Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 16/11/2021
Há mais de 50 anos servindo a cultura e educação, é uma das maiores distribuidoras de livros para o ensino de idiomas, técnicos e científicos.
A Catavento atua no mercado de distribuição de livros para todo o país.
A Transpo Express é uma transportadora que já atua há 10 anos focada completamente no segmento editorial
PublishNews, Talita Facchini, 16/11/2021

O Prêmio Jabuti divulgou nesta terça-feira (16), a segunda lista de finalistas da sua 63ª edição. Dessa vez, apenas cinco obras continuam na disputa em cada uma das 20 categorias. Em Romance Literário, são finalistas: Fé no inferno, de Santiago Nazarian; O avesso da pele, de Jeferson Tenório e Solução de dois estados, de Michel Laub, publicados pela Companhia das Letras; Os supridores (Todavia), de José Falero e Nem sinal de asas (Patuá), de Marcela Dantés. Romance de Entretenimento conta com as obras Corpos secos (Alfaguara), de Luisa Geisler, Marcelo Ferroni, Natalia Borges Polesso e Samir Machado de Machado; DVD: devoção verdadeira a D. (DarkSide), de Cesar Bravo; Senciente nível 5 (Avec), de Carol Chiovatto; Tortura branca (Coerência), de Victor Bonini, e Velhos demais para morrer (Malê), de Vinícius Neves Mariano. Em Conto, destaque para a editora Faria e Silva que aparece com duas obras: Mapas para desaparecer, de Nara Vidal, e Utensílios-para-a-dor: histórias-com-hífens, de João Anzanello Carrascoza. Completam a lista Cada um a seu modo (Jabuticaba), de Marcelo Freddi Lotufo; Flor de gume (Polén Livros), de Monique Malcher, e O senhor índice de Rouen (Giostri), de Marlise Corradi e Rodrigo Hees. Esse ano, o Jabuti recebeu 3.422 inscrições, um aumento de 31% com relação a última edição. Os vencedores das 20 categorias e o ganhador do Livro do Ano serão revelados durante a cerimônia de premiação online que será conduzida pelo ator Dan Stulbach e marcada para acontecer no dia 25 de novembro, às 19h, no canal da CBL no YouTube. Clique no Leia Mais para conferir a íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 16/11/2021

As vitrines decoradas, as luzes de Natal e os panetones já estão em todos os lugares mostrando que uma das épocas mais movimentadas do ano para o comercio está chegando. Depois de um período difícil durante a pandemia, as livrarias estão voltando com os eventos presenciais, lançamentos de livros e, claro, se preparando para o fim de ano. O último Painel Nielsen mostrou uma completa recuperação do setor varejista do livro, com o faturamento 26,4% em relação ao ano passado. Esses números dão um gás para as livrarias que apostam no final de ano para voltarem a ganhar espaço. Para saber mais sobre essa história, no episódio do Podcast do PublishNews dessa semana, conversamos com a Evie Milani, gestora comercial da Martins Fontes da Avenida Paulista, em São Paulo, e com José Diego, analista de produtos da Livraria Jaqueira, no Recife. No bate-papo, quisemos saber quais são os planos para esse fim de ano, as estratégias que têm em mente para retomar as atividades das livrarias e a volta dos eventos presenciais. No centro comercial de São Paulo, bem na Avenida Paulista, Evie contou que a Martins Fontes já tem a agenda de eventos fechada até o final do ano. "A gente percebe que os eventos também vêm trazendo público para a loja e que aos poucos a vida normal vai voltando com o avanço da vacinação. Tudo isso vai ajudando a gente ter um maior movimento e estamos bem esperançosos agora pro Natal e pra 2022". Os dois contaram ainda como foi enfrentar o período da pandemia, como tem sido essa volta gradual à normalidade e sobre como lidar com a concorrência on-line. No meio do bate-papo ainda esbarramos em temas como a importância da profissão livreiro. Clique no Leia Mais para ouvir o programa e ter acesso à íntegra desta nota.

PublishNews, Leonardo Neto, 16/11/2021

Spotify compra Findaway para expandir seu negócio de audiolivros e Storytel entra nos EUA ao comprar a Audiobooks.com | © Feira do Livro de Leipzig Na última semana, duas notícias fizeram verdadeiros abalos sísmicos no mercado global de audiolivros. A primeira notícia é que o Spotify comprou a distribuidora Findaway para expandir os seus negócios de audiolivros. A segunda é que a Storytel entrou nos EUA ao comparar a Audiobooks.com. Fundada em 2004, a Findaway conecta criadores de conteúdos a revendedores como a Apple, Google, Scribd, Audible, Kobo, Storytel. E vai além. Nos últimos anos, lançou subprodutos que criam um verdadeiro ecossistema do audiolivro. Entre eles, estão o Findaway Voices, que conecta autores com narradores profissionais; o Audioworks, que auxilia editoras na construção de catálogos de audiolivros; a Playaway, que leva os conteúdos em áudios para as escolas; o Orange Sky Audio, que oferece uma interface para o leitor-ouvinte, e a AudioEngine, que oferece ferramentas e tecnologia que permitem aos desenvolvedores integrar um amplo catálogo de audiolivros em suas próprias plataformas. As partes não divulgaram o valor da transação, mas o Spotify leva, além de todas essas ferramentas, uma equipe de cerca de 150 funcionários. Com isso, a gigante do entretenimento em áudio espera alcançar 381 milhões de usuários ativos mensais ouvindo audiolivros. O segundo movimento importante foi a chegada da Storytel no gigantesco mercado dos EUA. A entrada se dará pela compra da Audiobooks.com, uma das principais plataformas de audiolivros no país. Dona de um catálogo de 300 mil títulos, a Audiobooks.com foi lançada em 2011 e já ultrapassou as fronteiras dos EUA, alcançando outros mercados como o Reino Unido e a Austrália. Clique no Leia Mais e confira a íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 16/11/2021

No feriado, capa do Caderno 2 do Estadão foi dedicada às novas livrarias de São Paulo. Nos últimos meses, a capital paulista ganhou as livrarias Miúda, Ponta de Lança, Livraria do Brooklin e Ria Livraria. E por falar na Ria, a livraria de Marcos Benuthe foi notícia também no Guia da Folha. A coluna da Babel ressaltou a chegada da Maralto ao mercado editorial. A nova editora não parte do zero e sim com 150 títulos no catálogo e 1,5 milhão de exemplares. Isso porque ela nasce da venda da Positivo ao grupo Arco Educação. Entre seus autores estão Luiz Ruffato, Adriana Lisboa, Luiz Henrique Pellanda, Mariana Ianelli, Odilon Moraes, Ruy Espinheira Filho, Marilda Castanha, Carlos Dala Stella, Jacques Fux, João Anzanello Carrascoza, Nelson Cruz e Raquel Matsushita. Para 2023, o plano é ampliar a publicação de obras de autores africanos, latino-americanos e europeus, sem perder de vista os brasileiros. Torto arado (Todavia), livro de Itamar Vieira Jr., vai sair na Coreia do Sul e na China, anunciou a coluna Painel das Letras. Com isso, a história sobre as irmãs Belonísia e Bibiana já conta 15 edições fora do Brasil. Ao anunciar a sua programação, a Bienal Internacional do Livro Rio divulgou a participação de Valter Hugo Mãe. O escritor português, no entanto, usou suas redes sociais para avisar que não virá ao Brasil. A’O Globo, organização do evento lamentou “mal-entendido”. Clique no Leia Mais e confira outros destaques da literatura nos jornais do feriadão.

PublishNews, Redação, 16/11/2021

Biblioteca Nacional | © Ministério da Cultura / André Melo A Fundação Biblioteca Nacional divulgou na última sexta (12), os vencedores de 2021 do seu Prêmio Literário. Na categoria Romance – Prêmio Machado de Assis, o primeiro colocado foi Três porcos (Caiaponte), de Marcelo Labes – obra vencedora do Prêmio São Paulo de Literatura 2020. Em segundo lugar ficou a obra Fé no inferno (Companhia das Letras), de Santiago Nazarian e em terceiro, Depois de tudo tem uma vírgula (Patuá), de Elizabeth Cardoso. Na categoria Conto – Prêmio Clarice Lispector, os vencedores foram Tramas de meninos (Companhia das Letras), de João Anzanello Carrascoza; A ordem interior do mundo (7 Letras), de Franklin Carvalho; e Suíte carioca e outros contos esquisitos (Graphia), de Álvaro Marins de Almeida. Em Poesia – Prêmio Alphonsus Guimaraens o vencedor foi Rodrigo Luiz P. Vianna com a obra Textos para lembrar de ir à praia (Reformatório) e em Ensaio Literário – Prêmio Mário de Andrade, o escolhido foi Maurício Arruda Mendonça, autor de Kafka e Schopenhauer: zonas de vizinhança (Eduel). O primeiro lugar de cada categoria recebe R$ 30 mil e os segundos e terceiros lugares, um diploma. Confira a lista completa dos vencedores clicando aqui.

PublishNews, Redação, 16/11/2021

O Prêmio São Paulo de Literatura, o maior do País em premiação individual para o gênero, anunciou no sábado (13), os 21 finalistas da sua 14ª edição. Realizado pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, o prêmio contempla um autor pela categoria Melhor Romance do Ano de 2020 e outro como Melhor Romance de Estreia do Ano de 2020 e cada um recebe R$ 200 mil. Nesta edição, o prêmio recebeu 281 inscrições – um recorde comparado ao ano anterior e apresentou também 21 finalistas devido a um empate técnico pelo corpo de jurados na categoria Melhor Romance de estreia. Desses 21, 11 são mulheres. Em Melhor Romance do Ano de 2020 estão entre os finalistas cinco obras que estiveram na primeira lista do Prêmio Jabuti na categoria Romance Literário: O avesso da Pele, de Jeferson Tenório; Solução de dois estados, de Michel Laub e O que ela sussurra, de Noemi Jaffe, publicados pela Companhia das Letras; Suíte Tóquio (Todavia), de Giovana Madalosso e Maria Altamira (Instante), de Maria José Silveira. Além deles, a editora Nós também aparece com duas obras finalistas, Front, de Edimilson de Almeida Pereira e Meu corpo ainda quente, de Sheyla Smanioto. A categoria Melhor Romance de Estreia do Ano de 2020, que esse ano conta com 11 finalistas, traz dez editoras diferentes. Somente a Patuá concorre com duas obras: Ao pó, de Morgana Kretzmann e Nem sinal de asas, de Marcela Dantés – obra também finalista do Prêmio Jabuti. Os vencedores estão previstos para serem revelados em dezembro deste ano. Clique no Leia Mais para conferir a lista completa dos finalistas.

PublishNews, Redação, 16/11/2021

A Todavia abriu uma vaga de estágio para o seu departamento de direitos autorais. Segundo a editora, é imprescindível demonstrar interesse pelos livros e seu negócio; escrever e falar português e inglês com correção, desenvoltura e segurança; ter organização e foco nos prazos; saber atuar em várias atividades ao mesmo tempo e gostar de trabalhar em equipe; e ainda manejar os programas Word e Excel. O contratado será responsável pela circulação das informações de sua área entre os demais departamentos; pela leitura, pesquisa e triagem de materiais; organização de documentos e alimentação de banco de dados da editora; preparação e envio de documentos e exemplares justificativos; organização de documentos e dossiês para pedidos de apoio à tradução e publicação; e preparação de dossiês de imprensa. Os interessados devem enviar currículos para o e-mail contato@todavialivros.com.br, com o assunto: Estágio direitos autorais.

PublishNews, Redação, 16/11/2021

No livro Eu falo como um rio (Pequena Zahar, 40 pp, R$ 54,90 – Trad.: Julia Bussius), uma prosa poética inspirada em uma história real, os autores canadenses Jordan Scott e Sydney Smith narram um sentimento, o de sentir-se desencaixado, inadequado e incapaz. O livro mostra também o que acontece quando transformamos esse sentimento em algo que pode nos mover adiante, ressignificando nossa autopercepção. O menino que narra a história sente como se tivesse pedras na boca, e não conseguisse falar ou ser compreendido por conta disso. Mas, com o tempo, ele descobre que pode ser como um rio: livre, brilhante e em constante movimento. Assim, o poeta Jordan Scott revela, de forma lírica, a história de um menino com dificuldades na fala e um pai capaz de reconectá-lo com o mundo ao seu redor, ajudando-o a encontrar sua voz.

“Eu só escrevo porque não consigo deixar de escrever. É mais forte do que eu.”
Clarice Lispector
Autora ucraniana radicada brasileira em entrevista recentemente encontrada pela biógrafa Teresa Montero
1.
Sucesso é o resultado de times apaixonados
2.
Mindset milionário
3.
Mais esperto que o diabo
4.
Os sete maridos de Evelyn Hugo
5.
Amor & gelato
6.
DNA da cocriação
7.
Do mil ao milhão
8.
Vermelho, branco e sangue azul
9.
O poder da autorresponsabilidade
10.
Demon Slayer: Kimetsu No Yaiba - 1
 
PublishNews, Redação, 16/11/2021

O livro dos heróis para crianças (Nova Fronteira, 98 pp, R$ 59,90 - Trad.: Fernanda Costa e Silva e Valeska de Aguirre) é uma celebração de proezas admiráveis criadas para encantar e inspirar os pequenos leitores. Entre contos, fábulas e poemas, o escritor norte-americano William J. Bennett traz uma seleção de 18 narrativas sobre personagens reais e fictícios que, com pequenos gestos de compaixão, perseverança, responsabilidade, honestidade, lealdade e fé, se tornaram figuras heroicas. Ilustradas pelo artista Michael Hague, também parceiro de Bennett no best-seller O livro das virtudes para crianças, as mensagens reunidas na obra pretendem ajudar os leitores a continuarem fiéis aos seus propósitos e a seguir no caminho do bem.

PublishNews, Redação, 12/11/2021

O sapo iluminado (Aletria, 32 pp, R$ 45), escrito por Tânia Cristina Dias e ilustrado por Carol Fernandes, traz uma narrativa que convida os leitores a encarar a vida de outra forma. Reservado, o sapo protagonista da história vive com seus semelhantes, habita a lagoa, mas parece ser muito tímido e acanhado para viver como ele realmente é. Até que um dia ele começa a olhar de outra maneira para si mesmo e a partir daí passa a acreditar nas suas próprias potencialidades. Tânia conta que as experiências vividas pelo personagem podem gerar identificação entre crianças e adultos. “Quem nunca se sentiu inseguro para lidar com diversas situações? Mas quando se dão conta do que são capazes, tudo é possível de se transformar”, explica a autora.

PublishNews, Redação, 12/11/2021

Lidar com o peso que a idade traz não é fácil, tanto física quanto psicologicamente. E as crianças, em especial, pouco ou nada entendem as questões que envolvem a velhice, embora muitas convivam, rotineiramente, com os avós. Foi com o intuito de ajudar os pequenos a lidar com isso que a roteirista e escritora Mariana Mesquita criou A Ilha de Malabares (Melhoramentos, 56 pp, R$ 54,90). Nela vive a pequena Valentina Valente, que tem de lidar com o esquecimento do seu avô, o Sr. Luis Valente Veríssimo. Sempre cheio de histórias e brincadeiras, de repente começam a faltar as palavras ao Sr. Luis. Preocupada, a neta pede ajuda ao amigo recém-adquirido, o Ugo Com Agá Fujão, para encontrar o buraco das palavras fugitivas. Com uma linguagem divertida e ilustrações feitas por Bruna Assis Brasil, a publicação entra em assunto pouco abordado na literatura infantil, que é a perda de memória por idosos, ocasionada, em muitos casos, por doenças como o Alzheimer. É uma história de aventura, amor e respeito aos idosos.

 
©2001-2021 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Henrique Schaumann, 1108 A, CEP 05413-011 Pinheiros, São Paulo -SP
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.