Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 09/11/2018
Somos uma agência com experiência no mercado editorial e especializada em assessoria de imprensa e na produção de eventos destinados à conexão entre profissionais de diversas áreas.
Um agregador digital como a Bookwire, com tecnologia de ponta, informações ágeis e um painel de controle completo é fundamental para o sucesso de sua editora e de seus e-books. E agora toda esta tecnologia está disponível no Brasil.
Adaptamos seu valioso conteúdo para o universo digital com tecnologia de nível mundial. Na Hondana, o seu conteúdo é tratado da maneira que merece.
PublishNews, Leonardo Neto, 09/11/2018

Jeff Kinney é autor da série 'Diário de um banana' e presença certa na lista dos mais vendidos | © Filip Wollak / DivulgaçãoGreg conquistou os corações de jovens leitores brasileiros. Personagem da série Diário de um banana (V&R), de Jeff Kinney, é figurinha frequente na Lista dos Mais Vendidos. E, claro, não poderia ser diferente agora que saiu o 13º volume da franquia. Diário de um banana - Batalha neval conquistou a posição de número cinco da Lista Infantojuvenil ao vender 1.023 exemplares. O número foi suficiente para colocá-lo na 19ª posição da Lista Geral. Além do novo Diário de um banana, a lista deu as boas-vindas a outros três títulos. Destaque para A tolice da inteligência brasileira (LeYa), de Jessé Souza, que ficou na 18ª posição da Lista de Não Ficção. Foram 366 exemplares vendidos na semana de estreia. Ele é autor também de A elite do atraso (LeYa), que tem se mantido bem na lista. Nessa semana ficou em quarto lugar, com 1.025 cópias vendidas. Ainda em Não Ficção, estreou A saideira (Planeta), da jornalista Barbara Gancia. Foram 380 exemplares vendidos no período. O livro Hello Kitty – Hora de aprender (Ciranda Cultural) completa o time de estreantes. O livro da menina-gata ficou na 18ª posição da lista Infantojuvenil ao vender 393 exemplares. Clique no Leia Mais para ter acesso à íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 09/11/2018

Marcos Pereira, presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), disse ao jornal Valor Econômico que não apoiará o pedido de recuperação extrajudicial proposto pela Saraiva. “Preferimos ir direto para recuperação judicial porque isso vai acontecer e vamos perder tempo. É melhor a transparência de já saber quem são os credores e os prazos de pagamento", disse. Pela Lei de Falências, a Saraiva precisaria de apoio de 60% dos seus credores para pedir recuperação extrajudicial. Essa decisão do SNEL põe uma pá de cal nos planos da varejista. Em conversas com editores, a Saraiva tem proposto desconto de 40% e prazo de pagamento de até dez anos. 

PublishNews, Leonardo Neto, 09/11/2018

Mailson Furtado foi o vencedor do Livro do Ano do Prêmio Jabuti. Além da estatueta dourada, autor independente do interior do Ceará levou R$ 100 mil | © Estúdio WTF / Divulgação“Fiz o livro na mão, até a capa foi desenhada por mim”. Com essas palavras, o poeta cearense Mailson Furtado começou o seu discurso de agradecimento ao Prêmio Jabuti, organizado pela Câmara Brasileira do Livro (CBL) e que elegeu o seu À cidade o Livro do Ano de 2018.. O título marca a história do mais tradicional e longevo prêmio da cena literária brasileira como o primeiro livro independente a receber a sua categoria principal. “Eu sou de um estado onde todos os meus amigos pagam para ser publicados. O mercado precisa abrir os olhos para esses autores que escrevem com qualidade, mas não publicam mais porque não têm espaço, porque têm que se bancar. Espero que esse prêmio abra essa janela para todas as editoras e autores de qualidade que não têm espaço ou condições financeiras de lançar um livro. Esse prêmio não é meu, é nosso”, disse o vencedor no seu discurso. À cidade, vencedor na categoria Poesia, é um tributo à Varjota, cidade natal do autor que levou para casa o prêmio de R$ 100 mil, além da estatueta dourada. “É uma obra que fala sobre o meu lugar, uma cidade com menos de 50 anos e da qual não se tem nenhum registro bibliográfico”, disse. Na noite de ontem foram conhecidos ainda os vencedores em cada uma das 18 categorias do Jabuti que ganhou, ao completar 60 anos, um novo formato. Se antes, três livros recebiam a estatueta em cada uma das categorias, agora, o Jabuti só é entregue ao primeiro lugar que só é conhecido durante a cerimônia. O formato trouxe dinamismo e expectativa ao Prêmio. Clique no Leia Mais e confira a íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 09/11/2018

O Prêmio Off Flip de Literatura prorrogou as inscrições para sua edição de 2019. Os interessados têm agora até o dia 26 de novembro para enviar contos e poemas que serão publicados em coletânea em formato impresso e em e-book, com download gratuito. Os vencedores em literatura infantil e juvenil terão suas obras publicadas em livros ilustrados e em formato impresso e além da estadia em Paraty, passeio de escuna e cota de livros, levarão para casa R$ 30 mil. O sarau de premiação acontecerá no Sesc Paraty, durante a Festa Literária Internacional de Paraty (10 a 14/07) e o regulamento pode ser acessado clicando aqui

PublishNews, Redação, 09/11/2018

Marcos Piangers e Ana Cardoso com as filhas| © DivulgaçãoNeste sábado (10), a partir das 18h, a editora Belas Letras comemora seus dez anos de existência com evento que integra a programação da 64ª Feira do Livro de Porto Alegre. Faça acontecer reunirá autores de dez obras da editora, que compartilharão com o público relatos em formato TEDx, onde suas experiências pessoais e profissionais tragam inspiração sobre temas da vida contemporânea. Participam do evento os autores Marcos Piangers (O poder do eu te amo), Ana Cardoso (A mamãe é punk), Gabriel Gomes, Luciano Braga e Daniel Larusso (333 páginas para tirar seu projeto do papel), Tito Gusmão (Papo de grana), Gabriela Guerra e Caroline Cintra (Juntas), Tiago Mattos (Vai lá e faz - Just Get It Done) e Lau Patrón (71 Leões). O Faça acontecer tem como objetivo reafirmar a missão da editora como promotora de leitura nas escolas e na família e será transformado em livro, que será lançado em 2019. O evento é gratuito e acontece às 18h, no Teatro Carlos Urbim (Av. Sepúlveda, s/n – Porto Alegre / RS).

PublishNews, Redação, 09/11/2018

A edição de novembro do jornal Cândido, editado mensalmente pela Biblioteca Pública do Paraná, traz como destaque uma reportagem sobre a literatura pop brasileira. O escritor Santiago Nazarian mostra como essas narrativas trouxeram novas referências à literatura brasileira e aproximaram a ficção de outras manifestações culturais de massa. A partir de entrevistas com alguns “autores pop”, como Ana Paula Maia, Antônio Xerxeneski, Raphael Montes e Fernanda Young, Nazarian discute, entre outras coisas, como o cinema, a TV, os quadrinhos e a internet foram incorporados à literatura brasileira contemporânea — e como isso diversificou o panorama literário do país. A literatura brasileira também está na pauta da coluna Pensata. O poeta e crítico Antonio Carlos Secchin escreve sobre o uso do verso livre entre os poetas contemporâneos e do passado. Outro destaque da edição é o bate-papo com o jornalista e escritor Laurentino Gomes, que participou em agosto do projeto Um Escritor na Biblioteca. Além de falar sobre seus recentes best-sellers, o autor paranaense deu detalhes sobre sua nova empreitada: uma trilogia sobre a escravidão no Brasil. 

PublishNews, Redação, 09/11/2018

O objetivo da campanha 'O livro acolhe, abriga e ensina' é arrecadar livros para a composição do acervo de bibliotecas comunitárias | © João JClickA empresa de transporte urbano de Belo Horizonte, a SetraBH, lança no próximo dia 17, a terceira etapa do projeto O livro acolhe, abriga e ensina. O objetivo da campanha é arrecadar livros para a composição do acervo de bibliotecas comunitárias. Serão aceitos livros de literatura infantil e adulto e a meta é implantar pelo menos uma biblioteca em cada região de Belo Horizonte. O recolhimento dos livros será feito na capital mineira, através do Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus de Belo Horizonte, utilizando sua frota de quase três mil ônibus, as estações do sistema BRT Move e BHBUS. Além das garagens das empresas e da sede do SetraBH. Nas duas primeiras etapas, a campanha arrecadou mais de 390 mil livros entre obras literárias, didáticas e religiosas, que foram entregues à 620 entidades e instituições cadastradas, beneficiando assim mais de 235 mil pessoas.

PublishNews, Redação, 09/11/2018

Feira Milo(s) | © Fusca Azul ColetivoA Miolo(s), feira de editoras alternativas organizada pela Lote 42 começa neste sábado (10) na Biblioteca Mário de Andrade (Rua da Consolação, 94 – São Paulo / SP). Com a participação de mais de 150 editoras, artistas e coletivos, a quinta edição do evento irá homenagear este ano a obra do editor e poeta mineiro, Sebastião Nunes, e terá em sua programação mesas como O não-lugar das publicações independentes para crianças, A arte do livro e o livro de artista, a arte impressa no Rio da Prata e no Nordeste, e sobre o Retrato coletivo das feiras, festas e festivais independentes. Às 11h também acontece o lançamento do livro Casa da vó, da editora Devora. A obra de Lissa Sakajiri une imagens fotográficas e escrita afetiva para construir um quadro memorialístico dos sentimentos criados durante a infância passada na casa da avó materna. A Miolo(s) é gratuita e termina às 23h do sábado.

“Ler significa ouvir, ficar em silêncio. As pessoas têm tido muita dificuldade de ouvir no Brasil e no mundo todo.”
Pedro Herz
Livreiro brasileiro
1.
A sutil arte de ligar o foda-se
2.
As aventuras na Netoland com Luccas Neto
3.
O milagre da manhã
4.
Crença Inabalável
5.
Seja foda!
6.
Me poupe!
7.
O poder da ação
8.
Poesia que transforma
9.
O poder da autorresponsabilidade
10.
Felipe Neto - A vida por trás das câmeras
 
PublishNews, Redação, 09/11/2018

Engajado contra as calamidades da repressão, o jornalista e escritor Johann Hari investigou a fundo o paradoxo do proibicionismo no livro-reportagem Na fissura (Companhia das Letras, 528 pp, R$ 89,90 – Trad.: Hermano Brandes de Freitas). Sem negligenciar os perigos do consumo de narcóticos, que devem ser objeto de políticas médico sociais semelhantes às do álcool e do tabaco, o autor suíço-britânico denuncia os enormes prejuízos socioeconômicos causados pelo massacre de consumidores e vendedores postos na ilegalidade. Dos morros cariocas às montanhas suíças, passando por EUA, Canadá, México, Uruguai e sua Grã-Bretanha natal, Hari corporifica um balanço realista do problema. O livro mostra ainda como a guerra transformou os países na rota do tráfico e tem obliterado um debate honesto sobre as verdadeiras origens da adição.

PublishNews, Redação, 09/11/2018

Um garoto alienígena vindo de um planeta extinto, que cresce em uma cidade interiorana e se torna o maior herói que a humanidade já viu. Todo mundo conhece a história do Superman. Mas, após 80 anos como um dos principais personagens da cultura pop, ainda hoje poucos sabem em detalhes a trajetória de seus criadores: dois garotos sem superpoderes, mas cheios de talento e ideias fantásticas. A história de Joe Shuster: O artista por trás do Superman (Aleph, 192 pp, R$ 59,90 – Trad.: Marcia Men) é uma história em quadrinhos que narra a vida de um dos co-criadores do herói mais famoso do ocidente, ao mesmo tempo que explora a popularização dos quadrinhos modernos na Era de Ouro do gênero. Roteirizado por Julian Voloj e ilustrado por Thomas Campi, o livro é uma obra de ficção escrita a partir de uma meticulosa pesquisa sobre a vida do famoso ilustrador, apresentando um retrato realista da história, ao mesmo tempo em que joga luz sobre a biografia de Jerry Siegel, roteirista, colega de Shuster e co-criador do herói. O leitor terá a chance de conhecer as origens familiares de Shuster, sua juventude, o relacionamento com Siegel e a evolução de sua carreira, além de descobrir detalhes sobre a batalha judicial mais famosa da indústria dos quadrinhos. 

PublishNews, Redação, 09/11/2018

 
©2001-2018 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Fidalga 471, Conjunto 3 | Vila Madalena | São Paulo | SP | Brasil | 05432-070
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.