Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 18/03/2021
A Transpo Express é uma transportadora que já atua há 10 anos focada completamente no segmento editorial
A área de Soluções em Acessibilidade é uma divisão da Fundação Dorina Nowill para Cegos criada para oferecer o mais amplo portfólio de produtos e serviços acessíveis a empresas que desejam não apenas se adequar à lei
Há 14 anos no mercado, representa cerca de 400 editoras do comércio varejista de livros. Tem aproximadamente 820 mil títulos em estoque, e cerca de 400 novos títulos ao mês.
PublishNews, Redação, 18/03/2021

Com a venda, varejista que está em recuperação judicial pretende levantar pelo menos R$ 150 milhões para pagar parte de seus credores e fazer caixa | © Humberto Sousa / DivulgaçãoA RV3, consultoria que toca a administração judicial da Saraiva, tornou público o edital que rege a alienação de uma das três unidades produtivas isoladas (UPIs) que a varejista pretende passar adiante com o objetivo de pagar credores e fazer caixa. A empresa colocou à venda 23 das suas 38 unidades, além do seu e-commerce. A Saraiva espera levantar pelo menos R$ 189 milhões com a venda das lojas ou R$ 150 milhões com o e-commerce. O possível comprador da UPI Loja assumirá os contratos de locação das lojas; de trabalho dos empregados em cada unidade e os de consignação dos produtos estocados em cada uma das 23 lojas. Além disso, ficam com as instalações, mobiliário e equipamentos existentes no interior da cada unidade. Com a UPI Site, a Saraiva está colocando à venda os domínios pelos quais a Saraiva realiza vendas on-line, incluindo o marketplace, contratos relacionados à operação do site, de trabalho e os comerciais. Uma combinação de lojas físicas e o e-commerce também está à venda. Para esse caso, a Saraiva não estipulou um preço mínimo. Caso a Saraiva consiga vender a UPI Site ou a UPI Mista, o comprador poderá usar a marca Saraiva. Caso seja do interesse do comprador usá-la, ele se tornará sócio da Saraiva Gestão de Marcas S.A., ao lado da Cogna, detentora da Saraiva Educação, vendida pela Saraiva à então Abril Educação em 2015. Empresas concorrentes direta ou indiretamente da Cogna não poderão utilizar a marca Saraiva e fica vedado ao comprador o uso da marca para qualquer atividade de edição ou de educação. Clique no Leia Mais e confira outros detalhes do edital.

PublishNews, Redação, 18/03/2021

Na última semana, fornecedores da Amazon receberam uma carta propondo um novo acordo para descontos sobre o preço de capa de livros. Para as editoras que vinham praticando descontos inferiores a 55%, a varejista propôs descontos que variam de 55% a 58% mais 5% de “plano de marketing”. Nesta quarta, Tomaz Adour, presidente da Libre publicou um artigo no qual defendeu que as editoras digam não à proposta da Amazon e hoje, o grupo Juntos pelo Livro, que reúne mais de 120 editoras, divulgou uma carta de resposta à varejista com o intuito de expor a inviabilidade de aceitar a elevação dos descontos. No documento o grupo considera as propostas da Amazon “impossíveis de atender” e ressalta que “as condições solicitadas estão muito além das possibilidades”. O grupo destaca ainda a inauguração dos novos centros de distribuição da Amazon. Se por um lado o movimento agilizou e ampliou o trabalho da varejista, por outro onerou ainda mais as editoras “uma vez que agora gastam significativamente mais com logística, em vez de concentrarem as entregas em um único local”. O documento termina reforçando que é possível manter a operação com a Amazon sadia por meio de ações criativas e discutidas com o mercado editorial e pede que o aumento no desconto não seja levado em conta. Clique no Leia Mais para conferir a íntegra da carta redigida pelo grupo.

PublishNews, Redação, 18/03/2021

A Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha confirmou que realizará edição presencial entre 14 e 17 de junho desse ano. A esperança dos organizadores é que até lá as campanhas de vacinação estejam avançadas, o que viabilizaria a edição presencial. Os expositores de 2020, cuja edição foi cancelada, poderão resgatar os valores pagos no ano passado para estandes em 2021. Além disso, os organizadores prometem desconto de 8% no valor do chão. Caso o evento presencial tenha que ser cancelado, a organizadora promete a devolução da taxa. Em paralelo à feira, acontecerá a BolognaBookPlus, conferência profissional, que reunirá cursos de treinamento sobre direitos autorais e um workshop de tradução. A curadoria da BolognaBookPlus é de Jacks Thomas, ex-diretora da Feira do Livro de Londres. Apesar da confirmação da edição presencial, a Feira pretende ampliar a sua presença no ambiente virtual. A Global Rights Exchange, plataforma de negociação e licenciamento de direitos autorais lançada em 2020, receberá novos investimentos e ganhará musculatura em 2021.

PublishNews, Redação, 18/03/2021

Lançada em fevereiro, a segunda edição da pesquisa Conteúdo Digital do Setor Editorial Brasileiro, foi prorrogada e poderá ser respondida até o dia 5 de abril. Coordenada pela Câmara Brasileira do Livro (CBL) e pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e realizada pela Nielsen Book, o estudo tem como objetivo mensurar a produção e venda de conteúdos digitais, e-books e audiolivros, com suas diferentes formas de comercialização, tendo como ano-base 2020. O link de acesso é exclusivo para cada editora e basta clicar para abrir e começar o preenchimento. Cabe destacar que o questionário não precisa ser respondido de uma única vez, os dados já inseridos são salvos automaticamente e o usuário pode retomar de onde parou. Qualquer dúvida é só entrar em contato com Mariana Bueno, preferencialmente pelo e-mail producao.vendas@nielsen.com.

PublishNews, Redação, 18/03/2021

A empresa alemã Thieme Revinter, editora dedicada a publicações na área da saúde está à procura de um coordenador de produção de revistas científicas, para trabalhar no Rio de Janeiro ou em São Paulo. O profissional terá contato com outros profissionais da área na Alemanha, nos EUA e na Índia, sendo fundamental que tenha inglês fluente/avançado. É indispensável experiência de no mínimo três anos com produção de revistas, preferencialmente na área da saúde. É preciso também domínio do Adobe Acrobat Pro, Microsoft Office e sistema de submissão de artigos (manuscript submission system). Os interessados devem enviar currículos para recrutamento@thieme.com.br até 15 de abril.

PublishNews, Redação, 18/03/2021

O Arte da Palavra, realizado pela Rede Sesc de Leituras e considerado o maior circuito literário do Brasil, será lançado nesta quinta (18) e sexta (19) de maneira on-line com um seminário. Cerca de 40 escritores, poetas, contadores de histórias, entre outros, participarão do projeto que busca promover a literatura nacional por meio de leituras, debates, oficinas e contação de histórias. Além de Ailton Krenak, os dois dias do seminário terão a participação de nomes como Bruno Ribeiro, Taylane Cruz, Claudia Lage, Elimacuxi, João Meirelles Filho e Patrícia Galelli. A abertura do evento acontece logo mais, às 14h, com Carlos Artexes Simões, diretor-geral do Departamento Nacional do Sesc e Lucia Prado, diretora de Programas Sociais do Departamento Nacional do Sesc. Às 14h15, tem início a primeira mesa, com participação de Ailton Krenak e Bruno Ribeiro, e mediação de Marta Barcellos. No bate-papo eles falarão a busca do diálogo entre as muitas vozes que costuram o texto/tecido do país. E às 16h, Patrícia Galelli e Taylane Cruz, com mediação de Anielle Oliveira falam sobre o corpo como matéria e metáfora possível para a criação literária. A programação será transmitida pelo Canal do Sesc no YouTube. Durante o seminário, também ocorrerá o lançamento da décima edição da Revista Palavra, publicação literária anual. Em sua matéria de capa, a revista traz reflexões sobre as Brasilidades Contemporâneas com assinatura de Marta Barcellos. Depois disso, a programação do circuito terá início no dia 22 de março, se estenderá até dezembro e será transmitida pela página do projeto no Facebook.

PublishNews, Redação, 18/03/2021

Em Estranho familiar (Zahar, 160 pp, R$ 59,90 - Trad.: Pedro Maia Soares), os leitores de Zygmunt Bauman encontrarão um viés mais pessoal do homem que mudou a maneira de pensar o mundo moderno. Meses antes de falecer, em 2017, Bauman recebeu em sua casa o jornalista suíço Peter Haffner para três longas conversas. Desses encontros surgiu este livro, no qual o sociólogo discorre sobre temas como história, política, identidade, judaicidade, moral, felicidade e amor. Bauman descreve sua infância, o serviço militar no Exército Vermelho, a participação na Segunda Guerra Mundial e a expulsão da Polônia em 1968, oferecendo relatos íntimos de eventos históricos aos quais consagra suas finas percepções sociais e políticas. Ele fala sobre a perspectiva da morte com a propriedade de quem enfrentou na pele, como judeu polonês, a sociedade desregulada, fragmentada e individualizada da modernidade líquida, da qual se tornou teórico. Comenta os autores que desempenharam papel principal em seu pensamento e destaca a importância da sociologia — uma ciência cujo significado, em sua visão, é tornar o familiar estranho e o estranho familiar.

PublishNews, Redação, 18/03/2021

Se existe uma crença que une a esquerda e a direita, psicólogos e filósofos, pensadores antigos e modernos, é a suposição de que os seres humanos são maus – e ponto final. É uma noção que pode ser vista diariamente nas manchetes dos jornais. De Maquiavel a Hobbes; de Freud a Pinker, essa crença moldou o pensamento ocidental. O ser humano é egoísta por natureza e age, na maioria das vezes, pensando no interesse próprio. Mas e se o ser humano fosse, na verdade, essencialmente bom? Em Humanidade (Crítica, 464 pp, R$ 66,90 – Trad.: Claudio Carina), o historiador best-seller Rutger Bregman, questiona a visão pessimista sobre a espécie humana e apresenta uma série de estudos e exemplos para defender o revolucionário argumento de que a humanidade é, em essência, bastante decente e generosa. Ao longo do livro, o historiador retoma debates filosóficos, apresenta estudos científicos e teorias da psicologia para mostrar que a percepção que os seres humanos possuem de si tem enormes implicações nas relações sociais, inclusive na democracia. Considerado o "novo Sapiens", a obra é um convite para o leitor que deseja voltar no tempo e mergulhar em uma nova versão da história da humanidade.

“Estamos certos de que é possível manter a operação com a Amazon cada vez mais sadia por meio de ações criativas e discutidas com o mercado editorial.”
Trecho da carta enviada pelo grupo Juntos pelo Livro à Amazon
1.
Mulheres que correm com os lobos (capa dura)
2.
Mais esperto que o diabo
3.
Excelência para obstinados
4.
Torto arado
5.
Pense simples
6.
O duque e eu
7.
Mindset
8.
Atitude positiva diária
9.
Minha história
10.
A coragem de ser imperfeito
Box Harry Potter
 
PublishNews, Redação, 18/03/2021

Quando Jennifer Doudna ainda cursava a sexta série, encontrou em sua cama um exemplar de A dupla hélice, de James Watson, deixado por seu pai. Avançando pelas páginas, ela ficou fascinada com os bastidores da competição científica e pela descoberta dos tijolinhos que constroem a vida. Observando o modo com que as bactérias combatem os vírus, ela e sua equipe descobriram algo capaz de transformar a vida humana: uma ferramenta de manuseio simples capaz de editar a estrutura do DNA. O CRISPR, como foi batizada, abriu um novo mundo de milagres da medicina e levantou delicadas questões éticas. O uso da ferramenta e a corrida para o desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19 estão acelerando a transição para essa nova era de inovações biológicas. Tendo capitaneado as importantes descobertas que levaram ao CRISPR, Doudna e sua parceira de pesquisa Emmanuelle Charpentier ganharam o Nobel de Química em 2020. Sua trajetória é contada pelo biógrafo Walter Isaacson na obra A decodificadora (Intrínseca, 576 pp, R$ 79,90 – Trad.: Rogério W. Galindo e Rosiane Correia de Freitas). Uma história de detetive que envolve as mais complexas maravilhas da natureza, indo das origens da vida ao futuro da nossa espécie.

PublishNews, Redação, 18/03/2021

“Os filósofos têm o hábito irritante de analisar perguntas em vez de respondê-las”, escreve Terry Eagleton. Em O sentido da vida (Editora Unesp, 146 pp, R$ 52 – Trad.: Pedro Paulo Pimenta) ele tenta responder essa que talvez seja a perguntas mais importante que qualquer um de nós já fez. Nesta investigação astuta, agleton mostra de que maneira pensadores ao longo dos séculos – de Shakespeare e Schopenhauer a Marx, Sartre e Beckett – resolveram a questão. Recusando-se a se contentar com o insosso e monótono, ele revela – com uma mistura de humor e rigor intelectual, – de que maneira a questão se tornou particularmente problemática nos tempos modernos. “É provável que muitos leitores deste livro desconfiem da expressão ‘o sentido da vida’, assim como não acreditam em Papai Noel”, escreve Eagleton. Mas ele afirma que, em um mundo onde precisamos encontrar significados comuns, é importante que comecemos a responder à pergunta que precede todas as perguntas; e, para concluir, ele sugere sua própria resposta: essa não é uma questão metafísica, mas ética.

 
©2001-2021 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Henrique Schaumann, 1108 A, CEP 05413-011 Pinheiros, São Paulo -SP
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.