Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 30/03/2020
Somos especialistas em criação de projeto gráficos, diagramação de grandes materiais, tratamento de imagens e tradução e revisão de laudas.
Voltada ao segmento de bibliotecas, atende Bibliotecas de Instituições Públicas e Privadas, Colégios, e Empresas, buscando a satisfação das necessidades de seus clientes.
A FMZ está há 17 anos no mercado livreiro/editorial desenvolvendo o HORUS, sistema de gestão específico do segmento
PublishNews, Leonardo Neto, 30/03/2020

O PublishNews tem ouvido diversos setores da economia do livro para entender quais os impactos da pandemia de covid-19 nos seus respectivos negócios. Já ouvimos editores de livros gerais, livreiros e organizadores de eventos. Agora, conversamos com Ângelo Xavier, diretor geral de Educação do Grupo Santillana no Brasil e presidente da Associação Brasileira de Editores e Produtores de Conteúdo e Tecnologia Educacional (Abrelivros). Na conversa, ele fala sobre como o setor se preparou para dar respostas imediatas às recomendações de isolamento social; do impacto da pandemia no setor e ainda da reação com o governo federal, o maior comprador de livros do país. Ele revelou que, em meio a essa crise, o governo tem “fracionado os pagamentos” e que isso é muito preocupante. Clique no Leia Mais e confira a íntegra da entrevista.

PublishNews, Leonardo Neto e Talita Facchini, 30/03/2020

Aglomeração de leitores na frente da Casa Folha, na Flip | © André ArgoloNo mundo do livro, um dos efeitos da escalada do coronavírus foi a suspensão de eventos literários. No mundo, eles foram caindo como uma fileira de dominós: primeiro a Feira de Bolonha, depois o Salão do Livro de Paris, até a Feira do Livro de Londres, talvez a mais importante do primeiro semestre. Desde a confirmação do primeiro caso da covid-19, no fim de fevereiro, organizadores das nossas feiras e festas literárias também tiveram que ficar atentos e não tardou para que elas também fossem sendo adiadas. Como foram os bastidores dessas decisões? Que impactos isso pode ter nesses eventos e no calendário, uma vez que quase todos os festivais foram transferidos para o segundo semestre? A programação? Terá que ser alterada? Para tentar responder a essas perguntas, o Podcast do PublishNews dessa semana conversou com responsáveis pela Feira do Livro da Unesp, do Flipoços, do Fliaraxá e da Flip. Clique no Leia Mais para ouvir o programa.

PublishNews, Redação, 30/03/2020

O mercado editorial vive mais uma crise. A Folha fez uma análise da situação do setor por conta do novo coronavírus focando no embate entre livrarias e editores. As livrarias físicas ainda são o cerne do negócio e as duas maiores delas já estão em apuros. A Saraiva anunciou a suspensão dos pagamentos por tempo indeterminado e a Cultura fez o mesmo em comunicado a seus fornecedores. Mas desta vez elas não estão sozinhas já que todas as livrarias mais importantes já pediram renegociação de prazos com editores, gerando um nó na cadeia difícil de desatar. Segundo a matéria, a previsão é de uma retração imediata no setor que fica entre 60% e 70% do faturamento. Isso se o varejo reabrir daqui a dois meses. As livrarias serão fundamentais numa eventual retomada das vendas, mas o dilema na equação é como fazer todos sobreviverem. Quem também sofre os efeitos da pandemia são os escritores que tiveram seus eventos e palestras cancelados, que para muitos, é de onde tiram seu sustento. O Painel das Letras também citou outro impacto no mercado: o sofrido pelos profissionais do livro que prestam serviço como pessoas jurídicas – caso de designers, tradutores, preparadores e revisores. A expectativa é que, se o mercado demorar a voltar ao normal, haja desemprego massivo nesse setor. Clique no Leia Mais para conferir a íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 30/03/2020

O PublishNews estreou, na última sexta-feira (27) o ColabPublishNews – Momento Home Ócio, uma série de lives que quer apresentar soluções que possam minimizar os efeitos da pandemia de covid-19 na indústria do livro. O primeiro episódio recebeu Luciana Borges, diretora comercial da Companhia das Letras, e Wendel Isler, gerente comercial da Catavento. Eles apresentaram soluções criadas pelas empresas que visam ajudar pequenos e médios livreiros a enfrentar a crise. A CiaLogEntregas, serviço criado pela Companhia das Letras, faz a entrega de livros publicados pela editora e vendidos pelos livreiros cadastrados. A editora arca com o custo de frete. Já a solução da Catavento permite que livreiros criem uma página na internet e comecem a vender livros por ali. A distribuidora se responsabiliza pelo envio dos livros. A live está disponível na página do PublishNews no Facebook. Um novo episódio do ColabPublishNews – Momento Home Ócio vai ao ar nesta terça-feira (31) e quem estará conosco é Camila Cabete, country manager da Kobo no Brasil. Ela vai falar sobre como a empresa nipo-canadense tem se organizado para dar apoio a editores nesse momento e criar campanhas que levem o leitor a consumir livros digitais. O episódio vai ar às 14h e será transmitido ao vivo pelo Facebook.

PublishNews, Pedro Almeida, 30/03/2020

Ao lançar a última edição do Prêmio Jabuti, passamos a acompanhar pelas redes sociais um amplo debate sobre a nova categoria que decidimos criar para esta edição que já está nas ruas, a Romance de Entretenimento. As dúvidas são muitas, claro, mas uma delas é bastante recorrente: como eu, candidato ao Prêmio, vou decidir se meu livro é um Romance Literário ou um Romance de Entretenimento? Conseguimos autorização dos organizadores do London Writers Awards, prêmio britânico que também tem as duas categorias, para traduzir um texto claro e didático que define o que é uma coisa e o que é a outra. O texto traz a visão de críticos de romances literários e romances de entretenimento, lá também chamados de romances comerciais. A tradução é Marcos Marcionilo, meu companheiro no Conselho Curador. Clique no Leia Mais para ter acesso à íntegra do texto.

PublishNews, Redação, 27/03/2020

Para ninguém ficar parado nessa quarentena, Tiago Ferro, autor e editor da e-galáxia e da revista Peixe-elétrico, decidiu oferecer cursos on-line para ocupar o tempo. O primeiro deles começa já na próxima terça (31) e será sobre Chico Buarque. A partir da análise formal de um repertório selecionado de canções e romances, o curso se propõe a captar um sentimento de história original e crítico que nasce da obra do músico, dramaturgo e escritor brasileiro. Com o apoio da Companhia das Letras, o curso também irá sortear um exemplar de Essa gente entre os inscritos. Ao todo, o curso terá quatro encontros, com 1h de duração cada, sempre às terças e quintas, às 22h. Os interessados podem se inscrever clicando aqui e o investimento é de R$ 20. Tiago Ferro é autor de O pai da menina morta (Todavia), seu livro de estreia e que venceu os prêmios Jabuti e São Paulo de Literatura em 2019.

PublishNews, Redação, 30/03/2020

O uso de fármacos é um dos pilares da medicina. As drogas são produtos importantes não só pelos fins terapêuticos, mas também simbólicos e, evidentemente, econômicos. Por trás do surgimento de cada remédio há uma história e também uma combinação de fatores: novas tecnologias, mudanças geopolíticas, questões culturais, sorte. Thomas Hager parte do ópio, a “planta da alegria” usada pela primeira vez há 10 mil anos, para narrar o impacto que dez drogas exerceram — e seguem exercendo — no mundo. Assim, o leitor acompanha de perto a descoberta das vacinas, e como elas eliminaram a mais letal doença que já atingiu a humanidade (a varíola), passando também pelo primeiro remédio para sífilis, que causou uma verdadeira revolução nos costumes da época, e pelo desenvolvimento dos antipsicóticos, que esvaziaram hospitais psiquiátricos e transformaram nosso entendimento sobre a mente humana. A partir de Dez drogas (Todavia, 336 pp, R$ 69,90 – Trad.: Antonio Xerxenesky), o premiado autor coloca em perspectiva séculos de avanços científicos, ao mesmo tempo que conta uma história recheada de curiosidades sobre as substâncias que são parte de nossa vida.

PublishNews, Redação, 30/03/2020

Em Economia do bem comum (Zahar, 552 pp, R$ 99,90 – Trad.: André Telles), o Nobel de Economia Jean Tirole estabelece uma nova agenda para o papel da economia na sociedade. Otimista e instrutiva, escrita para um público abrangente, trata-se de um manifesto apaixonado em defesa de um mundo no qual a economia se veja como uma força que pode e deve trabalhar para o bem comum, para o interesse geral, para melhorar o quinhão comum das sociedades e da humanidade. A fim de mostrar como isso é possível, Tirole discute vários assuntos que afetam o nosso cotidiano hoje: a crise financeira de 2008, mudanças climáticas, economia digital, desemprego, inovação, impostos, previdência, entre outros tópicos. Com diversos exemplos concretos, ao longo de capítulos que podem ser lidos separadamente, a obra é apontada como um título que ficará entre os principais da área.

“Livros são ótimos companheiros para quem quer ficar em casa, são um espaço de paz diante da cacofonia das redes sociais.”
João Varella
Fundador da editora Lote 42
1.
Mais esperto que o diabo
2.
Especialista em pessoas
3.
Como fazer amigos e influenciar pessoas
4.
Quarto de despejo
5.
Mais esperto que o diabo (edição de bolso)
6.
Quem pensa enriquece: o legado
7.
O diário perdido de Gravity Falls
8.
Luccas Neto em "Os aventureiros"
9.
Atitude mental positiva
10.
Os segredos da mente milionária
 
PublishNews, Redação, 30/03/2020

O que guarda-chuvas, sinfonias, viagens espaciais, estádios de futebol, os quadros de Picasso e o calendário gregoriano têm em comum? Todos foram concebidos, desenvolvidos e aperfeiçoados pelo poder da criatividade humana. Como o cérebro cria (Intrínseca, 304 pp, R$ 54,90 – Trad.: Donaldson M. Garschagen e Renata Guerra) apresenta uma reflexão sobre as ferramentas e estratégias responsáveis pela indomável capacidade de inovar do ser humano. O compositor Anthony Brandt e o neurocientista David Eagleman explicam os caminhos da criatividade na arte, na ciência e na tecnologia por meio de estudos de casos bastante palpáveis para o leitor — como detalhes do design do Apple Watch ou a correspondência entre a obra musical de Bach e o cinema de ação — ilustrados com esquemas e fotos. Como o cérebro cria oferece diversos exemplos de como todos os atos criativos resultam das mesmas operações cerebrais aplicadas a algo que já existia.

PublishNews, Redação, 30/03/2020

Alimentando o mundo (FGV / Imprensa Oficial, 440 pp, R$ 70 – Trad.: Laura Teixeira Motta) explica como e por que a modernização agrícola ocorreu e como o Brasil evoluiu de exportador monoprodutor de café para importante produtor agrícola do planeta, posicionado entre os cinco maiores do mundo. A ascensão do Brasil como potência agrícola pode ser considerada um dos eventos mais importantes na história do mundo moderno. A partir de 1960, com o início desta evolução, o país começou a mudar sua condição de importador e pequeno exportador para alcançar o posto de maior exportador líquido de alimentos do mundo atual, cuja ausência neste mercado resultaria numa drástica redução na oferta de produtos para o planeta. Baseado em uma pesquisa empírica, o livro do historiador norte-americano Herbert S. Klein e do professor brasileiro Francisco Vidal Luna fornece uma análise abrangente dos impactos ambientais e socioeconômicos que transformaram o Brasil.

 
©2001-2020 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Fidalga 471, Conjunto 3 | Vila Madalena | São Paulo | SP | Brasil | 05432-070
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.