Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 02/06/2021
A Transpo Express é uma transportadora que já atua há 10 anos focada completamente no segmento editorial
A Catavento atua no mercado de distribuição de livros para todo o país.
Um agregador digital como a Bookwire, com tecnologia de ponta, informações ágeis e um painel de controle completo é fundamental para o sucesso de sua editora e de seus e-books. E agora toda esta tecnologia está disponível no Brasil.
PublishNews, Redação, 02/06/2021

Entidades enviaram carta ao ministro da Educação alertando que problemas no edital não foram solucionados e não há mais tempo hábil para o cumprimento total do que é pedido | © Ascom / FNDENa última sexta-feira (28), as associações brasileiras dos Autores de Livros Educativos (Abrale) e de Editores e Produtores de Conteúdo e Tecnologia Educacional (Abrelivros) enviaram carta ao ministro da Educação, Milton Ribeiro, registrando as suas preocupações com os caminhos do PNLD 2023. No documento, as entidades dizem que o programa “está comprometido” por haver “contradições e lacunas que impedem a efetiva e completa elaboração dos materiais”. As agremiações dizem na carta que já alertaram tanto o MEC quanto o FNDE sobre essas questões, mas, até agora, faltando apenas dois meses para a inscrição dos materiais, não houve qualquer definição ou esclarecimentos em relação a essas questões. “A situação está dada. Diante dela é imperioso reconhecer que o objeto 1 do PNLD 2023, nos termos e condições do edital, está comprometido. Por mais que as contradições e lacunas sejam sanadas hoje, não há mais tempo hábil, para que sejam incorporadas nos materiais dentro do prazo proposto”, diz o documento. O objeto 1 do edital é referente às obras didáticas destinadas aos estudantes e professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) e abrange: livro do estudante impresso, livro do estudante digital, livro de práticas e acompanhamento de aprendizagem, manual do professor impresso, manual do professor digital, manual de práticas e acompanhamento da aprendizagem digital, e recursos educacionais digitais das obras didáticas. Isso tudo em cinco áreas: Língua Portuguesa, Arte e Educação Física, Matemática, Ciências da Natureza e Ciências Humanas. As entidades destacam que o problema extrapola a simples concessão de prazo adicional para a inscrição. “Seriam necessários meses para viabilizar a entrega, tempo esse que comprometeria a execução das demais fases do programa e a própria entrega dos materiais didáticos aos alunos antes do início do ano letivo de 2023”, diz a carta. A Abrale e a Abrelivros propõem como solução a “efetiva diminuição de escopo do objeto 1”, com a priorização das entregas dos tradicionais livros dos estudantes e seus respectivos manuais do professor, deixando os livros e manuais de práticas e acompanhamento de aprendizagem e os recursos educacionais digitais para compor um novo objeto, cuja entrega ocorra apenas em março de 2022. Clique no Leia Mais e confira a íntegra desta nota.

PublishNews, Leonardo Neto, 02/06/2021

Para a edição de 2021, o Bolognaragazzi Award, prêmio que busca os melhores livros infantis ilustrados ao redor do mundo, recebeu 1.577 inscrições de 41 países, divididas em oito categorias: Ficção, Não Ficção, Primeiro Trabalho, Novos Horizontes, Quadrinhos (pequenos leitores, nível médio e jovens leitores) e Poesia, categoria eleita como especial em 2021. Os vencedores foram anunciados nesta terça-feira (1º). A edição de 2021 se dedicou especialmente à Poesia. O livro Cajita de fósforos – Antología de poemas sin rima (Ekaré – Venezuela), organizado por Adolfo Córdova e ilustrado por Juan Palomino, foi o grande vencedor da categoria. O júri classificou o livro como “uma antologia de alta qualidade, repleta de espantosas poesias ibero-americanas feitas em versos livres”. O volume reúne escritos de nomes como Jorge Luis Borges, Gabriela Mistral, María José Ferrada, Jorge Luján e María Teresa Andruetto, que é autora, ao lado da ilustradora María Elena Valdez, de Niños (Alboroto – México), que recebeu menção honrosa na categoria. Importante lembrar que este é o único livro entre ganhadores e menções honrosas a ter edição no Brasil. Por aqui, o livro foi traduzido por Carla Branco e publicado pela Pallas, que, aliás, concorre como Editora do Ano em Bolonha. A categoria destacou outras três menções honrosas: Love Letter (Locus – Taiwan), de Animo Chen; The girl who became a tree (Otte-Barry Books – UK), de Joseph Coelho e ilustrações de Kate Milner, e Tiger, tiger, Burning Bright (Nosy Crow – UK), de Fiona Waters e Britta Teckentrup, receberam menções honrosas na categoria. Clique no Leia Mais e confira os outros ganhadores.

PublishNews, Leonardo Neto, 02/06/2021

A Feira do Livro de Londres e a UK Publishers Association anunciaram, nesta terça-feira (1º), os vencedores do International Excellence Awards, prêmio que dá reconhecimento a iniciativas internacionais que levam em conta a criatividade e a inovação. Nesse ano, ele foi dividido em sete categorias e há vencedores de quatro continentes. Da África, a Autoridade de Bibliotecas de Gana foi a vencedora na categoria Biblioteca do Ano. O júri destacou: “uma história incrível de transformação e um exemplo de como os serviços de uma biblioteca podem resolver alguns dos problemas sociais mais urgentes que seus usuários enfrentam”. Ainda no continente, a editora Trinta Zero Nove, de Moçambique, levou o prêmio na categoria Iniciativa de Tradução Literária. Os juízes destacaram como “imaginativo, dinâmico e visionário” o programa da editora. Da Europa, a livraria romena Cărturești levou o prêmio de Livraria do Ano, sendo elogiada pelos jurados por seu trabalho durante a pandemia. “A oferta e atividade on-line da Cărturești e o seu programa de subsídio a autores locais demonstraram senso de responsabilidade comunitária”. Nora Mercurio, da alemã Suhrkamp, foi eleita Profissional de Direitos do Ano. Clique no Leia Mais e confira os outros ganhadores.

PublishNews+, Redação, 02/06/2021

O Radar de Licitações, seção fixa do PublishNews+, apresenta essa semana mais dois editais. O primeiro deles, é para a compra de livros didáticos voltados para a educação infantil. Serão 6.770 exemplares, totalizando quase R$ 3 milhões. A disputa acontece no dia 09 de junho. Já o segundo é para a aquisição de 104 títulos e 596 exemplares com o objetivo de atender as bibliografias básicas e complementares de projetos pedagógicos. O pregão está marcado para o dia 11 de junho. O Radar de Licitações é um serviço do PublishNews+, área exclusiva de assinantes do PublishNews, em parceria com Natália Vieira. Para acessar o Radar dessa semana, clique aqui.

PublishNews, Redação, 02/06/2021

A Companhia das Letras abriu duas vagas no seu financeiro, uma para o cargo de analista e o outro para assistente. Para as duas vagas, é necessário formação superior em Administração, Contábeis ou Economia; Excel avançado; proatividade e inglês elevado. É considerado diferencial ter trabalhado com SAP. Para o cargo de analista também é preciso ter experiência na área financeira. Os contatados trabalharão com contas a receber. Interessados devem enviar currículos para o e-mail curriculo@companhiadasletras.com.br até 09 de junho, colocando no assunto o nome da vaga desejada: Analista de finanças ou Assistente de finanças.

PublishNews, Redação, 02/06/2021

Há cinco anos, a Fundação SM, em parceria com a Comunidade Educativa Cedac, criou o Programa Myra, iniciativa de voluntariado que antes da pandemia, acontecia presencialmente em escolas públicas de São Paulo. Agora, devidamente adaptado para o modelo remoto, o programa está com inscrições abertas até o dia 14 de junho para escolas públicas, secretarias de educação, organizações da sociedade civil, bibliotecas ou associações que queiram se tornar Pontos Myra e realizar sessões de leitura. Para participar do edital, é importante que os locais ofereçam atendimento regular a crianças matriculadas no 4º, 5º ou 6º ano do Ensino Fundamental, preferencialmente de escolas públicas. As instituições selecionadas receberão da coordenação do programa capacitação para os gestores e apoio, com disponibilidade gratuita de material e consultorias durante todo o período de realização das sessões de leitura na instituição. Para se inscrever é só clicar aqui. O anúncio dos selecionados será feito até o dia 21 de julho.

PublishNews, Redação, 02/06/2021

Nos anos 1970, o advogado e cronista carioca Carlos Eduardo Novaes assinava uma coluna no JB. Desse espaço, saíram os textos que compuseram seus primeiros livros, em especial O caos nosso de cada dia (1974) e O quiabo comunista (1977), que faziam um retrato, sem filtro e sem milagre, da política nacional em pleno regime militar. Indo por esse mesmo caminho, Novaes volta à ativa agora com Crônicas, Taokey? (Minotauro / Almedina, 100 pp, R$ 39,90), primeiro volume da coleção Abelha: Mel e ferrão. O título reúne 37 textos cheios de humor e irreverência, nos quais o cronista faz o que sempre fez: a crônica do cotidiano político, o diário das desventuras de Braziville, um país fictício (nem tão fictício assim) onde o impossível sempre dá um jeito de acontecer. As crônicas cobrem o período que vai das vésperas da eleição presidencial de 2018 até praticamente anteontem, exprimindo nas palavras personagens que estão diariamente nos jornais – e não necessariamente por suas virtudes. Trazendo um retrato 3x4 do governo de Bolsonaro, principal personagem em muitas das crônicas do volume, Novaes mostra ao leitor o triste pesar no qual o Brasil ainda é “o único país deste planetinha mal resolvido que concentra em seus território todas as histórias da Civilização. Temos gente vivendo na Pré-História, na Antiguidade, na Idade Média, na contemporaneidade e gente que já vai longe, no pós-moderno.”

PublishNews, Redação, 02/06/2021

Algumas pessoas sonham em se perpetuar no poder, porém, sem o incômodo das eleições democráticas, conquista de votos e debates eleitorais. A separação dos poderes, mídia livre, acordos internacionais, para alguns políticos, não são nada mais do que obstáculos a serem superados. A sátira Como ser um ditador? (Rua do Sabão, 248 pp, R$ 55 - Trad.: Leonardo Pinto Silva), do jornalista Mikal Hem, traz todos os truques para se chegar e permanecer no topo – bem como as melhores maneiras de se desfrutar do poder ilimitado. Trazendo o exemplo dos ditadores de maior sucesso – incluindo Kim Jong Il, Robert Mugabe, Muammar Gaddafi, Nicolae Ceausescu e François “Papa Doc” Duvalier –, este guia prático oferece dez lições fáceis sobre como conquistar sua própria ditadura, incluindo importantes dicas sobre fraude eleitoral, criação de um culto à personalidade e as roupas da moda nesse universo de poder absoluto. Outros tópicos incluem: como enriquecer e usufruir da fortuna, conquistar modelos famosas, expressar o gênio literário típico dos ditadores e evitar ser derrubado, exilado ou encontrar qualquer outro fim sombrio. Combinando humor afiado com análises políticas, Como ser um Ditador? é salpicado de histórias de alguns dos mais excêntricos líderes mundiais modernos.

“A tradução é minha resposta à literatura, suponho, e também minha saída criativa.”
Elizabeth Heighway
Tradutora britânica
1.
Torto arado
2.
Mais esperto que o diabo
3.
Mentirosos
4.
A rainha vermelha
5.
Mulheres que correm com os lobos (capa dura)
6.
Vermelho, branco e sangue azul
7.
Corte de espinhos e rosas
8.
Box Harry Potter
9.
A nova batalha
10.
O milagre da manhã
 
PublishNews, Redação, 02/06/2021

Quando criam algum material novo, todos os comediantes se perguntam a mesma coisa antes de mostrá-lo ao público: “Será que isso presta?” Jerry Seinfeld vem fazendo essa pergunta desde os 21 anos, quando chegou pela primeira vez ao Catch a Rising Star, templo da comédia stand-up de Nova York, durante uma noite de testes em 1975. Desde então, Seinfeld se tornou não apenas uma referência mundial no stand-up, mas o criador do seriado que leva o seu nome, considerado por muitos a melhor comédia já feita para a televisão. A vida o levou também para outros projetos, e hoje ele comanda um divertido programa de entrevistas com outros comediantes famosos. Mas, no fim das contas, o destino sempre arranjou um jeito de fazê-lo voltar aos palcos, de cara limpa, com um microfone na mão e uma plateia de desconhecidos. “A razão de ser do stand-up é a busca de um momento fugaz de conexão humana”, revela Seinfeld sobre a sua maior paixão. Será que isso presta? (Intrínseca, 480 pp, R$ 69,90 – Trad.: Jaime Biaggio) é um compilado da produção de Seinfeld em suas cinco décadas de dedicação ao stand-up. Em diversos aspectos, é também uma autobiografia contada por meio de suas piadas.

PublishNews, Redação, 02/06/2021

Ser pobre é uma escola da vida, mas ser pobre no Rio de Janeiro, num calor escaldante dentro do BRT não é para qualquer um. E se ainda for feio, a desgraça é completa, aí sim é preciso jogo de cintura e muita lábia para a sobrevivência. E Gabriel Tennyson, o "coach da pobreza na internet", mostra que já que se está na pior, melhor rir da sua desgraça. Tirando sarro de si e da própria falta de dinheiro, o autor começou a postar crônicas de humor no Facebook, seu habitat natural, onde passa o tempo livre gerando raiva em pessoas que levam política a sério demais. Em Deu merda! (Faro Editorial, 160 pp, R$ 34,90) ele reúne algumas dessas crônicas que formam o cânone do pobrismo: uma filosofia que vai te ensinar a rir do cotidiano dos subúrbios, das dores de cotovelo... e do cheque especial.

PublishNews, Redação, 02/06/2021

No fim de abril, quando a prefeitura de São Paulo antecipou cinco feriados para conter o avanço da covid-19, a redação do PublishNews decidiu adiantar somente os da Consciência Negra de 2020 e 2021, por trabalhar de forma remota desde o dia 23 de março de 2020. Portanto, nesta quinta-feira – feriado de Corpus Christi – e sexta, nossos assinantes não terão a habitual newsletter diária. Voltamos à programação normal na próxima segunda-feira (07).

 
©2001-2021 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Henrique Schaumann, 1108 A, CEP 05413-011 Pinheiros, São Paulo -SP
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.