Publicidade
Publicidade
Destruição ou doação, eis a questão! Mais sobre o caso da Cosac Naify
PublishNews, Henrique Farinha, 23/09/2016
Henrique Farinha explica as dificuldades em doar o estoque remanescente da editora de Charles Cosac

Não é preciso falar sobre a comoção nas mídias sociais com o caso da possível destruição de livros remanescentes em estoque na Cosac Naify. Aliás, o que não causa comoção nas mídias sociais hoje em dia?!... Uma das ideias que surgiu foi a de doar todos os livros. Afinal, seria uma atitude nobre que, mais do que manter viva a qualidade editorial da Cosac, daria acesso ao conteúdo a muita gente.

Quando essas ideias surgem, ainda mais na internet, a tendência prevalecente é desconsiderar a realidade. No caso, vê-se isso claramente. Em muitos comentários e posts que li, era como se estivesse escrito: “Ah, esses facínoras que trabalham como editores, não veem o desserviço que prestam com uma atitude desprezível como essa!...” E dá-lhe indiciamento no mundo virtual pelo “crime de usura” representado pela atividade empreendedora... “Essa sanha capitalista dos editores, eles não aprendem!”... Falarei mais a respeito dessa imagem distorcida dos editores dentre alguns incautos em futuro artigo. O fato é que qualquer ideia passível de execução no mundo real padece de um problema: seu custo.

Doar livros custa. E como! As editoras recebem quase diariamente pedidos de doação de livros. De presídios, de escolas no interior de Roraima, de fundações das quais nunca ouvimos falar, de pessoas alegando dificuldades financeiras, enfim... Se atenderem a todos os pedidos, terão de rodar tiragens só para as doações! E, na maioria das vezes, nem há como verificar se tais pedidos procedem ou não. Outro aspecto importante é que um contrato de edição que se preze tem limite de cota para doação. Sobre o que ultrapassa a cota incidem direitos autorais, a não ser que o autor autorize expressamente a sua ampliação. Se a editora produz 20 títulos, pode até ser fácil obter as autorizações, mas numa com centenas ou milhares deles não é tão fácil. Suponhamos, todavia, que essa etapa foi superada e os milhares de autores concordaram. Ou que eles mesmos queiram os estoques, como vários da Cosac indicaram. Ou que surja uma infinidade de gente ou entidades implorando para lhes mandarem os livros. Aí aparecem os custos:

  • Armazenagem: muitos dos que pedem doações não querem esse ônus por falta de espaço; dadas as quantidades envolvidas, preferem receber em partes. Claro, quem não gostaria?! Agora, quem vai arcar com isso? E, quando se armazena grandes volumes de um encalhe, é necessário encontrar muita gente disposta a receber doações. Ou alguém imagina enviar 20 mil exemplares de um título para uma biblioteca escolar no interior de Roraima?!... Ou seja, se há livros demais, geralmente há gente de menos interessada e que não os quer nem de graça.
  • Manuseio: o envio exige separação, contagem etc.. Pessoas fazem isso. E quem as paga?
  • Embalagem: o que for enviado tem de ser devidamente embalado. Embalagens custam. E também são pessoas que cuidam do processo. Logo, é preciso custeá-lo.
  • Frete: nem preciso dizer o quanto é caro. Se alguém quiser o livro em Manaus, Belém, São Luís e outras praças, para uma editora sediada no Sul, Sudeste ou Centro-Oeste, nem se fala. E quem paga? Já estou esperando muitos dizerem: “Mas é uma doação! Que absurdo cobrar o frete! Tem de ser de graça, senão não é doação!”... É tão bom fazer festa com o chapéu alheio, não é mesmo?!...

Voltando à Cosac Naify, é óbvio que, para chegar a essa alternativa, tentaram de tudo. Ou alguém em sã consciência acredita que eles se recusaram a vender o estoque para livrarias, distribuidores ou mesmo a saldo, ou então que não quiseram doar para quem ao menos bancasse o frete? “Você quer comprar?! Ah, não vendo, não vendo e não vendo! E você, quer doação e paga o custo de remessa? Que nada, prefiro mandar para aparas!”... É claro que não. Certamente ninguém quis comprar por não haver apelo comercial para os seus respectivos públicos-alvo, e não por falta de qualidade editorial. E, ainda que os saldos se interessem, restam os impostos a pagar – IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica) e CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido). Sem contar a apuração contábil que isso exigirá. É extremamente provável que uma venda a saldo não cubra as despesas, dado o que pagam por exemplar. Seria até recomendável fazê-la como forma de reduzir estoques numa editora em operação e que necessita momentaneamente de complementar o caixa em curto prazo, reduzir estoques e valores de armazenagem, não em uma editora que está fechada e não gera outros recursos.

É claro que, trazendo esse assunto à tona, e sabendo que muitos editores agem assim diariamente, mas não alardeiam, a Cosac imaginava que haveria comoção, especialmente pela aura que criou ao longo do seu tempo de atividade, e, talvez diante da divulgação do fato, quem negou interesse no passado venha a manifestá-lo agora. Faz parte do jogo e não há nada de condenável nisso, muito pelo contrário. É uma estratégia plenamente justificável para tentar salvar o que resta. De todo modo, resumindo a ópera, doar é bem mais complexo do que parece e está muito além da mera ação social. Doar livros é inegavelmente uma atitude nobre, todavia pode deixar um editor em dificuldades ainda mais pobre... Embora, às vezes não pareça, editor também é gente!

Henrique Farinha, economista pela FEA-USP, pós-graduado em administração e marketing pela FGV-SP e mestrado em marketing por concluir na PUC-SP, fez carreira no varejo e entrou no mercado editorial em 1996. Passou por grandes editoras como diretor editorial e diretor-geral. Atualmente, é presidente e publisher da Editora Évora, que publica os selos Évora e Generale. Em sua coluna, Farinha vai tratar de temas de gestão – e, de preferência, polêmicos - ligados ao mercado editorial. Finanças, marketing, aquisições, programas de governo, enfim, tudo aquilo que nos afeta e não há visão consensual, mas uma enorme vontade de analisar, opinar e abrir discussão.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Tags: Cosac Naify
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Henrique Farinha denuncia a redução de créditos e mostra como essas medidas afetam a indústria editorial
Henrique Farinha defende que "a luta política não pode contaminar as pautas profissionais"
Para Henrique Farinha, o modelo de Bienais está esgotado e precisa ser repensado com urgência
Confira a coluna de estreia de Henrique Farinha no PublishNews. Nesse espaço, o editor promete muita polêmica ao tratar de assuntos relacionados à gestão do mercado editorial.
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Podcast do PublishNews recebe a narradora Priscila Scholz e Clayton Heringer, produtor artístico da Tocalivros
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Anja Riedeberger, do Instituto Goethe, e Vicent Zonca, do Escritório do Livro da Embaixada da França no Brasil, falam dos respectivos programas de apoio à tradução e à publicação
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Felipe Poletti, diretor editorial da Editora do Brasil, e Natália Vieira, da consultoria Radar de Licitações, falam sobre a importância das compras governamentais para as editoras e como as pequenas e médias editoras podem acessar os editais
É preciso cultivar, brincar e se envolver com a palavra.
Luci Collin
Escritora brasileira
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar