Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 05/03/2021
A Transpo Express é uma transportadora que já atua há 10 anos focada completamente no segmento editorial
A área de Soluções em Acessibilidade é uma divisão da Fundação Dorina Nowill para Cegos criada para oferecer o mais amplo portfólio de produtos e serviços acessíveis a empresas que desejam não apenas se adequar à lei
Há 14 anos no mercado, representa cerca de 400 editoras do comércio varejista de livros. Tem aproximadamente 820 mil títulos em estoque, e cerca de 400 novos títulos ao mês.
PublishNews, Redação, 05/03/2021

A Folha adiantou que o Ministério da Educação (MEC) pretende nomear como coordenadora de materiais didáticos, Sandra Ramos, professora aliada ao movimento Escola sem Partido e que acumula críticas à base curricular com base em princípios religiosos. Sandra é pedagoga e assinou artigos em um blog – junto com Damares Alves, Orley Silva e Viviane Petinelli e Silva – em que fez críticas com viés ultraconservador ao material didático e à Base Nacional Comum Curricular. A pedagoga é a favor da exclusão na base curricular, de menções à cultura africana e indígena e questões relacionadas à violação de direitos humanos na ditadura militar (1964-1985). Segundo a Folha, a indicação de Ramos é vista por funcionários como um movimento de retomada de espaço por parte da chamada ala ideológica influenciada pelo escritor Olavo de Carvalho. O grupo tem entre suas prioridades, promover uma guerra cultural contra pautas associadas à esquerda e é liderado pelo secretário de Alfabetização, Carlos Nadalim. Ainda segundo o jornal, a indicação de Sandra Ramos para a coordenação-Geral de Materiais Didáticos tem causado apreensão entre os técnicos do MEC. As compras são feitas pelo FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), mas é no ministério que são feitas a definições pedagógicas da política.

PublishNews, Leonardo Neto, 05/03/2021

Livro de memórias de Luiz Schwarcz chega à Lista dos Mais Vendidos | © Renato Parada / Instagram da EditoraLuiz Schwarcz, fundador da Companhia das Letras, faz um relato corajoso e, ao mesmo tempo, sensível sobre a depressão no seu livro de memórias O ar que me falta – História de uma curta infância e uma longa depressão (Companhia das Letras). Em entrevista a Pedro Bial, veiculada na noite desta quinta-feira (04), o editor ressaltou que precisava lidar, especialmente, com o silêncio do pai, húngaro, que conseguiu escapar de um trem a caminho do campo de Bergen-Belsen, deixando Láios, avô do editor, no vagão que acabou por levá-lo à morte. “Durante muitos anos, eu tentei lidar com essa herança de silêncio e culpa”, disse na conversa com Bial. “Eu acabei escrevendo esse livro dizendo que era para ajudar as pessoas com depressão – e tomara que ajude –, mas, esse livro era para mim, para eu tentar transformar numa coisa bonita, uma experiência de muita dor”, completou. O ar que me falta estreou essa semana na Lista dos Mais Vendidos do PublishNews, ocupando a 20ª posição de Não Ficção. Aliás, foi Não Ficção o grande destaque da semana. O líder da categoria – a versão em capa dura de Mulheres que correm com os lobos (Rocco), de Clarissa Pinkolas Estes – alcançou o segundo lugar do Ranking Geral, com 1.903, e vem de Não Ficção três das quatro novidades da semana. Além do livro de Schwarcz, a categoria trouxe a biografia de Kamala Harris (Agir) escrita por Dan Morain. O livro sobre a primeira mulher a ocupar a vice-presidência dos EUA teve 340 cópias vendidas e ocupa a posição de número 11 da categoria. Ainda em Não Ficção, estreou Tudo de bom em seu aniversário (Edições Loyola), de Anselm Grün, na 16ª posição, com 200 exemplares vendidos. Clique no Leia Mais e confira outros destaques da Lista dos Mais Vendidos dessa semana.

PublishNews+, Leonardo Neto, 05/03/2021

A Gagliani, fundada em 1801, foi uma das livrarias francesas que sobreviveram a 2020 | © Site da LivrariaA França é o quarto país perfilado pela PubMagNet, série de reportagens realizadas a partir de dados enviados por colegas da rede de veículos de comunicação especializados na cobertura do mercado editorial pelo mundo e da qual o PublishNews faz parte. Quem manda as notícias de lá é Anne-Laure Walter, editora adjunta da Livres Hebdo. Ela aponta que, em 2020, o país produziu 6.652 novos títulos, o que representou queda de 9,6% em relação ao ano anterior. Isso evidencia claramente que os editores – como aconteceu em diversas outras partes do mundo – pisaram no freio e acabaram colocando menos novidades no mercado: um dos resultados da pandemia causada pelo novo coronavírus. Ela lembra que entre 17 de março e 11 de maio, durante o primeiro lockdown no país, a produção foi totalmente descontinuada. No segundo período de isolamento, entre 30 de outubro e 15 de dezembro, a produção não chegou a ser parada, mas diminuiu muito o número de lançamentos. O varejo também foi claramente impactado pelas medidas de fechamento da economia. Durante todo o primeiro lockdown, as livrarias ficaram fechadas e isso se repetiu em parte do segundo lockdown. Como consequência, as vendas ao consumidor caíram 4,5% em relação a 2019. Anne-Laure, no entanto, faz uma ressalva: “As pequenas livrarias (-1,8%) e livrarias independentes (-4,2%) tiveram um desempenho melhor do que a média do mercado. Já as vendas em supermercados caíram 5,4%”, disse. A PubMagNet é exclusiva para assinantes do PublishNews+ e a análise completa pode ser lida clicando aqui.

PublishNews, Redação, 05/03/2021

Na última quinta (4), o PublishNews noticiou as medidas dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Goiás e o Distrito Federal para tentar conter os efeitos da segunda onda do novo coronavírus. Além deles, a cidade de Fortaleza, no Ceará, e os estados do Paraná e Santa Catarina também anunciaram que fecharão o comércio nas próximas semanas. Em Fortaleza, o decreto determinou o fechamento de atividades não essenciais como academias, restaurantes e bares, podendo funcionar apenas por serviço de entrega. Por lá, templos e igrejas também permanecerão fechados. As medidas valerão de hoje (5) até 18 de março para os municípios do interior e para a região metropolitana de Fortaleza. No Paraná, desde o último sábado só os serviços essenciais podem funcionar. Nesta sexta, o governo do estado deverá avaliar se renovará o lockdown que vale ainda, até segunda-feira (8). Em Santa Catarina, a partir das 23h desta sexta, começa o segundo período determinado em decreto de restrições das medidas de combate à pandemia. Por lá, também apenas serviços essenciais estão permitidos.

PublishNews, Redação, 05/03/2021

Livraria | © Samara Heisz / SutterstockRealizada pela Nielsen Book, sob a coordenação da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), a Pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro (ano-base 2020) ampliou mais uma vez o seu prazo. Para que haja uma adesão ainda maior das editoras, o questionário do principal estudo sobre o mercado editorial brasileiro ficará disponível até o dia 21 de março. Vale lembrar que o questionário foi lançado no dia 15 de janeiro e ele não precisa ser respondido de uma única vez. Os dados já inseridos são salvos automaticamente e o usuário pode retomar de onde parou. A meta dos organizadores da pesquisa é divulgar os resultados em abril. Para mais informações e dúvidas, é só escrever para Mariana Bueno, no e-mail producao.vendas@nielsen.com.

PublishNews, Redação, 05/03/2021

O elefante (Companhia das Letrinhas, 32 pp, R$ 39,90 – Ilustração: Raquel Cané), de autoria do poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade, faz parte de um dos livros mais expressivos da carreira do autor, A rosa do povo (1945), consagrado como uma das obras de cunho político-social mais importantes do país, marco do conturbado período da Segunda Guerra Mundial. O poema é um convite para um mundo mais poético e menos descrente. Inédito como livro isolado e também em edição dirigida às crianças, a narrativa acompanha o nascimento de um elefante, “de passo desastrado, mas faminto e tocante”. Feito tanto de pedaços de móveis velhos quanto do mais puro algodão, o surgimento do bicho é metáfora da construção do indivíduo, e da dificuldade de nos reconhecermos como sujeitos no mundo. Doce e resistente, o elefante do livro é um convite para resgatar a esperança na verdade do ser humano e do mundo.

PublishNews, Redação, 05/03/2021

Depois da morte de sua mãe, Coco Chanel passou a infância em um orfanato, onde ela aprendeu a usar a agulha e a linha. Anos mais tarde, ela se tornou cantora de cabaré, costureira, chapeleira e, por fim, em uma das estilistas mais famosas que já existiram. Essa história inspirada de um ícone internacional da moda inclui uma seção de dados e fotos no final. O livro Coco Chanel (Catapulta, 32 pp, R$ 69,90 – Ilustração: Ana Albero), de María Isabel Vegara, faz parte da coleção Gente pequena, grandes sonhos, que tem como objetivo incentivar os pequenos a realizar os próprios sonhos. O líder pacifista indiano mahatma Gandhi, a artista mexicana Frida Kahlo e a cientista francesa Marie Curie também são personalidades que nomeiam os outros livros da coleção.

PublishNews, Redação, 05/03/2021

Corvo-correio (Mazza Edições, 32 pp, R$ 28,50 – Ilustração: Zeka Cintra) conta a história de José, um belo corvo pretinho, que por toda a vida sonhou voar ao lado dos imponentes pombos branquinhos e fazer parte do tradicional grupo dos pássaros mensageiros. Um sonho impossível, segundo a chefe dos correios do bosque, a Coruja Mafalda. Os corvos não eram bem-vindos ao seleto grupo dos pombos-correio. Escrito por Isabel Cintra, Corvo-correio é uma história divertida que trata de importantes temas como diversidade e tolerância.

“Um livro deve ser o machado que quebra o mar gelado em nós.”
Franz Kafka
Escritor tcheco (1883-1924)
1.
Mais esperto que o diabo
2.
Mulheres que correm com os lobos (capa dura)
3.
Torto arado
4.
Pai rico, pai pobre - Edição de 20 anos
5.
A sutil arte de ligar o foda-se
6.
O poder da autorresponsabilidade
7.
Do mil ao milhão
8.
O duque e eu
9.
O poder da atitude
10.
O homem de giz
 
PublishNews, Redação, 05/03/2021

O que mais pode haver no mar? E dentro de cada um de nós? É o que perguntam Raphael Gancz e Mariana Coan em Meu querido abismo (Caveirinha / DarkSide, 80 pp, R$ 49,90). O livro dedicado aos pequenos leitores parte da curiosidade que todos temos ao mergulhar na imensidão do oceano ou dos compartimentos secretos escondidos em nossa mente. Uma jornada que estimula os leitores a descobrirem o novo, e os aproxima da magia e do mistério diante da vida. Meu querido abismo propõe um diálogo sobre a existência, a criatividade e o saber. Como criar, como produzir arte? Como romper o medo do papel em branco? O convite da dupla é para vasculharmos a imensidão em nossos oceanos particulares e encontrar novos horizontes diante do mar aberto.

PublishNews, Estevão Ribeiro, 05/03/2021
 
©2001-2021 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Henrique Schaumann, 1108 A, CEP 05413-011 Pinheiros, São Paulo -SP
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.