Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 28/10/2019
A Transporte Executivo Luiz Henrique Pinho oferece serviço de transporte para autores e colaboradores no Rio de Janeiro. Já atende editoras como Sextante e Intrínseca.
Tradutor Editorial (ING-PT), especialista em textos de não-ficção, sobretudo em temas ligados à aeronáutica, história militar, humanidades e ciências sociais. Trabalha para diversas editoras como tradutor e copidesque.
Com mais de 25 anos de experiência, a Claro e Ponto Assessoria em Produção de Textos oferece serviço de revisão e preparação para diversos gêneros textuais. Também trabalhamos com redação e edição de textos publicitários e jornalísticos.
PublishNews, Redação, 28/10/2019

Quando a Auti Books nasceu, ficou claro para o mercado que o que os sócios – Sextante, Intrínseca, Record e o fundo de investimentos Bronze Ventures – queriam era evitar que seus livros caíssem nas plataformas de subscrição. Os modelos de remuneração não agradavam aos sócios-editores. Com quatro meses de vida, a plataforma lançada em junho passado passa a oferecer, a partir do próximo mês, uma modalidade de subscrição. Um pouco diferente da dos concorrentes, mas não deixando de ser um modelo de subscrição. Ao pagar R$ 19,90 por mês, o usuário passa a ter acesso a um título por mês. O preço médio de um audiolivro na própria plataforma é de R$ 33. As concorrentes – a pioneira Ubook, a Tocalivros e a sueca Storytel – dão acesso ilimitado aos seus respectivos catálogos a um valor que varia de R$ 19,90 a R$ 29,90. Quando entrar em vigor essa nova modalidade, o leitor-ouvinte brasileiro terá ainda a opção de comprar seus audiolivros a la carte pela própria Auti Books, pelo Google ou pela Kobo.

PublishNews, Carlo Carrenho, 28/10/2019

No mundo todo, a Suécia se tornou famosa por muitas coisas: IKEA, excelentes almôndegas, carros seguros, ficção policial e, mais recentemente, a inspiradora ativista adolescente Greta Thunberg. Você pode adicionar outra coisa à lista: o mercado de assinaturas de audiolivros. A pioneira empresa sueca Storytel demonstrou uma ambição estilo viking de espalhar pelo mundo suas assinaturas mensais de audiolivros sem restrições. E, por qualquer medida usada, podemos dizer que o modelo conquistou os consumidores. Como a chegada do modelo de assinatura digital afetou as editoras suecas? Em seu último relatório, a Swedish Publishers Association afirmou que o mercado geral de livros cresceu 5,1% em termos de unidades nos primeiros seis meses de 2018, com 24,3 milhões de cópias vendidas individualmente e por assinatura digital. Mas em termos de receita, o mercado diminuiu ligeiramente, cerca de 0,4%, para 1,96 bilhão de coroas suecas (200 milhões de dólares). A conclusão mais óbvia que se pode tirar desses números, é claro, é que as plataformas de assinatura digital estão canibalizando as vendas de livros das editoras. Será que isso é verdade? Clique no Leia Mais e confira a análise de Carlo Carrenho sobre o assunto.

PublishNews, Redação, 28/10/2019

Flávia Bravin, Karina Pansa, Fernanda Gomes, Vitor Garcia e Dante Cid durante a gravação do especial em GenebraComeçou neste domingo (27) a programação profissional da Feira Internacional do Livro de Sharjah, nos Emirados Árabes Unidos (EAU) e o Podcast do PublishNews dessa semana é referente a esse evento, que se firmou como a mais relevante feira do mundo árabe. A entrevistada da semana é Juliana Farias, que esteve edição de 2018 do evento e voltou esse ano representando a Agência Riff. Na conversa que teve com a nossa equipe, a agente literária e editora falou sobre as oportunidades que vê na feira e destacou as diferenças culturais entre nós brasileiros e os árabes. Falou ainda sobre dicas de comportamento para que não cometa nenhuma gafe na feira. O Podcast trouxe ainda uma conversa especial gravada diretamente de Genebra, na Suíça, onde editores brasileiros estiveram participando das conferências sobre direitos de autor da World Intelectual Property Organization (Wipo), órgão ligado às Nações Unidas para tratar das questões de propriedade intelectual. Os editores Flávia Bravim (Saraiva/Somos Educação), Karine Pansa (Girassol Brasil) e Dante Cid (Elsevier) se juntaram com Vitor Tavares e Fernanda Garcia, respectivamente presidente e diretora executiva da Câmara Brasileira do Livro para fazerem juntos um panorama do que foi discutido no evento. Clique no Leia Mais e tenha acesso à íntegra do programa.

PublishNews, Redação, 28/10/2019

Ilustração que compõe o livro 'Aaahhh!', de Gustavo Karsten | reproduçãoQuem manda notícias direto da Eslováquia é Graça Lima. Ela foi do júri da mostra competitiva da Bienal de Ilustração de Bratislava, que deu a placa de ouro ao brasileiro Guilherme Karsten e fez menção honrosa ao trabalho da Editora Positivo em Um livro pra gente morar, de Daniel Cabral. Ao PublishNews, Graça disse: “Entre quase 500 ilustrações, o Brasil esteve em todas as votações, junto com o Irã, com o maior número de ilustradores cotados. O Brasil fez uma grande apresentação. Estou realmente feliz e orgulhosa”. O iraniano Hassan Moosavi levou o Grande Prêmio da Bienal nesse ano. Outra brasileira premiada foi a Companhia das Letrinhas com o livro Apesar de tudo, do escritor e ilustrador colombiano Dipacho. A pré-seleção do prêmio foi feita pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (Fnlij).

PublishNews, Henrique Rodrigues, 28/10/2019

Por esses dias aconteceu a Feira do Livro de Frankfurt, maior evento do mundo na área editorial, conforme acompanhado e muito bem relatado aqui pela equipe do PublishNews, que desbundou solerte pelos salões alemães, detalhando as principais negociações e novidades do universo livresco. Mas nem só de Nilo e Amazonas vive a dimensão dos rios: há inúmeros outros vivendo simultaneamente, além de córregos, riachos e filetes onde várias águas atravessam diferentes vastidões para desembocar num oceano mais próximo. Assim é o mar imenso da leitura. Estive em algumas missões literárias em Portugal por esses dias, o que me permitiu continuar com um pouco mais de profundidade uma investigação que me inquieta há uns anos. Como a literatura brasileira vem sendo divulgada, distribuída e lida em Portugal? Clique no Leia Mais para saber a resposta.

PublishNews, Redação, 28/10/2019

O Prêmio Maraã de Poesia abriu as inscrições para a sua quinta edição. Este ano, o prêmio tem uma novidade: serão premiados dois livros inéditos de poetas brasileiros estreantes. Os vencedores terão como prêmio suas obras publicadas e distribuídas comercialmente pelas Editoras Reformatório e Patuá. As inscrições estão abertas até 30 de novembro e o regulamento completo pode ser lido clicando aqui. O nome do prêmio é uma homenagem à terra natal do idealizador do concurso, o poeta Osório Barbosa, uma pequena cidade escondida no coração da floresta amazônica e é realizado pela Editora Reformatório, com apoio da Academia Paulista de Letras, da Editora Patuá, da Revista Lavoura, da LIS Gráfica Editora e da Negrito Produção Editorial.

PublishNews, Redação, 28/10/2019

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, pretende barrar recursos destinados ao Campus Avaré do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), caso a instituição não mude o nome da recém-inaugurada biblioteca, chamada de Linda Bimbi, em homenagem à educadora italiana, pelo do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, condenado pela Justiça brasileira pela prática de tortura durante a ditadura militar. O portal Biblioo noticiou que a denúncia foi feita pela deputada Luiza Erundina (PSOL-SP) no último dia 22 no plenário da Câmara dos Deputados, sem especificar onde as declarações teriam se dado. Inaugurada no último mês de setembro, a Biblioteca Linda Bimbi foi erguida a partir de recursos de uma emenda parlamentar destinados ao Instituto pela própria Luiza Erundina, juntamente com o deputado Paulo Teixeira (PT-SP). O Painel das Letras anunciou que em novembro, a Biblioteca Nacional irá lançar duas novas Brasilianas, páginas temáticas na internet que reúnem materiais da instituição e de parceiros. A primeira deve ser lançada em novembro e vai disponibilizar um acervo de literatura infantil e juvenil. Já no início de 2020 deverá entrar no ar uma Brasiliana cartográfica, com mapas da biblioteca e de outros órgãos ligados ao governo, caso do Itamaraty e da Marinha. Faleceu no sábado, no Rio, o cientista político Wanderley Guilherme, fundador do Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro (Iuperj) e ex-diretor da Casa Rui Barbosa. Ele estava com 84 anos. E por falar na Casa Rui Barbosa, o deputado Marco Feliciano nomeou sua afilhada, Letícia Dornelles, como presidente da instituição. Autora de novelas do SBT e da Record, Letícia quer ser conhecida como “embaixadora da cultura no Rio”. “Queriam achar uma função pra mim em Brasília. Aí eu falei: ‘Não, deixa eu ficar no Rio’. A fundação foi o que encontramos para eu poder ajudar”, disse ao colunista d’O Globo, Bernardo Mello Franco, na última sexta-feira. A nomeação de Letícia chocou os servidores da fundação, que sempre tiveram chefes de perfil acadêmico. Clique no Leia Mais para ler a íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 28/10/2019

A Editora do Brasil, que publica livros para alunos e educadores com o objetivo de aprimorar a experiência com o material didático, abriu três vagas: uma para editor pleno de matemática, para editor sênior de história e sênior de matemática, todas para atuar em São Paulo. Para a primeira, de Pl. de matemática é necessário ensino superior completo em Matemática, Física ou áreas correlatas e experiência com edição de materiais didáticos. As funções do cargo incluem efetuar a edição do conteúdo dos impressos e digitais, contribuir com as equipes envolvidas no processo de edição e organizar os materiais junto aos autores. Para a vaga de editor de história a editora pede superior completo em História ou em áreas correlatas e para a última, de editor Sr. de matemática, superior também em Matemática, Física ou áreas correlatas. Os interessados devem enviar o currículo para o e-mail: selecao.rh@editoradobrasil.com.br e as informações adicionais estão nos links correspondentes.

“É de extrema importância ressaltar que censurar livros é um ato de mentes autoritárias, dogmáticas, que enxergam o mundo de maneira uniforme.”
Ilan Brenman
Escritor brasileiro
1.
A sutil arte de ligar o foda-se
2.
Mais esperto que o diabo
3.
Prólogo, ato, epílogo
4.
Escravidão
5.
O poder da autorresponsabilidade
6.
O milagre da manhã
7.
Seja foda!
8.
Luccas Neto em "Os aventureiros"
9.
A garota do lago
10.
Do mil ao milhão
 
PublishNews, Redação, 28/10/2019

A Labrador, editora especializada em autopublicação, abriu uma vaga para um profissional de comunicação e marketing. A empresa pede que os candidatos sejam descolados, atento às tendências digitais, tenham bom texto, conhecimentos do pacote Adobe, sejam proativos e comunicativos. O contratado será responsável por identificar e criar relacionamentos com influenciadores on-line. Além disso, junto da equipe de marketing, trabalhará a marca da editora e será responsável pelo relacionamento com a imprensa. Interessados devem enviar currículos para o e-mail marketing@editoralabrador.com.br contando por que você gostaria de trabalhar na Labrador.

PublishNews, Redação, 28/10/2019

Concebida pelo poeta Júlio Barroso, a Gang 90 & Absurdettes foi uma das primeiras bandas de rock criadas no Brasil do início dos anos 1980. Donos de uma atitude incomum para a época, a Gang deu fôlego a uma nova geração de artistas que, depois dos anos de chumbo, queria mesmo é celebrar. Ao contar a história que está por trás da formação da banda e das gravações do primeiro disco, o pesquisador de música e escritor holandês Jorn Konijna apresenta o livro, na forma de uma biografia romanceada, a partir do olhar de Alice, uma jovem de vinte e poucos anos que aterrissou num Brasil em transformação e viveu, ao lado de Júlio, uma montanha-russa criativa e caótica enquanto construíam coletivamente o primeiro disco, Essa tal de Gang 90 & Absurdettes (Cobogó, 224 pp, R$ 40), que dá nome à obra. O lançamento da obra acontece em São Paulo logo mais, às 19h, na Livraria Tapera Taperá (Av. São Luís, 187 - 2º andar, loja 29) e contará com uma conversa com o autor, Jorn Konijn, as absurdettes Alice Pink Pank e May East, e o guitarrista Miguel Barella.

PublishNews, Redação, 28/10/2019

O codinome George O’brien vem escrito no passaporte Britânico, mas George não sabe uma palavra de inglês. Ele lidera Vânia, Fiódor, Heinrich e Erna, especialista em bombas. Com identidades falsas e armas sob as camisas, eles transitam como sombras pelas ruas de Moscou vigiando por semanas cada passo do governador-geral da cidade. Eles são o terror. As relações entre os terroristas, suas questões de foro íntimo, morais e éticas, quanto ao ato de matar, o cotidiano tenso na clandestinidade, os sentimentos que um tem pelo outro, são narrados pelo frio George, que ama Elena, uma mulher casada. Publicado em 1909, O cavalo pálido (Grua, 168 pp, R$ 46 – Trad.: Rubens Figueiredo), narrativa em forma de diário da história de um núcleo terrorista que tem como missão o assassinato do governador-geral de Moscou teve grande impacto. Seu autor, Boris Sávinkov, havia fugido de uma prisão na Rússia e morava em Paris. Frequentava o círculo de amizade de artistas como Picasso, Modigliani, Appolinaire e Cendras, que ficaram fascinados com a exuberância do autor, cujo nome era sinônimo de terrorismo revolucionário.

 
©2001-2019 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Fidalga 471, Conjunto 3 | Vila Madalena | São Paulo | SP | Brasil | 05432-070
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.