Publicidade
Publicidade
Dos temas transversais às escritas pós-autônomas
PublishNews, 05/11/2012
Os temas transversais foram incorporados aos parâmetros curriculares nacionais com o intuito de introduzir e garantir a discussão de temas sociais na escola

Vou pegar carona na coluna do meu colega Pedro Almeida, onde ele discute os chamados temas transversais, já que este tema se constitui em um bom caminho, talvez sinuoso, para aprofundar uma reflexão sobre a leitura e a formação de leitores na escola.

Os temas transversais foram incorporados aos parâmetros curriculares nacionais (LDBEN 9394/96) com o intuito de introduzir e garantir a discussão de temas sociais na escola. O objetivo: formar cidadãos munidos de valores básicos para uma boa vivência e convivência no mundo democrático contemporâneo. Para isto, visava-se o contexto – daí a sua ramificação por todas as disciplinas – e uma preocupação unificadora de implantação de um discurso democrático, mas dominante.

Em vigor há mais de uma década, os temas transversais têm orientado a atuação de professores e editores preocupados com o desempenho de seus produtos na escola. Se não é difícil compreender as motivações que originaram a incorporação dos temas transversais, que tomaram a escola como formadora de cidadania – totalmente de acordo com o momento histórico de abertura democrática – o mesmo não ocorre quando se trata de verificar o resultado desta implantação.

A “nova escola” enfrentou dificuldades para implantar mecanicamente valores nem sempre incorporados à vida dos educadores, à vida das famílias, aos materiais didáticos e não didáticos e aos conteúdos culturais dominantes. Independentemente do acerto ou não da implantação dos temas transversais, que não cabe discutir aqui, a questão é o esvaziamento de conteúdo, quando se trata de transmitir conteúdos éticos e filosóficos. Pois é disso que se trata.

A artificialidade e banalização se impõem e no lugar da coerência e convicção, que podem gerar exemplos de comportamentos, temos o tratamento vazio de conteúdos e princípios de construção de visões de mundo. O mesmo ocorre quando se fala em formação leitora e no papel dos mediadores. Tais transmissões não se dão mecanicamente e nem podem ser vistas como atividades de caráter técnico. Estão em jogo escolhas, sensibilidades, compromissos que remetem a um universo muito mais amplo que o do conhecimento ou da “técnica”.

Tenho falado da necessidade de dar um salto, ou talvez de forma um pouco mais modesta, subir alguns degraus, na discussão da formação leitora, que concentra e mobiliza tantas energias e esforços. E tendo a ir por este caminho que tem muito para ser explorado. Daí as boas surpresas quando damos de cara com reflexões que indicam direções originais e instigantes. Este é o caso de uma entrevista de Josefina Ludmer, “Crisis y transformación”, publicada no Suplemento literário do jornal argentino el Clarín.

Crítica da cultura, Ludmer elaborou o conceito de “escrituras posautónomas” para se referir às práticas literárias contemporâneas, às “novas escrituras”, que marcam as mudanças trazidas pela tecnologia nas formas de escrever e de ler, a partir dos anos 80. Com base nesse referencial teórico, a autora mostra as diferenças entre as formas de leituras atuais e as de 30 anos atrás. E afirma que “uma mudança na tecnologia da escrita é uma mudança na literatura. O surgimento da escrita eletrônica [...] transformou a literatura: mudou a produção do livro, as maneiras de ler e circular e, por tanto, a construção da realidade e de sentido.” E continua, dizendo que hoje se lê: “De maneira muito mais superficial, no sentido de que as escritas são muito mais planas. Buscam sujeitos e experiências, mais do que construção de um mundo.”

E falando dos escritores afirma: “Se despolitizou a figura do escritor, não necessariamente a literatura, que é um instrumento de produção da realidade, e essa é a sua política. Hoje o escritor se transformou em um personagem midiático. [...] Antes se lia primeiro e depois se ia atrás do escritor. [...] A figura do escritor não é mais a do gênio inspirado do século XIX. Isto está vinculado à própria profissionalização.” E por conta disto tudo, uma das chaves fornecidas por Ludmer, se referindo à literatura no mundo atual, é que nela “não funcionam [mais] os critérios e as categorias com as quais líamos as literaturas clássicas.”

É necessário, sem dúvida, adentrar e entender melhor o pensamento da autora, no entanto, estamos diante de uma interpretação sensível às mudanças e transformações que nem sempre a nossa proximidade com os fatos permite enxergar. Que a chamada produção literária atual difere do que conhecemos como clássico, que o papel do escritor mudou, que a tecnologia está interferindo nas formas de ler e escrever, são fatos. É necessário olhar para esta realidade com olhos críticos e com certo distanciamento. Daí a importância de buscar novas categorias e conceitos que deem conta dos fenômenos que só empiricamente mantém uma relação com o passado.

O que tudo isso tem a ver com os temas transversais? Aparentemente a conexão pode parecer distante, mas se retomarmos a questão acima referida, da artificialidade e banalização que corresponde a um esvaziamento de conteúdos no mundo em que vivemos, ou nas palavras de Ludmer, a “maneira superficial”, à “despolitizacão”, temos algumas chaves importantes. O que está em questão não são nem os conteúdos para formar cidadãos – todos eles presentes, na sua melhor dimensão humana, na literatura, desde sempre –, nem a discussão de como formar leitores. O que está em questão é o tipo de visão de mundo produzida na contemporaneidade, responsável por pautar, entre muitas outras coisas, a sensibilidade, o gosto, o posicionamento diante do mundo, diante do outro.

Foco nos “sujeitos e experiências” versus “construção de mundos”, sentidos diferentes que produzem seres sociais diferentes. Mais ou menos comprometidos, mais ou menos intensos, mais ou menos sensíveis, mais ou menos aptos a se aprofundar, mais ou menos conformados, mais ou menos exigentes.

Muitos dos valores democráticos, vigentes nos parâmetros, se chocam no dia a dia com preconceitos ideológicos (religiosas, culturais etc.) profundos, que mudam o sentido das práticas e das ações daqueles que estão lá para transmiti-los. O mesmo se dá com os leitores que, sem dúvida, são cada vez em maior número, como mostra a lista dos mais vendidos e os números crescentes das pesquisas no Brasil. Mas o que se lê? Em que campo da cultura (e que cultura?) se inserem a maioria dos leitores? Pois a construção do gosto pela leitura anda de mãos dadas com o gosto musical, teatral, artístico. Mas também do próprio sentido que se dá ao tempo livre que, se para os gregos era o ócio – momento privilegiado da razão –, no mundo contemporâneo está, em grande parte, direcionado pelas grandes indústrias do entretenimento.

Retomando Pedro de Almeida e tentando responder a sua indagação sobre os efeitos da transversalidade, não se trata de uma questão de método, se assim fosse seria muito mais fácil. A solidez do caráter da criança ou a possibilidade dele se converter em um futuro leitor literário dependem mais da autonomia e do espírito crítico, do que exemplos de práticas que buscam a coerência com o discurso podem fomentar.

É o que temos. Uma discussão que pode parecer paralela, mas como diz Emília Gallego: “Sim, é para tanto, para muito e muito mais. Toda preocupação e ocupação é pouca, porque o que está em jogo é o destino dos valores que, intangíveis ou não, suportam nos seus ombros o destino da nossa Humanidade.”

Em tempo: Vale ler Por uma literatura sem adjetivos, de María Teresa Andruetto, Editora Pulo do Gato, 2012.

Dolores Prades é editora, gestora e consultora na área editorial de literatura para crianças e jovens. É membro do júri do Prêmio Hans Christian Andersen e curadora da FLUPP. É também coordenadora do projeto Conversas ao Pé da Página - Seminários sobre Leitura, e da área de literatura para crianças e jovens da Revista Eletrônica Emília. Sua coluna pretende discutir temas relacionados à edição e ao mercado da literatura para crianças e jovens, promover a crítica da produção nacional e internacional deste segmento editorial e refletir sobre fundamentos e práticas em torno da leitura e da formação de leitores. Seu LinkedIn pode ser acessado aqui.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Uma visita a qualquer livraria importante, mostra a convivência dos livros ilustrados junto às inúmeras séries juvenis de sucess
A importância dos livros sem idade reside precisamente no fato deles ultrapassarem seus destinatários naturais e ampliarem seu escopo de leitores, graças a suas qualidades tanto formais como de conteú
O interesse por este tema tem sido também recorrente entre as solicitações de leitores da Revista Emília
Vários são os fatores responsáveis pelo crescimento do segmento de mercado dedicado a livros para bebês: o reconhecimento da importância da leitura para o futuro
O futuro dos livros ilustrados
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Em seu artigo, Gurbanov fala sobre a obra escolhida pelo Prêmio Jabuti como Livro do Ano e que o mercado do livro precisa urgente aprimorar sua gestão 'para sair desse estado de inércia'
Em sua segunda coluna, Luciana Pinsky conta a experiência de um personagem numa confeitaria e conclui 'Se for transgredir, fuja dos intolerantes'
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Henrique Rodrigues lista anotações sobre os nossos tempos de mudança
Nenhuma tradução é definitiva, é sempre uma proposta de olhar para um texto a partir de um novo ponto de vista
Francisco Lourenço
Tradutor
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar