Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 19/02/2019
Aldeia dos Livros oferece serviços que vão desde a revisão de textos em geral; tradução do inglês e espanhol; copydesk; pareceres; contatos com editoras; eventos nacionais e internacionais; criação de capas de livros, branding e coaching criativo para autores.
HiDesign Estúdio é um estúdio editorial focado em design. Entre os trabalhos oferecidos pelo estúdio estão: capas, projetos gráficos, diagramação e ilustração para projetos de editoras e autores independentes.
A Beluga Editorial presta diversos serviços de produção do livro, incluindo revisão, copidesque, diagramação, capa e projeto gráfico. Atendemos tanto editoras quanto autores.
PublishNews, Leonardo Neto, 19/02/2019

Lygia Fagundes Telles ao ser homenageada na edição do Prêmio Jabuti em 2016 | © Divulgação / JabutiNo ano passado, Lygia Fagundes Telles comemorou 80 anos de produção literária. Para celebrar, a Companhia das Letras colocou no mercado um belíssimo volume que reúne a produção contística da autora. O livro, intitulado Os contos, marcou a estreia de Lygia nas listas de mais vendidos do PublishNews. O volume veio parar na posição de número 16 da categoria Ficção da Lista Nielsen PublishNews, aquela que apura os livros de autores nacionais mais vendidos nas livrarias, supermercados e lojas de autoatendimento monitoradas pelo instituto de pesquisa. Além de Lygia, estreou na última Lista Nielsen O arroz de palma (Record), de Francisco Azevedo. O livro ocupa o 15º lugar de Ficção. Em Não Ficção, o destaque vai para a chegada de A classe média no espelho (Estação Brasil / Sextante), de Jessé Souza, que pontuou na posição de número 14. Clicando no Leia Mais, além de outros destaques da última Lista Nielsen PublishNews, apresentamos um consolidado com os 20 livros de autores nacionais mais vendidos no ano passado em cada uma das categorias.

PublishNews, Redação, 19/02/2019

A Amazon anunciou a adaptação dos livros O poder, de Naomi Alderman, e Destino: La Templanza, de María Dueñas, ambos publicados no Brasil pela Editora Planeta. Em O poder, as mulheres invertem a ordem do mundo ao desenvolver a capacidade de eletrocutar qualquer pessoa com um simples toque e de repente, os homens se dão conta de que não estão mais no controle. A obra fala sobre empoderamento feminino e a discussão do papel social da mulher contemporânea. Já Destino: La Templanza traz a uma história de um homem que, após perder todo seu dinheiro, tem a vida abalada por uma perturbadora personagem. As duas séries serão transmitidas para mais de 200 países e as produções iniciam ainda este ano.

PublishNews, Redação, 19/02/2019

Por conta do feriado do Carnaval que se aproxima, a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) resolveu ampliar mais uma vez o prazo para a entrega do questionário da pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro (ano-base 2018), apresentado pela Câmara Brasileira do Livro (CBL) e pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL). Agora, as editoras terão até o dia 11 de março para responder ao questionário, que não precisa necessariamente ser respondido de uma só vez. Para as editoras que já finalizaram o questionário, caso queiram alterar alguma informação após tê-la enviado, basta entrar em contato com a Fipe para que o acesso seja novamente liberado. A pesquisa é um dos instrumentos mais importantes para se entender o mercado editorial brasileiro e a participação de editores é fundamental nesse processo. Para acessar o questionário, clique aqui

PublishNews, Redação, 19/02/2019

A Editora da Universidade Federal do Espírito Santo lançou o edital do IV Prêmio Ufes de Literatura, que premiará seis autores com a publicação de suas obras pela Edufes, sem nenhum custo. Estão contempladas seis categorias: contos e/ou crônicas; dramaturgia; literatura infantil; literatura juvenil; poesia; e romance. As obras deverão ser enviadas para o e-mail ivpremioufesdeliteratura@gmail.com de 1º a 31 de março de 2019. O edital você encontra aqui

PublishNews, Redação, 19/02/2019

Você sabia que a Wikipédia em Português possui mais de 992 mil artigos? Desses, quase 207.500 são biografias, mas apenas 36 mil são biografias de mulheres, um número que corresponde a 17% do total. Em uma pesquisa de 2011, a Wikimedia Foundation divulgou que menos de 10% de seus contribuintes são mulheres. As razões para a falta de editoras mulheres na plataforma são muitas, desde o desconforto em uma área predominantemente masculina ao pouco tempo que mulheres têm para si e projetos pessoais, mas as consequências dessa diferença se manifestam nos artigos e na falta de representatividade de mulheres neles. Pensando em diminuir essa desigualdade, a Casa das Rosas, em parceria com a campanha Arte+Feminismo Wikipédia, realiza a Maratona Arte+Feminismo. Com dois encontros, a programação propõe melhorar o conteúdo sobre mulheres cis e trans e as artes na maior enciclopédia online do mundo, bem como incentivar mulheres a participar dessa comunidade. A atividade é dividida em duas partes: dia 27 de fevereiro, às 21h, acontece a aula teórica sobre as ferramentas da Wikipédia. Já no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, acontece a maratona. Neste dia, entre 14h e 21h, os participantes podem pesquisar e acrescentar artigos ou editar os já existentes sobre mulheres artistas. O foco do encontro são biografias de escritoras, tradutoras e críticas literárias, mas o participante é livre para fazer sua própria pesquisa. As inscrições podem ser feitas clicando aqui

PublishNews, Redação, 19/02/2019

Para quem se interessa por literatura, a Casa Guilherme de Almeida (Rua Macapá, 187 – São Paulo / SP) realiza este mês um curso gratuito "Literatura e refúgio". Dividido em quatro aulas, o curso ministrado pela escritora e tradutora Francesca Cricelli, abordará alguns autores da literatura contemporânea brasileira e mundial que trabalham em suas obras questões de exílio. As obras de Atiq Rahimi, Igiaba Scego, Abdellah Taïa, W. G. Sebald, Julián Fuks e Caarola Saavedra serão trabalhadas num recorte que vai além do testemunho, e trabalha a articulação entre o autobiográfico e a ficção. São textos que tratam das questões de exílio, estado de refugiado e a condição de estar entre culturas – situações muito ligadas às histórias migratórias dos próprios autores. No último encontro haverá um diálogo com autores que atualmente estão no Brasil em condição de exílio ou refúgio. O curso acontece entre os dias 26 de fevereiro e 1º de março, das 19h às 21h. As aulas são gratuitas; para participar basta se inscrever pelo site do museu

PublishNews, Redação, 19/02/2019

Em 2017, um leito do Hospital das Clínicas de São Paulo foi ocupado por um homem sem identidade. Há 20 anos, ele circulava pela região das ruas Augusta e Paulista, onde liderou uma trupe de palhaços, distribuiu panfletos e pediu esmolas. Sua aparência lhe rendeu a alcunha de "Fofão da Augusta" e o status de lenda urbana. Por trás do apelido ofensivo estava um cabelereiro disputado nos anos 1970 e 1980, que falava francês e inglês, era esquizofrênico, foi drag queen, artista de rua, teve dinheiro e frequentou o underground.  O jornalista Chico Felitti se empenhou em conhecer sua história e, depois de quatro meses de investigação, publicou uma reportagem que logo viralizou. Em poucos dias, mais de 1 milhão de pessoas souberam o nome por trás do rosto remodelado por um litro e meio de silicone e cirurgias plásticas: Ricardo Correa da Silva. Logo viriam outros personagens e relatos atravessados pela trajetória de Ricardo. Sobretudo Vânia Munhoz, brasileira radicada na França, que um dia se chamou Vagner e foi o amor de sua vida. O livro Ricardo e Vânia (Todavia, 192 pp, 54,90) será lançado nesta quinta (21), às 19h30, no Cabaret da Cecília (Rua Fortunato, 35 – São Paulo / SP) e na sexta (22), às 20h, no Buraco da Lacraia (Rua André Cavalcanti, 58 – Rio de Janeiro / RJ).

PublishNews, Redação, 19/02/2019

Secretário de Cultura da Prefeitura de São Paulo, mestre em Filosofia, advogado e produtor cultural, Alê Youssef decidiu navegar pela história de uma importante região central que também está, intrinsecamente, conectada a sua trajetória. A expressão “Baixo Augusta” começou a ser usada com frequência em 2008, ano que marca a explosão da diversidade da região e o funcionamento das mais importantes casas noturnas. Ao longo da obra Baixo Augusta – A cidade é nossa (Letramento, 144 pp, R$ 44), Alê Youssef reforça a importância de diversos movimentos protagonizados pela juventude paulistana, da Jovem Guarda à efervescência de festas dos anos 2000 que conviviam com a ilegalidade e a diversidade de um ambiente underground e tão livre, passando também pela cena teatral da Praça Roosevelt. Impulsionados pelo ambiente artístico e noturno, começam a surgir pequenos empreendimentos feitos por e para jovens, como lojas colaborativas, marcas de novos estilistas, tatuadores e restaurantes. O livro será lançado nesta quinta (21), às 19h, na Casa do Baixo Augusta (Rua Rêgo Freitas, 553 – São Paulo / SP).

“Cultura não é ler muito, nem saber muito: é conhecer muito.”
Fernando Pessoa
Poeta e escritor português (1888-1935)
1.
A sutil arte de ligar o foda-se
2.
O milagre da manhã
3.
Me poupe!
4.
Seja foda!
5.
Este não é mais um livro de dieta
6.
As aventuras na Netoland com Luccas Neto
7.
O poder do hábito
8.
Aprendizados
9.
O poder da ação
10.
Prisioneiros da mente
 
 
©2001-2019 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Fidalga 471, Conjunto 3 | Vila Madalena | São Paulo | SP | Brasil | 05432-070
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.