Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 03/02/2020
A Futura Editoração é especializada em Diagramação e design editorial
Projeto gráfico e diagramação de livros, revistas e boletins
Capitu Já Leu é uma empresa que oferece serviços de revisão e preparação textual para obras literárias e acadêmicas.
PublishNews, Redação, 03/02/2020

Em 2017, a pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro, realizada pela Fipe, apontou que um terço das editoras brasileiras não investiam, naquela época, em livros digitais e que o faturamento apurado com a venda de e-books não passava de R$ 45 milhões, o que representava na época 1,09% do tamanho total do mercado. Os resultados vieram acompanhados de muita polêmica. Isso porque estimativas mais conservadoras do mercado falavam em um percentual pelo menos três vezes maior do que o apontado pelo censo. De 2017 para cá muita coisa mudou. Despontaram os audiolivros, por exemplo, e editoras começaram a dar mais atenção ao digital. A dicotomia livro físico versus livro digital ficou no passado e os dois formatos coexistem em paz e harmonia. Para falar mais sobre as vendas dos livros digitais para indústria editorial brasileira, o Podcast do PublishNews chamou Marcelo Gioia, country manager da Bookwire, agregadora digital alemã. Na conversa dessa semana, Gioia falou novas visões sobre os livros digitais e audiolivros, sobre as mudanças nos hábitos de consumo dos leitores, a importância dos metadados e sobre o papel da Bookwire no processo de produção de um e-book. “Ajudamos a editora no processo todo de serviço, vem ajudando desde a conversão, do que se entende de pdf pra ePUB”, explicou, adiantando que "o digital vai muito bem". Clique no Leia Mais para ouvir o programa.

PublishNews, Leonardo Neto, 03/02/2020

Traço de Eloar Guazzelli em 'Porto Alegre', um dos primeiros títulos da Faria e SilvaDepois que deixou a direção da Editora Sesi SP em janeiro do ano passado, Rodrigo Faria e Silva pisou no freio e botou a cabeça para pensar e, depois de um ano de planejamento, colocou na rua a sua própria editora, a Faria e Silva. A nova editora nasce com uma proposta pouco usual no mercado nacional: cada colaborador envolvido na produção do livro será remunerado com um percentual sobre o preço de capa. A ideia é que a prática já adotada nas relações com autores e ilustradores se estenda para diagramadores, revisores, artistas gráficos etc. Para Rodrigo, essa modalidade atende a um critério de justiça. “É mais do que justo se pensarmos que uma boa revisão, uma boa diagramação e, principalmente, um projeto gráfico bonito e eficiente são fatores fundamentais para o sucesso de um livro”, disse. Um dos primeiros títulos a serem publicados pela Faria e Silva é a graphic novel Porto Alegre, de Eloar Guazzelli que será publicado em dois volumes a partir de março. Outro título que está no prelo da nova editora é o Mundos de uma noite só, de Renata Belmonte, que ganhará projeto gráfico de Raquel Matsushita. O livro tem lançamento programado para o dia 12 de março, na Livraria da Travessa de São Paulo (Rua dos Pinheiros, 513). Clique no Leia Mais e confira mais detalhes sobre a Faria e Silva.

PublishNews, Redação, 03/02/2020

A coluna Babel, no Estadão, destacou a decisão da Editora Unesp de começar a publicar clássicos literários. Os dez primeiros títulos são: Histórias extraordinárias, de Edgar Alan Poe; O falecido Mattia Pascal, de Luigi Pirandello; Contos de Guy de Maupassant; Eugênia Grandet, de Honoré de Balzac; Oliver Twist, de Charles Dickens; Quincas Borba, de Machado de Assis; Macunaíma, de Mário de Andrade; Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto; Urupês, de Monteiro Lobato, e A relíquia, de Eça de Queirós. Ainda falando das editoras universitárias, a coluna noticiou que a Humanitas está encerrando as atividades. A editora ligada à Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP publicava a produção intelectual dos professores e alunos. O blog Estante de Letrinhas, também do Estadão, destacou também os melhores livros infantis e juvenis de 2019, segundo o Selo Cátedra 10, da Unesco. Na seleção feita anualmente pelo Instituto Interdisciplinar de Leitura da Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC-Rio) estão A orelha vai à escola todos os dias (Editora do Brasil), de Rogério Andrade Barbosa e ilustrações de Marcelo Pimentel; Balada da estrela e outros poemas (Olho de Vidro), de Gabriela Mistral traduzido por Leo Cunha e ilustrado por Leonor Pérez; Da minha janela (Companhia das Letrinhas), de Otávio Cesar Jr., com ilustrações de Vanina Starkoff, e O muro no meio do livro (Pequena Zahar), de Jon Agee traduzido por Juliana Freire. Já na coluna Painel das Letras, na Folha, o destaque foi a portaria do Ministério da Educação (MEC) que pode prejudicar eventos literários. Clique no Leia Mais para ter acesso à íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 03/02/2020

A Amazon e a Nova Fronteira anunciam nesta segunda-feira (03) os finalistas da 4ª edição do Prêmio Kindle de Literatura, escolhidos entre mais de 1.800 obras inscritas via KDP, ferramenta de autopublicação da Amazon. Os finalistas são: Dias vazios, de Barbara Nonato; Gigante pela própria natureza, obra escrita por Nelson de Oliveira; Larissa Start, por Rafael Caputo; Para você nunca se esquecer de mim, por Eugênia Zerbini; e A segunda identidade, por Fernando Perdigão. Para mais informações sobre os títulos escolhidos é só clicar aqui. O vencedor será escolhido por júri especial composto por Conceição Evaristo, escritora homenageada no Prêmio Jabuti 2019, e por Marco Lucchesi, poeta premiado pelo Prêmio Alceu Amoroso Lima e professor da UFRJ. Nesta edição, todas as obras finalistas também serão avaliadas pelo Amazon Prime Video, juntamente com finalistas de todos os prêmios promovidos por KDP em diversos países, e uma obra será selecionada para um contrato de opção de adaptação audiovisual, com pagamento antecipado de US$ 10 mil. Além disso, o vencedor terá sua obra publicada em versão impressa pela Editora Nova Fronteira e receberá um prêmio de R$ 30 mil. O anúncio acontecerá em cerimônia no dia 18 de fevereiro.

PublishNews, Lorenzo Herrero, 03/02/2020

‘American dirt’, de Jeanine Cummins,tem causado muita polêmica nos EUA ao retratar uma livreira mexicana que foge para os EUA depois que a sua família foi dizimada por traficantes. Turnê de divulgação do livro foi cancelada.O romance American dirt (Flartiron Books), escrito por Jeanine Cummins, foi anunciado como “um novo clássico americano”. E, sim, o objetivo da campanha de marketing foi alcançado: estão falando muito da obra, mas não pela sua qualidade. O romance aplaudido por Stephen King e Don Winslow abriu um interessante debate sobre a marginalização dos escritores hispânicos por parte da indústria editorial norte-americana. Mais de 120 escritores – entre os quais se destacam Daniel Olivas, Myriam Gurba e a premiada mexicana Valeria Luiselli – assinaram uma carta aberta a Oprah Winfrey para que reconsidere a sua decisão de recomendar American dirt para seu clube de leitura. O livro narra a história de uma livreira mexicana que se muda para os EUA, acompanhada de seu filho, depois que a sua família inteira foi assassinada por traficantes de drogas. O mexicanista e professor de estudos latino-americanos da Universidade Washington, de Saint Louis, no Missouri, declarou à France Press que “este é um livro que simplifica o México, que utiliza mal o espanhol, é um livro no qual a protagonista, que é mexicana, faz coisas que não fazem sentido para um mexicano”. Clique no Leia Mais e confira a íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 03/02/2020

A Arole Cultural, editora de Diego de Oxóssi, um dos ganhadores do Prêmio Jovens Talentos de 2019, acaba de vender os direitos de cinco de seus títulos para editoras dos EUA, que distribuem também para a Inglaterra e Austrália. Dos cinco, quatro são de autoria do próprio editor: Desvendando Exu: o guardião dos caminhos, que sairá pela Inner Traditions ainda esse ano; O poder das folhas, A magia das folhas e O segredo das folhas, que serão reunidos em um único volume a ser publicado pela Llewellyn Worldwide em 2021. O quinto livro é o infantil Conhecendo os orixás, de Waldete Tristão e Caco Bressane, que sairá também pela Llewellyn Worldwide. "Tanto como editor quanto como sacerdote dos Orixás, tem sido uma satisfação enorme perceber o quanto os leitores do exterior têm interesse pela literatura e pela cultura afro-brasileira. Se antes havia uma lacuna na produção desses conteúdos em língua inglesa, agora a expectativa é expandir e amplificar as vozes dessa cultura”, declarou o editor e babalorixá.

PublishNews, Redação, 03/02/2020

Dois jovens que mal se conhecem passam a trocar mensagens de texto para contornar a solidão e ter apoio em situações em que a ansiedade se apresenta como inimiga. A história de Penny e Sam é contada por Mary H. K. Choi em seu primeiro romance, Contato de emergência (Intrínseca, 336 pp, R$ 39,90 - Trad.: Ana Rodrigues). Longe da mãe expansiva e do namorado sem graça, Penny finalmente tem a oportunidade de se dedicar ao sonho de ser escritora. Aos 18 anos, ela acabou de sair de casa rumo à universidade. Só não contava que essa nova etapa da vida traria também um grande obstáculo: pessoas, o maior pesadelo de qualquer introvertido. Sam, por sua vez, está perdido na vida em todos os níveis. Aos 21 anos, os poucos dólares na conta, a família desestruturada e a ex-namorada complicada não o ajudam a se manter são. Eles se reencontram em uma situação inesperada — uma crise de ansiedade no meio da rua —, e então passam a trocar mensagens de texto. O que começa como um simples contato de emergência salvo no celular se torna a conexão mais importante de suas vidas. Aos poucos, esses jovens introvertidos e problemáticos se tornam dois amigos dividindo angústias, sonhos, piadas e inspirações.

PublishNews, Redação, 03/02/2020

No mês de junho, quando a constelação de Gêmeos despontava no céu do hemisfério Norte, nasceram Mara e Owen. Uma irmã e um irmão unidos pelos astros. Quando a noite caía, os dois subiam no telhado de casa para observar as estrelas e compartilhar histórias. Eles estavam lá um para o outro e nada poderia separá-los. Um dia, porém, Owen é chamado à diretoria do colégio. A namorada do garoto, Hannah, o acusara de estupro. E, como amiga e fundadora do Empodera – um coletivo feminista –, Mara sabe que tem o dever de apoiar a garota. No entanto, como fazê-lo quando o agressor é seu irmão gêmeo? Dividida entre sua família e o próprio senso sobre certo e errado, Mara também precisa aprender a conviver com Charlie – sua melhor amiga e ex-namorada. E como se tudo isso não bastasse, um trauma do passado volta para atormentar ainda mais seus pensamentos. Menina feita de estrelas (Plataforma 21, 328 pp, R$ 49,90 – Trad.: Lavinia Favero), obra de Ashley Herring Blake, é um romance sobre dizer a verdade e que aborda temas como trauma, relacionamentos, sexualidade e identidade.

“Você não coloca a sua vida dentro dos seus livros. Você a encontra lá.”
Alan Bennett
Dramaturgo inglês
1.
A sutil arte de ligar o foda-se
2.
Mais esperto que o diabo
3.
O milagre da manhã
4.
Escravidão
5.
A garota do lago
6.
Do mil ao milhão
7.
Mindset
8.
Essa gente
9.
Como fazer amigos e influenciar pessoas
10.
21 lições para o século 21
 
PublishNews, Redação, 03/02/2020

Romance de estreia de Casey McQuiston, Vermelho, branco e sangue azul (Seguinte, 392 pp, R$ 49,90 – Trad.: Guilherme Miranda) conta a história de Alex e Henry. Quando sua mãe foi eleita presidenta dos EUA, Alex Claremont-Diaz se tornou o novo queridinho da mídia norte-americana. Bonito, carismático e com personalidade forte, Alex tem tudo para seguir os passos de seus pais e conquistar uma carreira na política, como tanto deseja. Mas quando sua família é convidada para o casamento real do príncipe britânico Philip, Alex tem que encarar o seu primeiro desafio diplomático: lidar com Henry, irmão mais novo de Philip, o príncipe mais adorado do mundo, com quem ele é constantemente comparado — e que ele não suporta. O encontro entre os dois sai pior do que o esperado, e no dia seguinte todos os jornais do mundo estampam fotos de Alex e Henry caídos em cima do bolo real, insinuando uma briga séria entre os dois. Para evitar um desastre diplomático, eles passam um fim de semana fingindo ser melhores amigos e não demora para que essa relação evolua para algo que nenhum dos dois poderia imaginar.

PublishNews, Redação, 03/02/2020

Tudo o que Magnus Bane queria era aproveitar suas férias pela Europa com Alec Lightwood, o Caçador de Sombras que, contra todas as probabilidades, finalmente é seu namorado. Mas assim que os dois se instalam em Paris, uma velha amiga chega com notícias sobre um culto de adoração a demônios chamado A Mão Escarlate, que está empenhado em causar o caos em todo o mundo – um culto que, aparentemente, foi fundado pelo próprio Magnus, anos atrás. Agora, Magnus e Alec vão percorrer o continente europeu para rastrear A Mão Escarlate e seu novo e ilusório líder antes que o culto cause ainda mais danos. Como se não fosse suficientemente ruim que suas férias românticas tivessem sido desviadas do trajeto original, os demônios agora estão perseguindo todos os seus passos, e está se tornando cada vez mais difícil distinguir amigos de inimigos. Os pergaminhos vermelhos da magia (Galera, 302 pp, R$ 44,90 - Trad.: Ana Resende) é o primeiro livro da série As maldições ancestrais, escrita por Cassandra Claire e Wesley Chu.

 
©2001-2020 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Fidalga 471, Conjunto 3 | Vila Madalena | São Paulo | SP | Brasil | 05432-070
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.