grupo Editorial Record lançará ainda esse ano um canal de vendas diretas ao consumidor como resposta à crise. 

O momento do mercado editorial brasileiro também foi assunto na mídia internacional. Para entender melhor a situação, o Publishing Perspectives pediu que Ricardo Costa, CEO da plataforma Metabooks Brasil, contextualizasse essa crise e explicasse os efeitos para o mercado brasileiro. Na visão de Ricardo, “a Cultura vai ter que 'correr' caso saia dessa situação em algum momento, apenas para conseguir acompanhar de novo com os concorrentes que, eu acredito, vão se tornar maiores e obter participação de mercado agora”.

A Associação Nacional de Livrarias (ANL), a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e o Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) escreveram conjuntamente uma resposta ao artigo de Elio Gaspari intitulado Os livreiros querem tungar os leitores e publicado na Folha de S.Paulo e n'O Globo. Na resposta, também publicada pela Folha e pel'O Globo as entidades rebatem alguns argumentos do colunista e defendem uma regulação do comércio de livros.

O poeta e dentista cearense, Mailson Furtado, ganhou uma matéria especial no Fantástico no último domingo (18). A reportagem mostra a festa com que o escritor foi recebido em sua cidade, Varjota, depois de ter vencido o Prêmio Jabuti e a importância que o prêmio passou a ter não só para ele, mas para todos os moradores da cidade. Mailson venceu o Jabuti com a obra À cidade, escolhida como melhor livro de poesia e Livro do Ano. 

[19/11/2018 06:00:00]