Um balanço de Sharjah na Bienal
Publishnews, Talita Facchini, 13/08/2018
Emirado árabe trouxe sua cultura para o evento com oficinas, painéis de discussão, apresentou seu programa de tradução e até fez um Carnaval na Avenida Paulista

Em setembro de 2016, o Emirado Unido de Sharjah foi escolhido como o homenageado da 25ª Bienal de São Paulo, de lá pra cá, diversas ações foram feitas para estreitar os laços entre os dois países. Agora que a Bienal acabou, podemos fazer uma lista com algumas coisas que o homenageado preparou para o evento. Já no dia 2, o xeique Al Qasimi fez um discurso na cerimônia de abertura enfatizando o “fortalecimento dos laços culturais entre Brasil e EAU”.

Em seu estande que ocupou 600m² no pavilhão, o país homenageado trouxe uma delegação composta de aproximadamente 150 representantes de 20 entidades culturais e governamentais e fez questão de mostrar sua cultura: organizou debates sobre literatura, sobre o mercado editorial e os desafios linguísticos de tradução, oficinas de artesanato e sessões de música tradicional e leituras de poesia. Até um Carnaval dos Emirados em plena Avenida Paulista eles organizaram com música tradicional e espetáculos de dança mergulhados na história dos EAU.

Editoras árabes também marcaram presença como o grupo Kalimat que participou de compras e vendas de direitos de livros e A Fundação Kalimat para o Empoderamento Infantil que apoiou a Biblioteca Pública de São Paulo e outras seis bibliotecas escolares, doando 600 títulos. Os livros foram fornecidos como parte da iniciativa Pledge a Library, que procura oferecer às crianças árabes e refugiadas o acesso aos livros. Além disso, 13 autores estiveram presentes na Bienal para autografar seus livros traduzidos para o português, e ao todo, durante os 10 dias de evento, mais de 40 deles estiveram presentes.

Os visitantes também puderam saber mais sobre a Bolsa de Tradução da Feira Internacional do Livro de Sharjah (SIBF), que concede até US$ 1,5 mil para livros infantis e até US$ 4 mil para outros gêneros. As inscrições para a bolsa são abertas para autores e editoras de qualquer nacionalidade, inclusive brasileiros, e a próxima edição será lançada durante a Feira do Livro de Sharjah (31/10 a 2/12).


[13/08/2018 10:30:00]