Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 13/09/2021
A área de Soluções em Acessibilidade é uma divisão da Fundação Dorina Nowill para Cegos criada para oferecer o mais amplo portfólio de produtos e serviços acessíveis a empresas que desejam não apenas se adequar à lei
Há mais de 50 anos servindo a cultura e educação, é uma das maiores distribuidoras de livros para o ensino de idiomas, técnicos e científicos.
A Catavento atua no mercado de distribuição de livros para todo o país.
PublishNews+, Leonardo Neto, 13/09/2021

De acordo com o instituto de pesquisa, varejistas venderam 6,6 milhões de cópias e faturaram R$ 266 milhões com a venda de livros | © Leonardo NetoNa semana passada, a Nielsen e o Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) divulgaram os resultados do Painel do Varejo de Livros no Brasil registrando crescimento de 26,1% no faturamento com a venda de livros em livrarias, supermercados e lojas de autoatendimento no país. O resultado positivo foi creditado ao aquecimento das vendas no Dia dos Pais, celebrado em 2021, no dia 8 de agosto. Agora, a GfK e a Associação Nacional de Livrarias (ANL) tornaram público o seu relatório mensal que acompanha o desempenho do varejo nacional de livros. Pela contagem da GfK, entre os dias 05 de julho e 08 de agosto, pegando, portanto o Dia dos Pais, foram vendidos 6,6 milhões de exemplares, crescimento de 47% em relação ao mesmo período de 2020, quando o instituto de pesquisa registrou a venda de 4,5 milhões de cópias. Em faturamento, o crescimento é de 48%, chegando a R$ 266 milhões contra R$ 180 milhões apurados em 2020. A análise completa do relatório pode ser lida na matéria que está no PublishNews+, a área exclusiva para assinantes do PN. Os artigos estão disponíveis gratuitamente na plataforma e para acessá-los é preciso fazer um cadastro prévio clicando aqui. Com o cadastro feito e logado na plataforma, você poderá ler o artigo clicando aqui.

PublishNews+, Leonardo Neto, 13/09/2021

Trecho da apresentação feita pelo IBGE | ReproduçãoNa última sexta-feira (10), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os resultados da sua Pesquisa Mensal de Comércio referente ao mês de julho. O volume de vendas do comércio varejista no país cresceu 1,2% em julho, na comparação com o mês anterior, registrando a quarta taxa positiva consecutiva. Com isso, o patamar do setor atingiu recorde na série histórica iniciada no ano 2000. No ano, o varejo acumula crescimento de 6,6% e nos últimos doze meses, cresceu 5,9%. Na contramão desse crescimento está a categoria “Livros, jornais, revista e papelaria”, que mostrou queda de 23,2% frente a julho de 2020. Na comparação com junho de 2021, a queda foi de 5,2%. A íntegra desta nota está no PublishNews+, a área exclusiva para assinantes do PN. Os artigos estão disponíveis gratuitamente na plataforma e para acessá-los é preciso fazer um cadastro prévio clicando aqui. Com o cadastro feito e logado na plataforma, você poderá ler o artigo clicando aqui.

PublishNews, Leonardo Neto, 13/09/2021

Em 2006, os então ministros Fernando Haddad e Gilberto Gil, da Educação e Cultura respectivamente, instituíram o Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL) consolidando uma série de propostas para a criação de estratégias de valorização do livro e da leitura. Quase dez anos depois, em 2015, Dilma Rousseff, então presidente, assinou o decreto que deu forma ao PNLL, mas foi em 2018, com a promulgação da Lei Castilho, que as bases do PNLL se tornaram uma política pública estatal para as áreas do livro, leitura e bibliotecas. Até agora, a lei não foi regulamentada pelo executivo e, desde 2019, a secretaria-executiva, responsável pela gestão técnica e operacional do Plano, está sem um titular. A última pessoa a ocupar o cargo foi Renata Costa. Na última sexta-feira (10), isso mudou. Uma portaria interministerial assinada por Gilson Machado Guimarães Neto, do Turismo, e Milton Ribeiro, da Educação, nomeou Nadja Cezar como secretária-executiva do PNLL. O mandato é de dois anos, podendo ser reconduzida por mais dois anos. Nadja, que é do corpo técnico do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE), acumulará o cargo de coordenadora-geral dos Programas do Livro. Ao PublishNews, Nadja declarou: “Espero poder contribuir nessa agenda que é tão importante para nossa educação”.

PublishNews, Talita Facchini, 13/09/2021

Em julho, o Podcast do PublishNews recebeu Elisa Von Randow, do estúdio Alles Blau, e Alceu Nunes, diretor de arte da Companhia das Letras, para debater o design editorial e a capa dos livros, um dos primeiros contatos do leitor com as obras. Ali, o Podcast começava, mesmo que informalmente, a série Ofícios, que quer apresentar aos assinantes do PublishNews as mais diferentes profissões da produção editorial. O assunto dessa vez é a tradução. Quais as dificuldades destes profissionais que tornam livros de diversos lugares e idiomas acessíveis para nós leitores do português? E o que tanto é preciso para ser um tradutor? Para falar sobre o tema, o Podcast do PublishNews recebeu o tradutor e escritor, Erico Assis e o editor e tradutor Guilherme Kroll. Na conversa, eles falaram sobre o que significa a tradução para cada um e como eles enxergam a importância desse trabalho. "Entendo que quando uma editora contrata um tradutor, ela tá contratando um escritor que vai reescrever aquele texto com toda a roupagem que tem uma cultura - no caso aqui a brasileira - e que vai colocar essa roupa nesse texto que nasceu em outro lugar", explicou Erico. "Estou encarregado, como tradutor, de fazer o texto funcionar e ficar – na minha língua – tão bonito quanto ele é na língua original", finalizou. Dando duas visões diferentes sobre o que é ser um tradutor, Assis e Kroll falaram ainda sobre como começaram suas carreiras, seus métodos de trabalho, a questão dos direitos autorais, do relacionamento - nem sempre perfeito - com as editoras, sobre prazos, remuneração e outros temas importantes. Clique no Leia Mais para conferir a íntegra desta nota e ouvir o programa.

PublishNews, Redação, 13/09/2021

Nesse final de semana, a Companhia das Letras virou notícia depois que decidiu recolher livro com crianças brincando em navio negreiro. Segundo matéria do UOL, a cientista social J.S. ficou indignada quando escolheu o livro infantil Abecê da Liberdade: A história de Luiz Gama para presentear o filho de uma amiga. Na obra sobre a infância do escritor e advogado Luiz Gama (1830-1882), figura histórica da luta abolicionista no país, leu cenas em que crianças negras no porão de um navio negreiro pulavam corda com correntes e achavam graça em brincar de escravos de Jó enquanto navegavam rumo à escravidão. Lançado originalmente em 2015 pelo selo Alfaguara da Editora Objetiva, o livro foi automaticamente incorporado ao catálogo da Companhia das Letrinhas quando a editora Objetiva foi adquirida pelo grupo. Uma segunda edição foi publicada em 2020, sem alterações, e vendeu cerca de duas mil cópias em todo o Brasil. A publicação é escrita por José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta, com ilustrações de Edu Oliveira. Em nota enviada à imprensa, a Companhia se retratou aos leitores: "Lamentamos profundamente que esse ou qualquer conteúdo publicado pela editora tenha causado dor ou constrangimento a algum de nossos leitores ou leitoras". No Valor, a notícia de que após 35 anos de mercado, Pascoal Soto deixa sua bem-sucedida carreira de editor para se tornar agente literário. Ele lança neste mês a P.S. Agenciamento, a mais nova empresa para cuidar da carreira de quem publica ou quer publicar livros no Brasil. A sigla vem de dois trocadilhos - as iniciais de seu nome e da conhecida P.S. (Post Scriptum), acrescentada no rodapé das mensagens, após a assinatura do autor - e quase sempre é a coisa mais importante a ser dita. Clique no Leia Mais para ter acesso à íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 13/09/2021

O editor Marcos Marcionilo, da Parábola Editorial, acaba de anunciar que a sua editora vai lançar, ainda em 2021, a quinta edição da Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. O título, elaborado por José Carlos de Azeredo, estava no catálogo da extinga PubliFolha e já esgotado. A programação é que as livrarias comecem a receber a nova edição a partir do próximo mês. “O projeto nasceu em minhas aulas de gramática na LabPub em maio deste ano. De tanto recomendar a ‘Gramática do Azeredo’ como a mais adequada ao estudo da língua portuguesa dos brasileiros, uma aluna vem e diz que não a encontra à venda. Penso: vou mandar uma mensagem ao professor Azeredo para que ele veja junto à PubliFolha o que acontece!”, disse Marcionilo em um post em suas redes sociais.

PublishNews, Redação, 13/09/2021

Escola de contos eróticos para viúvas (Essência / Planeta, 304 pp, R$ 49,90 – Trad.: Flávia Souto Maior), da autora Balli Kaur Jaswal, conta a história de Nikki, filha de imigrantes indianos que passou a maior parte de seus vinte e tantos anos distanciando-se da tradicional comunidade sikh em que nasceu, preferindo uma vida mais independente ou, em outras palavras, ocidental. No entanto, após a morte repentina de seu pai, sua família acaba ficando com problemas financeiros. Sentindo-se na obrigação de ajudar a mãe e a irmã, Nikki encontra a oportunidade perfeita de um trabalho extra: dar aulas de escrita criativa em um centro comunitário no coração da comunidade punjabi, em Londres. Quando chega lá, percebe que as viúvas sikh que serão suas alunas precisam primeiro aprender inglês para escrever pequenas cartas e ler placas... e não contos literários. Frustrada, Nikki duvida que seja apta a essa tarefa. Porém, ao notar uma das mulheres compartilhando um livro de contos eróticos com a turma, Nikki percebe que, por baixo de suas vestimentas brancas, suas alunas escondem uma enorme riqueza de fantasias e memórias. Logo, Nikki e as viúvas embarcam em uma jornada juntas, contando e escrevendo essas histórias que estavam guardadas dentro delas.

PublishNews, Redação, 13/09/2021

Em A porta (Intrínseca, 256 pp, R$ 44,90 – Trad.: Edith M. Elek), livro escritora húngara Magda Szabó, uma escritora culta, com uma relação nebulosa com as autoridades comunistas na Hungria moderna do pós-Segunda Guerra Mundial, contrata Emerenc ― camponesa, analfabeta, impassível, bruta e de idade indefinida ― como sua governanta. Emerenc mora sozinha em uma casa onde ninguém pode passar da porta de entrada, nem mesmo seus parentes mais próximos. Ela assume o controle do lar da patroa, tornando-se indispensável, experimentando um tipo de amor ― pelo menos até o tão desejado sucesso da escritora trazer à tona uma revelação devastadora. A força sobre-humana de Emerenc, sua disposição para ajudar os outros e fragmentos de sua biografia dolorosa constroem o mosaico do que parece uma existência transpassada por segredos. Na relação de dependência desenvolvida entre as protagonistas se encerram dúvidas e mistérios sobre a personalidade daquela que personifica um país que já não existe mais. A cada nova informação sobre a excêntrica governanta, emerge o cenário de uma Hungria ocupada e dividida, e até a relação de Emerenc com seus pertences é questionada. Quem é essa mulher e por que ela está fechada a qualquer intimidade com seus patrões? Todas as possibilidades são plausíveis até que as portas, metafóricas e literais, sejam, por fim, abertas.

“Escrever poemas é, antes, minha forma de prestar atenção nas coisas.”
Ana Martins Marques
Poeta brasileira
1.
Batman/Fortnite Vol. 03
2.
Batman/Fortnite Vol. 01
3.
Mentirosos
4.
Vermelho, branco e sangue azul
5.
Torto arado
6.
Amor & gelato
7.
Mais esperto que o diabo
8.
De porta em porta
9.
Mulheres que correm com os lobos (capa dura)
10.
Os sete maridos de Evelyn Hugo
 
PublishNews, Redação, 13/09/2021

Nicolas, um jovem psiquiatra francês, é convidado para trabalhar na Suíça logo após o fim da Segunda Guerra Mundial. Junto da esposa Anna, ele se muda para um pequeno vilarejo, próximo ao hospital psiquiátrico onde vai trabalhar. O lugar, conhecido por seus métodos humanizados de tratamento, recebe internos de toda a Europa. Resistindo a prescrever tratamentos como o eletrochoque, Nicolas conversa com seus pacientes até que algo seja descoberto — tanto no inconsciente do doente quanto no do próprio médico. Assim, diversas feridas de guerra vêm à tona, em um jogo delicado que mistura confiança e loucura. Tendo como pano de fundo o contexto de desenvolvimento das primeiras drogas contra a depressão e outras doenças psíquicas, Antônio Xerxenesky constrói em Uma tristeza infinita (Companhia das Letras, 254 pp, R$ 64,90), uma história tocante sobre os traumas, o passado e a possibilidade de ser feliz apesar do sofrimento.

PublishNews, Redação, 13/09/2021

Em 1956, dez anos após sua estreia na literatura, João Guimarães Rosa lançou a obra Corpo de baile em dois volumes com sete novelas. Mais tarde, essas mesmas histórias seriam distribuídas em três volumes distintos. Com o objetivo de capturar a experiência que o autor queria passar com o planejamento original, a Global lança agora um box com todo o conteúdo original de Corpo de baile (698 pp, R$ 149), além de arte exclusiva, novos projetos gráficos, capas e textos de apoios por renomados especialistas. A coletânea reúne os seguintes livros: Manuelzão e Miguilim, composto por duas novelas: Campo geral e Uma estória de amor; Urubuquaquá, No Pinhém, que tem com os contos O recado do morro, Cara-de-Bronze e A história de Lélio e Lina; e, por fim, o box fica completo com Noites do sertão, que conta com duas novelas, Dão-Lalalão e Buriti.

 
©2001-2021 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Henrique Schaumann, 1108 A, CEP 05413-011 Pinheiros, São Paulo -SP
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.