Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 12/04/2018
A psi7 Printing Solutions & Internet 7 S.A. é uma empresa de tecnologia na gestão de conteúdos que ajuda as empresas, sejam editoras ou indústrias, a propagar o seu conteúdo nos formatos impresso, áudio, dados ou eletrônico.
Revisora, copidesque e produtora editorial há mais de dez anos com experiência em todas as etapas da produção editorial.
Com mais de 20 anos de experiência na diagramação de livros, Julio Fado oferece um trabalho profissional, de qualidade e rápido. Além da diagramação de livros para impressão, ele também diagrama livros em formato digital.
PublishNews, Talita Facchini, 12/04/2018

Mario Sergio Cortella | © Chico MaxTer um livro na lista de mais vendidos não é algo simples e todo profissional do mercado sabe disso. Então quando um autor aparece cinco vezes numa mesma lista é, com certeza, algo a ser comemorado. Esse é o caso de Mario Sergio Cortella, que lidera a categoria Não Ficção da Lista Nielsen PublishNews, que apura somente os autores nacionais mais vendidos em livrarias, supermercados e lojas de autoatendimento Brasil afora. A lista de Não Ficção de março é liderada pelo último livro do filósofo e educador, A sorte segue a coragem!. Ele ainda emplacou as obras Por que fazemos o que fazemos?, na sexta posição; o Box – Mario Sergio Cortella, na 13ª; Viver em paz para morrer em paz, na 15ª, todos publicados pela Planeta, e Qual a tua obra? (Vozes), no 20º lugar. Na lista de Ficção, o destaque vai para Geovani Martins, apontado como a grande surpresa da literatura nacional. No começo do mês, o autor de O sol na cabeça (Companhia das Letras) foi entrevistado por Pedro Bial no seu programa na TV Globo. O título aparece na sétima posição da lista. Clique no Leia Mais e confira outros destaques da Lista Nielsen PublishNews.

PublishNews, Leonardo Neto, 12/04/2018

Edital que vai comprar livros de literatura para alunos e bibliotecas de escolas públicas de todo o Brasil tem sido alvo de críticas e questionamentos por parte de editores e especialistas em educação | © Ascom FNDEEm entrevista ao PublishNews, em março passado, Wander Soares, presidente da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), antecipava uma grande discussão que tem, até hoje, ecoado na cadeia produtiva do livro. Naquela época, às vésperas de o Ministério da Educação (MEC) publicar os novos editais para a compra de livros de literatura, ele questionava uma imposição do governo em padronizar os formatos desses livros. Na época, ele disse: “eu acho impossível colocar a literatura infantil dentro dos parâmetros do livro didático. Não há como determinar o formato, o número de páginas ou o tipo de acabamento de um livro infantil. Ele jamais será 'formatável' como se faz com o livro didático”. Os editais saíram pouco tempo depois. O PNLD 2020 no fim daquele mês e o edital transitório no início de abril. Desde então, esse assunto tem rendido muitas discussões nos bastidores da indústria do livro. O anexo II do edital, que estabelece especificações técnicas da obra, diz que os livros destinados à Educação Infantil (0 a 5 anos) podem apresentar diferentes formatos. Já aqueles destinados ao Ensino Fundamental (6 a 14) e ao Nível Médio (15 a 17) devem se enquadrar em três formatos: 205 mm x 275 mm, 270 mm x 270 mm ou 135 mm x 205 mm. A padronização, justifica o MEC, visa facilitar a negociação e a logística desses materiais. Mas já foi alvo de críticas por parte da Liga Brasileira dos Editores de Livros (Libre) e de questionamentos por parte de muitos editores. Agora, o Movimento Interfóruns de Educação Infantil do Brasil (Meib), que congrega professores, gestores, pesquisadores e organizações da sociedade civil, lançou uma petição pública pedindo a revisão dos editais. Clique no Leia Mais e saiba mais sobre esse abaixo-assinado.

PublishNews, André Palme, 12/04/2018

No segundo artigo da série Marketing, digital e outras coisitas mais, André Palme mostra como fazer com que o consumidor invista do seu tempo livre lendo um livro. Para o nosso colunista, cada vez mais, o marketing é contar uma história, gerar engajamento, ganhar a confiança, para então quem sabe vender seu produto. É sobre criar uma relação com seu cliente e não simplesmente fazer uma venda pontual. Junto a isso, análise de dados, inteligência de negócios e muita matemática são indispensáveis. Existe um fluxo, muito usado nos conceitos de inbound marketing, estratégia de marketing que visa atrair o interesse das pessoas, também chamado de marketing de atração: Atrair > Converter > Relacionar > Vender > Fideliza. Perceba que vender não é a primeira etapa do processo, é a penúltima. Por que? Porque primeiro é preciso chamar a atenção do seu potencial cliente, fazer com que ele se interesse pela sua história, pelo que você tem a contar, começar uma relação com ele e só ai ofertar seu produto; e não acaba por aí porque o desafio depois disso é fidelizar esse cliente, para que toda vez que ele pense em comprar algo que você oferece, ele pense em você e não em outra marca ou empresa. Clique no Leia Mais e tenha acesso à íntegra do artigo dessa semana.

PublishNews, Larissa Caldin*, 12/04/2018

Segundo dia da feira. Hoje foi tudo mais fácil: saber em qual estação descer, para qual lado andar, onde fica o elevador para o rights centre (no primeiro dia, fiquei 40 minutos em busca desse elevador, juro). O dia, no entanto, foi corrido: a ideia principal da minha vinda é encontrar novos títulos para Primavera, editora onde trabalho. A meta é sair daqui com uns oito títulos engatilhados para compras de direitos, assim garantimos, com a periodicidade de publicação da editora, títulos até o final do ano e para o início do ano que vem. Para atingir a meta então, lotei minha agenda de reuniões com diversos agentes do mundo todo. Em cada um já fui engatilhada com alguns títulos do catálogo que queria e ali na reunião descobria novos. O mundo perfeito são reuniões pontuais de trinta em trinta minutos, e a minha agenda estava organizada dessa maneira, mas, na prática, não é bem assim que acontece. Algumas reuniões esticam (tive uma que durou 50 minutos) e aí é aquela loucura de sair correndo com o casaco para a mesa do próximo agente, chegar lá e esconder estar esbaforida! Clique no Leia Mais para saber como foi o segundo dia de Larissa na feira e conferir a galeria.

PublishNews, Redação, 12/04/2018

Está marcada para este final de semana (14 e 15), a 10ª edição da Festa Literária de Santa Teresa (Flist). O evento que acontece no Centro Cultural Municipal Parque das Ruínas (Rua Murtinho Nobre, 169 – Santa Teresa / RJ) terá 80 atrações gratuitas entre debates, palestras, entrevistas, tardes de autógrafos, apresentações e contação de histórias. A Flist ainda homenageará a ilustradora Ciça Fittipaldi e fará tributos a Guimarães Rosa e Nelson Mandela. Dentro da programação, os jornalistas Regina Zappa e Ernesto Soto irão participar de um debate e autografar a obra 1968, eles só queriam mudar o mundo (Zahar); e os autores Antonella Catinari, Fabio Maciel, Luiz Antonio Aguiar, Maria Elaine Altoe, Rosa Amanda Strausz e Sandra Ronca, da AEILIJ, irão debater a importância das antologias literárias para autores e leitores. Já Ciça irá autografar os dois títulos da Série Morená: A lenda do guaraná e A árvore do mundo e outros feitos de Macunaíma (Melhoramentos). Outros 18 autores também irão lançar e autografar seus livros durante o evento.

PublishNews, Redação, 12/04/2018

O autor argentino Patricio Pron participa nesta sexta (13), às 19h, na FAAP (Rua Alagoas, 903 – São Paulo / SP), de um bate-papo com Rodrigo Petronio, coordenador da pós-graduação em Escrita Criativa da FAAP, e com o escritor e tradutor Antônio Xerxenesky, para falar de Jornalismo e Literatura. Na ocasião, Patricio também lança seu novo livro O espírito dos meus pais continua a subir na chuva (160 pp, R$ 44,90), publicado pela Todavia. A obra fala sobre a busca de um filho sobre o passado do pai e do próprio país. O evento, aberto ao público, é uma realização da Todavia e do Instituto Cervantes, em parceria com o curso de Graduação em Jornalismo e com o curso de Pós-Graduação em Escrita Criativa, ambos da FAAP, e com o apoio do jornal El País. Para se inscrever é só clicar aqui.

PublishNews, Redação, 12/04/2018

A atriz Paula Picarelli lança logo mais, às 19h, na Livraria da Vila (Rua Fradique Coutinho, 915 – São Paulo / SP), o livro Seita: o dia em que entrei para um culto religioso. Publicado pela Planeta, a obra tem como protagonista uma atriz que acaba entrando para o grupo espiritual Portal da Divina Luz. Aos poucos, Paula se vê completamente imersa no culto e sente que sua vida ganhou um sentido diferente, passando a dedicar quase todas as horas de seus dias às preparações para os “trabalhos”. A personagem observa outros membros fazerem doações estrondosas para o grupo, se vê tomando ayahuasca para gravar cenas de novela e também no período em que esteve grávida. Após anos mergulhada no Portal da Divina Luz, Paula vê sua vida desandar e começa a questionar diversas questões envolvendo a seita e seus organizadores, até conseguir se desvincular do grupo. Em um jogo que mistura realidade e ficção, a autora faz reflexões sobre temas como mecanismos de manipulação, crenças, drogas e classes sociais. 

PublishNews, Redação, 12/04/2018

O ônibus-biblioteca, agora azul, do projeto Livros nas Praças voltou a visitar cidades e a emprestar livros gratuitamente. Agora, com o patrocínio da empresa Piraquê, o projeto aportou no bairro Madureira, no Rio de Janeiro. O ônibus-biblioteca azul ficará estacionado na Praça Miranda Ribeiro com cerca de dois mil livros disponíveis para os moradores da região. Para ter acesso às obras, os interessados devem mostrar a carteira de identidade e um comprovante de residência. Feito isto, eles poderão levar até dois livros emprestados que deverão ser devolvidos em qualquer um dos locais em que o ônibus ficará estacionado. O espaço contará com uma cadeira de transbordo, própria para cadeirantes e idosos que têm dificuldades de subir a escada de acesso, além de banheiro e água mineral para os leitores que utilizarem a biblioteca sobre rodas como espaço de leitura. O ônibus do Livros nas Praças estará na Praça nos dias 20 de abril; 4 e 18 de maio e 1º e 15 de junho, das 10h às 16h.

“Quando escrevo, não pen­so na literatura: penso em capturar coisas vivas”
Guimarães Rosa
Escritor brasileiro (1908-1967)
1.
Combate espiritual
2.
A sutil arte de ligar o foda-se
3.
Ainda sou eu
4.
O poder do hábito
5.
Seja foda!
6.
Sapiens
7.
A parte que falta
8.
Propósito
9.
Felipe Neto
10.
Outros jeitos de usar a boca
 
PublishNews, Redação, 11/04/2018

Sem nomes, sobrenomes ou destino certo. Um passado desconhecido, cheio de mistérios. Assim, meio que misturando o acaso e o destino, Dois cigarros (Gulliver Editora, 144 pp, R$ 40), primeiro romance do jornalista Flavio Gomes, convida o leitor a se entregar, a imaginar personagens, cenas e lugares, que vão desde as pequenas cidades mineiras e alemãs até Paris, Budapeste e Praga. Um arquiteto solitário de quarenta e poucos anos e uma jovem misteriosa de grandes olhos verdes dão vida à obra, que conta a história de duas pessoas que, entre encontros e desencontros, se apaixonam mesmo sem saber absolutamente nada sobre o passado um do outro. O misterioso desaparecimento de um deles faz com que se distanciem, mas esse sumiço está longe de ser o fim da trama, que envolve terrorismo internacional, internet e viagens.

PublishNews, Redação, 12/04/2018

Em A minha depressão (Revan, 172 pp, R$ 40 – Trad.: Christiane Brito Engman), a autora Elizabeth Swados conduz o leitor a uma íntima jornada através de sua longa batalha contra a depressão. Uma história sobre uma doença que, sem razão, tem sido há longo tempo estigmatizada. Elizabeth afirma que mais cedo ou mais tarde, a maioria das pessoas que têm depressão precisam buscar ajuda profissional, entretanto procurou bastante até encontrar alguém em que pudesse confiar. Um livro para quem quer entender mais sobre a doença e para quem deseja sair dela. Além de escritora, Elizabeth Swados é teatróloga e musicista de talento reconhecido nos Estados Unidos.

PublishNews, Redação, 12/04/2018

Nós vivemos em uma sociedade em que os indivíduos se sentem cada vez mais solitários e inseguros, muitas vezes por falta de amor e por medo tanto dos outros quanto de si mesmos. Em virtude de sucessões de circunstâncias dolorosas, quantas pessoas não se limitam a viver em sofrida solidão, experiência que a autora chama de "sólidão"? Como sair dessa solidão e tomar o caminho que leva à consolação? Margalida Reus nos convida, na obra Sair da sólidão (Nossa Casa, 136 pp, R$ 29,90) ao reencontro e à compreensão do nosso sofrimento escondido, que foi vivido pela criança que fomos e que ainda nos habita. A obra leva o leitor a uma viagem que, passo a passo, o ajuda a sair do desamor de si mesmo para entrar na consolação, no “ser com”, e tornar-se confiante na própria vida.

 
©2001-2018 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Fidalga 471, Conjunto 3 | Vila Madalena | São Paulo | SP | Brasil | 05432-070
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.