Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 29/04/2020
Somos especialistas em criação de projeto gráficos, diagramação de grandes materiais, tratamento de imagens e tradução e revisão de laudas.
Voltada ao segmento de bibliotecas, atende Bibliotecas de Instituições Públicas e Privadas, Colégios, e Empresas, buscando a satisfação das necessidades de seus clientes.
A FMZ está há 17 anos no mercado livreiro/editorial desenvolvendo o HORUS, sistema de gestão específico do segmento
PublishNews, Leonardo Neto, 29/04/2020

Saraiva tem um novo revés na sua tentativa de recuperação | Facebook da empresaNa última segunda-feira (27), o juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho, quem conduz o processo de recuperação judicial da Saraiva, atendeu ao pedido de 21 editoras que foram à Justiça solicitar que a varejista devolva parte dos livros consignados e mantidos em seus estoques. Entre as editoras que solicitaram a devolução estão grandes casas como Moderna, Companhia das Letras, Sextante, Planeta, Melhoramentos, Ediouro e Globo. As 21 editoras estão arroladas na lista de credores consolidada da Saraiva e os créditos somados de todas elas perfazem R$ 138 milhões. Ainda falando em números, o que as 21 editoras pedem é a devolução de mais de um milhão de exemplares: 621 mil cópias que estão nas lojas e outros 391 mil que estão no centro de distribuição (CD) da Saraiva em Cajamar, na Grande São Paulo. Na sua decisão, o magistrado revela que a Saraiva argumentou que estes livros são bens essenciais à continuidade de sua atividade e que a recolha poderia significar a sentença de sua falência. Mesmo assim, o juiz decidiu em favor das editoras. Ele aponta que a própria Saraiva informou à Justiça que 89% das suas vendas aconteciam em lojas físicas e, diante deste cenário, ele sustentou: “Se a Saraiva não consegue vender pelas lojas físicas (...) claro que não há mais sentido econômico em manter o atual estoque de livros em prejuízo das editoras. Evidente que as editoras não teriam entregue os livros se soubessem que 90% deles ficariam encalhados”. Clique no Leia Mais e confira a íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 29/04/2020

O oitavo episódio da #ArenaVirtual, projeto organizado pela Câmara Brasileira do Livro (CBL), PublishNews e Vá Ler Um Livro, recebe o cartunista Carlos Ruas. Ruas é o responsável pelas tirinhas Um sábado qualquer, que contam a criação do mundo de um jeito super bem-humorado e Cães e gatos que acompanha um cão e um gato que moram no mesmo lugar e que precisam lidar com suas diferenças. Na conversa, que acontece nesta quarta (29), às 20h, Carlos Ruas irá conversar com Taty Leite, do Vá Ler um Livro, sobre suas experiências com a leitura e suas inspirações. O bate-papo será transmitido ao vivo pelo perfil da CBL no Instagram (@cbloficial). E por falar em lives, o PublishNews criou uma página em que reúne diversos eventos virtuais que têm como foco o livro, a leitura ou a literatura. Para acessar esta página, clique aqui.

PublishNews, Redação, 29/04/2020

Desde o último mês, o PublishNews tem trazido duas vezes por semana, conversas com profissionais do mercado com ideias inovadoras para minimizar os efeitos da crise na indústria do livro. Este é o ColabPublishNews que já chegou a sete edições. Pensando também em aproximar os autores do seu público, o PN inicia nesta quarta-feira (29), um outro projeto, o Bate-papo com PublishNews, mais uma ideia para trazer mais ânimo em tempos de isolamento social. Giovanna Vaccaro é a primeira autora a participar do projeto. Giovanna publicou seu primeiro romance, Procura-se, aos 14 anos, e a obra E se..., um ano depois. Apresentou o Clube do Livro na TV Capricho, em 2016 e é responsável pelas áreas de produção gráfica e mídias sociais na editora Coerência. No bate-papo, que será mediado por Maju Alves, responsável pelos projetos especiais do PN, Giovanna irá falar sobre seus livros, processo de escrita, suas inspirações e próximos planos. A conversa acontece logo mais, às 17h, no Instagram do PublishNews (@publishne.ws). Quem quiser participar das próximas conversas é só mandar um e-mail para maju@publishnews.com.br.

PublishNews, Redação, 29/04/2020

No ano passado, pelo Rio2C passaram mais de 25 mil pessoas | © Instagram do eventoNo ano passado, a Rio2C reuniu mais de 25 mil pessoas que acompanharam 415 painéis e mais de 780 horas de conteúdo. Com esses números, se tornou um dos maiores eventos de inovação e criatividade da América Latina. A organização do evento estimou a geração de negócios na ordem de R$ 250 milhões nos seis dias de programação. Neste ano, o evento estava programado para acontecer entre os dias 5 e 10 de maio e tinha prevista uma área dedicada ao mercado editorial, a StoryVillage. O Rio2C teve que ser suspenso por conta da pandemia do novo coronavírus. Mas os organizadores não deixarão isso passar em branco. Eles desenvolveram uma iniciativa digital – o Rio2C @LIVE, para conectar os diversos setores da economia criativa e que começa, a partir do próximo dia 4 uma maratona de painéis gratuitos e uma série de reuniões de negócios virtuais para os mercados de audiovisual e de inovação. Clique no Leia Mais e confira a íntegra desta nota bem como a programação completa do StoryVillage no Rio2C @LIVE.

PublishNews, Redação, 29/04/2020

Na semana passada, o grupo Juntos pelo Livro, que reúne mais de uma centena de editores, enviou carta à Câmara Brasileira do Livro (CBL) pedindo mais prazo e diminuição das taxas de inscrições no Prêmio Jabuti, que em 2020 chega a sua 62ª edição. A CBL resolveu conceder mais prazo e, agora, os interessados em participar das 20 categorias do prêmio têm até às 18h do dia 29 de maio para se inscrever. Sobre a redução dos valores das inscrições, a CBL disse que não será possível mexer. “Ao disponibilizar o regulamento, a organização do Prêmio assume, com editoras e autores inscritos, o compromisso com as condições previamente estabelecidas, o que torna, no momento, inviável uma alteração nestes preços”, diz o documento. A entidade lembra ainda, em sua resposta, que o valor das inscrições não foi corrigido nas últimas quatro edições e que, há dois anos, houve um aumento no valor da premiação para os vencedores. Lembra ainda que a plataforma de inscrições permite o parcelamento em até três vezes no cartão de crédito. Podem concorrer ao Prêmio Jabuti obras inéditas com ISBN e Ficha Catalográfica, impressas ou digitais, publicadas em língua portuguesa no Brasil, em primeira edição entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2019. Clique aqui para conferir o regulamento e aqui aqui para fazer a inscrição.

PublishNews, Redação, 29/04/2020

O Prêmio Abeu abriu as inscrições para sua edição de 2020. A Associação Brasileira das Editoras Universitárias (Abeu) criou o prêmio em 2014 com o objetivo de dar reconhecimento às melhores edições universitárias do conhecimento científico e acadêmico, bem como a realçar o projeto gráfico e capa mais acurados. Até 20 de junho, as editoras poderão inscrever suas obras em oito categorias: Ciências Humanas; Ciências Sociais; Ciências da Vida; Ciências Naturais e Matemáticas; Ciências Sociais Aplicadas, e Linguística, Letras e Artes – no que concerne a conteúdos; Projeto Gráfico, no que concerne ao produto final do processo editorial; e Tradução. O regulamento completo e o formulário a ser preenchido para submissão dos títulos você encontra no site do prêmio. As editoras participantes receberão login e senha para que possam fazer a inserção dos dados e acompanhar o processo de inscrição. Poderão concorrer ao prêmio obras lançadas entre 1º de janeiro de 2019 e 31 de dezembro de 2019.

PublishNews, Redação, 29/04/2020

Em 1997, uma gripe acendeu o alerta vermelho em países do Oriente. Ao ler esta notícia nos jornais, o escritor Marcio Poletto achou que ali tinha uma história. Ele tinha lido Cem dias entre céu e mar, de Amyr Klink, e imaginou a saga de um navegador que passa 97 dias incomunicável enquanto fazia a travessia do Atlântico, do continente Africano até a Bahia. Ao desembarcar, descobre que uma pandemia atingiu o planeta e que um novo mundo terá de ser construído. Escreveu a história, mas não chegou a publicar. Deixou na gaveta. Toda vez que aparecia uma nova epidemia – e ele lembra que foram muitas nesses mais de 20 anos –, ele resgatava o texto, relia e reescrevia. Chegou a autopublicar o livro sem grandes sucessos. Agora, o romance Após a pandemia (6h17 min - R$ 24,90 ou no modelo de assinatura das principais plataformas de audiolivros | Narração: Paulo Carvalho) poderá ser finalmente conhecido pelo grande público. É que ele foi produzido no formato de audiolivro e está disponível nas plataformas Auti Books, Ubook, Storytel, Apple, Google e Spotify. O livro marca a estreia da editora sueca Word Audio Publishing no Brasil. As compras feitas pela Auti Books até o dia 10 de maio serão revertidas para a compra de cestas básicas para a população de comunidades carentes do Rio de Janeiro. A iniciativa conta com o apoio do autor e do Hortifruti – rede de grandes mercados especializados em frutas e verduras, com lojas no Espírito Santo, Rio de Janeiro e Minas Gerais – que oferece os produtos a preço de custo. O livro também está disponível na versão impressa, vendida em marketplaces pela Um Livro.

PublishNews, Redação, 29/04/2020

Neste mês de abril, a Alameda Editorial completa seus 16 anos. Para comemorar, a editora planejava dar uma festa no aniversário da Revolução dos Cravos (25 de abril), tema do primeiro livro que lançou em 2004. Por conta da pandemia do novo coronavírus, os planos foram adiados, mas a Alameda achou uma nova maneira de comemorar. Foi assim que surgiu a ideia do livro Histórias da pandemia (102 pp), organizado por Haroldo Ceravolo Sereza e Joana Monteleone e que reúne 10 histórias escritas por 10 autores convidados pela editora. A obra tem como objetivo ser uma resposta literária para o momento atual que vivemos e serve de homenagem a todos que ajudaram na sobrevivência da editora por esses 16 anos. Participam da obra: Paloma Franca Amorim, Marcelo Godoy, Vera Moll, Luiz Kignel e Patrícia Berton – e de mais cinco que, agora, com muito orgulho, também passam a sê-lo: Márcia Denser, Evanilton Gonçalves, Felipe Cruz, Luana Chnaiderman e Marana Borges. A versão digital do livro está disponível para download gratuito no período da quarentena para quem se cadastrar clicando aqui.

“As livrarias servem de oxigênio social e intelectual para o confinamento”
Jesús Trueba
Proprietário e livreiro da La Buena Vida, de Madri
1.
Tamo junto
2.
Decida vencer
3.
Mais esperto que o diabo
4.
21 lições para o século 21
5.
Box - Alice no país das maravilhas
6.
Sapiens ( edição de bolso)
7.
Como fazer amigos e Influenciar pessoas - Edição comemorativa 80 anos
8.
Drácula
9.
Pai rico, pai pobre - Edição de 20 anos
10.
Box Nórdicos
 
PublishNews, Redação, 29/04/2020

Filho da noite (Valentina, 160 pp, R$ 34,90), romance do ator e escritor Antonio Calloni, traz uma narrativa perturbadora, com elementos de terror psicológico e que envolve um filho, um pai, um casarão e um segredo. Dividido em duas partes, a obra remete o leitor a referências além das literárias e traz personagens complexos, criados em meio a um cotidiano aparentemente comum. “Neste novo texto de Calloni, nem mesmo o narrador é onisciente. Nem ele nem o autor sabem qual é o princípio e o fim das coisas. [o livro] Muda de pele. Passa pelo terror. Pelo mistério. Escapa de qualquer classificação de gênero”, analisa o imortal Geraldo Carneiro, que assina o prefácio.

PublishNews, Redação, 29/04/2020

Martha tem 52 anos e é filha do reitor de uma universidade, na Nova Inglaterra, nos EUA. Ela é casada com um professor do departamento de história, George, seis anos mais novo. Na volta de uma festa da casa de seu pai, já madrugada, o casal recebe o jovem professor de biologia Nick e sua esposa Honey. A noite avança e bebe-se muito. Em Quem tem medo de Virginia Woolf? (Grua, 176 pp, R$ 46), Edward Albee propõe, sob a forma de um ritual selvagem de expurgo, iluminar os caminhos sinuosos das paixões e desilusões que constroem um relacionamento. Neste texto, George e Martha expõem a seus convidados tensões psicológicas que forjaram sua união e vida concretas, num percurso demoníaco de desagravos, covardias e perversidades no qual a realidade e verdade revelam-se feitas de um material diverso do consagrado pela moral e pela tradição. Encenada pela primeira vez em 1962, Quem tem medo de Virginia Woolf? causou polêmica e tornou-se um clássico instantâneo da dramaturgia norte-americana.

 
©2001-2020 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Fidalga 471, Conjunto 3 | Vila Madalena | São Paulo | SP | Brasil | 05432-070
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.