Caso não consiga visualizar corretamente esta mensagem, clique aqui.
PublishNews 23/05/2018
A psi7 Printing Solutions & Internet 7 S.A. é uma empresa de tecnologia na gestão de conteúdos que ajuda as empresas, sejam editoras ou indústrias, a propagar o seu conteúdo nos formatos impresso, áudio, dados ou eletrônico.
Revisora, copidesque e produtora editorial há mais de dez anos com experiência em todas as etapas da produção editorial.
Com mais de 20 anos de experiência na diagramação de livros, Julio Fado oferece um trabalho profissional, de qualidade e rápido. Além da diagramação de livros para impressão, ele também diagrama livros em formato digital.
PublishNews, Leonardo Neto, 23/05/2018

Loja da WHSmith no terminal cinco do aeroporto de Heathrow, em Londres | © DivulgaçãoA WHSmith completou, no ano passado, 225 anos de história. Nascida em 1792 como uma banca de jornal no Reino Unido, hoje se transformou em uma rede de mais de 1.400 lojas de conveniências em aeroportos, estações de trem, hospitais e postos de gasolina em 27 países, além da Inglaterra. Juntos, todos esses pontos de vendas ocupam uma área de quase 300 mil m² e recebem mais de 320 milhões de clientes por ano. Esses números devem crescer ainda em 2018. É que a rede anunciou a inauguração de sete lojas no aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro. As novas unidades fazem parte de um plano de expansão internacional no qual a WHSmith está investindo em torno de 1 milhão de libras (R$4,8 milhões). Clique no Leia Mais e tenha acesso à íntegra desta nota.

PublishNews, Redação, 23/05/2018

Olga Tokarczuk (à direita) e a tradutora Jennifer Croft (à esquerda) recebem 25 mil libras pelo Prêmio | © DivulgaçãoO Man Booker International Prize, que reconhece as obras estrangeiras traduzidas para o inglês e publicadas no Reino Unido, premiou na edição deste ano a polonesa Olga Tokarczuk, autora do livro Flights, traduzido por Jennifer Croft. Autora e tradutora receberão 25 mil libras (aproximadamente R$ 121 mil) cada, além de uma quantia de mil libras esterlinas por terem sido pré-selecionada. Flights reúne uma série de histórias que ligam fragmentos do século 17 aos dias atuais. Um dos contos, conta a história do anatomista Philip Verheyen, que no século XVII dissecou e desenhou imagens de sua própria perna amputada, descobrindo o tendão de Aquiles, e uma história sobre o coração de Chopin, que fez uma viagem secreta de Paris a Varsóvia. Segundo os jurados, a obra foi “brilhantemente traduzida” e “é maravilhosamente lúdica, espirituosa e irônica". Tokarczuk é autora de oito romances e duas coleções de contos. Já Croft é escritora e tradutora de polonês, espanhol e ucraniano. Olga tem um único livro publicado no Brasil: Os vagantes, lançado pela Tinta Negra em 2014.

PublishNews, Redação, 23/05/2018

O escritor americano Philip Roth faleceu nesta terça (22), aos 85 anos. Ganhador do Prêmio Pulitzer em 1997 pelo livro Pastoral americana (Companhia das Letras), ele era considerado um dos maiores romancistas da atualidade e foi o terceiro escritor americano a ter sua obra consagrada pela Library of America ainda em vida. Muitas das suas obras refletem as questões de identidade dos judeus dos EUA e o constrangimento e outras culpas secretas do ser humano. Ao todo, ele deixou mais de 30 livros escritos, entre eles romances, gênero pelo qual ficou conhecido, contos e ensaios. Pouco antes de morrer de insuficiência cardíaca, Philip se dedicava à produção de sua biografia, que está sendo escrita por Blake Bailey. Em 2017, o selo Companhia de Bolso relançou diversas obras do autor como Patrimônio, A humilhação, Operação Shylock, Teatro de Sabbath e Homem comum.

PublishNews, Redação, 23/05/2018

Morreu, nesta terça, Alberto Dines | © José Cruz / ABrMorreu também nesta terça (22), no hospital Albert Einstein, em São Paulo, o jornalista Alberto Dines. Ícone do jornalismo brasileiro, o carioca nascido em 1932 iniciou sua carreira na revista A cena muda, como crítico de cinema. Foi editor-chefe do Jornal do Brasil de 1962 a 1973, onde fez história durante a ditadura militar e colaborou para diversos veículos. De Lisboa, onde morou entre 1988 e 1995, assumiu o cargo de secretário editorial do Grupo Abril e lançou a revista Exame. Dines também escreveu e organizou mais de 15 livros e fundou o Observatório da Imprensa. O jornalista é dono da obra Morte no paraíso – A tragédia de Stefan Zweig, publicada pela Rocco e que em 2013 ganhou edição revista e ampliada pelo autor. 

PublishNews, Redação, 23/05/2018

Por mais de uma década, a Livraria Cultura fez chegar aos seus clientes, nos pontos de venda e de forma gratuita a Revista da Cultura, que levou ao público artigos de sobre assuntos extraídos das estantes da livraria: literatura, cinema, música, teatro, artes plásticas, filosofia, psicologia, sociologia, entre tantos outros. Agora, a rede renova o seu veículo de comunicação e relança a sua revista com novo nome: ]Cultura[. Com projeto gráfico da designer Renata Buono, o magazine traz ao público um visual moderno e conteúdo selecionado pelo editor Ivan Marsiglia, em concepção editorial da jornalista Laura Greenhalgh, também diretora de Comunicação da Livraria Cultura. “Ao longo desse tempo, já distribuímos em lojas um jornalzinho, depois uma newsletter, evoluímos para uma revista e agora criamos outra. Assim, continuamos a falar com nossos clientes e amigos de forma especial”, explica Pedro Herz, presidente do conselho da Livraria Cultura e também publisher da nova publicação. A publicação reúne nomes como a atriz Clarice Niskier, o professor de Ética Clóvis de Barros Filho e o pesquisador em robótica Marcos Pereira Barretto (Poli-USP) e oferece mensalmente um caderno literário encartado na própria publicação, o Fragmentos, com textos inéditos ou não, em prosa ou verso, mas sempre bem recomendados. A primeira edição sairá em junho, com tiragem de 40 mil exemplares e estará disponível gratuitamente em todas as lojas da rede.

PublishNews, Redação, 23/05/2018

Héctor Lozano, roteirista da série Merlí | © DivulgaçãoA Faro editorial comprou os direitos do novo livro de Héctor Lozano (na foto ao lado), o criador do seriado catalão Merlí (Netflix) que arrebatou milhares de fãs ao redor do mundo. O autor revelou ao final da terceira temporada o desejo de continuidade e aprofundar mais as histórias de alguns personagens, como a de Bruno e Pol Rubio, e por isso decidiu escrever uma história baseada no seriado. O livro Quando éramos os peripatéticos, em tradução literal traz uma história narrada por Bruno, filho de Merlí, alguns anos após o final do ensino médio e os sete anos seguintes. No livro, Bruno conta sob seu ponto de vista as experiências no período em que seu pai chegou ao colégio para assumir a cadeira de filosofia, o relacionamento com os demais personagens, o período em que esteve em Roma e como a vida tem se revelado para ele como um adulto nos dias de hoje. A obra, que já teve os direitos vendidos para o Reino Unido, EUA, França, Portugal, Romênia e demais países da América Latina, será lançada no Brasil no segundo semestre.

PublishNews, Redação, 23/05/2018

A Editora Cobogó prepara para os próximos meses a coleção O livro do disco. O primeiro livro é Clube da Esquina, de Paulo Thiago de Mello, com lançamento previsto para começo de junho. O volume conta a trajetória da criação do disco que surgiu da parceria entre os cantores e compositores Milton Nascimento e Lô Borges. As canções que celebram a amizade, além do amor à terra, carregam o espírito de Minas Gerais, onde começaram, na década de 1960, os encontros do grupo de amigos em torno da música. Simultaneamente, sai Tropicália ou Panis et Circensis, de Pedro Duarte. Esse fala sobre o movimento Tropicalismo que elaborou as obras mais antropofágicas da história da arte brasileira. Atingiu seu ápice com o disco-manifesto Tropicália ou Panis et Circencis, criado por um coletivo de artistas e músicos extraordinários: Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, Gal Costa, Os Mutantes, Nara Leão, Rogerio Duprat, Torquato Neto e José Carlos Capinam.

PublishNews, Cindy Leopoldo, 23/05/2018

Eu sei que não enxergo muito bem. Além disso, às vezes fico vesga e sinto que imagens se juntam. Se tiro os óculos, é tudo meio borrado, posso inclusive não ver movimentos. Mesmo assim, se uso um grupo de palavras em uma determinada ordem, é possível que eu te faça ver o que estou vendo e vice-versa. Ou até opinar sobre detalhes do que não estou vendo. E o entendimento realmente parece acontecer a partir do momento que encapamos a realidade em signos. Sinceramente, acho a comunicação inviável. Como também acho um avião voar ou um navio flutuar. É o tipo de milagre que acontece milhares de vezes por dia e não há explicação que baste. Só acontece porque está acontecendo já que, na verdade, pode não acontecer. Mas, se você ouvir bem o que se dá pelas esquinas do mundo, vai ver que não são bem as palavras e a ordem em que são colocadas. Há um tom de voz, um sentimento, um olhar, um emoji que seja, que faz as letras se juntarem ou se perderem de vez. Entender tem mais uma questão de afeto do que de visão ou audição. Como se entende isso? Clique no Leia Mais e tenha acesso à íntegra deste artigo.

“O escritor que vive distante do mundo não encontra matéria para a sua escrita, mas aquele que não consegue se distanciar dele não sabe o que fazer com ela.”
Oscar Nakasato
Escritor brasileiro
1.
As aventuras na Netoland com Luccas Neto
2.
A sutil arte de ligar o foda-se
3.
O milagre da manhã
4.
Metanoia
5.
Combate espiritual
6.
Maria, a nova primavera
7.
Jesus - O homem mais amado da história
8.
Felipe Neto - A vida por trás das câmeras
9.
Ainda sou eu
10.
Seja foda!
 
PublishNews, Redação, 23/05/2018

Obrigatórios em toda biblioteca e fundamentais para a formação de um bom leitor, os livros clássicos são convites para viajar por histórias, visitar outras épocas, experimentar a vivência de personagens diferentes ou conhecer assuntos através do olhar de grandes gênios. Para reverenciar essas obras essenciais, a Editora Nova Fronteira, em parceria com a Amazon, lançou a coleção Biblioteca Áurea, que resgata grandes títulos de escritores consagrados da literatura mundial, dos mais variados gêneros e épocas. Cada livro da coleção foi escolhido para representar o legado de seu autor. Os primeiros quatro títulos disponíveis são o Código dos homens honestos (144 pp, 39,90), de Honoré de Balzac; O homem sem qualidades (1.248 pp, R$ 109,90), de Robert Musil; Jane Eyre (480 pp, R$ 69,90), de Charlote Brontë e O vermelho e o negro (512 pp, R$ 69,90), de Stendhal. As edições chegam em capa dura e estão à venda exclusivamente pela Amazon.

PublishNews, Redação, 23/05/2018

O Centro de Apoio ao Escritor (CAE) da Casa das Rosas (Av. Paulista, 37 - São Paulo / SP) organiza um evento para assessorar escritores independentes e outros profissionais interessados no mercado literário. O SOS Literatura vai funcionar como um “pronto-atendimento literário” gratuito e aberto ao público, onde os participantes poderão sanar suas dúvidas sobre escrita – tanto prosa quanto poesia –, edição de livros, e-book, marketing para escritores e direitos autorais, com autores e profissionais do mercado. A poeta e contista Andréa Catrópa será a responsável pelo atendimento sobre prosa e poesia; Laura Bacellar, editora e escritora, fala sobre edição de livros e a relação com editoras; o designer gráfico e webdesigner Ricardo Botelho tira dúvidas sobre e-books e marketing para escritores; e João Ibaixe Jr., advogado da OAB/SP, aborda questões relacionadas a direitos autorais e de imagem. O SOS Literatura está marcado para o dia 27 de maio, das 14h às 17h. Para participar basta retirar, com uma hora de antecedência, uma senha na recepção do museu.

PublishNews, Redação, 23/05/2018

Aos 37 anos, a recém divorciada Vanessa está no fundo do poço. Deprimida, morando no apartamento de sua tia, ela não tem filhos, dinheiro ou amigos verdadeiros. Ao descobrir que Richard, seu rico e carismático ex-marido, está prestes a se casar de novo, algo dentro de Vanessa se quebra. A partir de agora, sua vida irá revolver em torno de uma única obsessão: impedir esse matrimônio. Custe o que custar. Na superfície, Nellie se parece com qualquer outra jovem bela e sonhadora que veio para Manhattan começar sua tão sonhada vida adulta. Mas a personalidade tranquila que ostenta é apenas uma fachada. Em sua mente, perdura um segredo que a fez fugir de sua cidade natal e que a impede de caminhar em paz quando está sozinha. Ao conhecer Richard – bem-sucedido, protetor, o homem dos sonhos – ela finalmente começa a sentir-se segura. Mas, de repente, ela começa a receber ligações misteriosas. Fotografias em seu quarto são movidas de lugar. O lenço que ela planejava usar em seu casamento desaparece. Alguém está perseguindo-a, alguém quer o seu mal. Mas quem? A mulher entre nós (Paralela / Companhia das Letras, 352 pp, R$ 34,90 – Trad.: Alexandre Boide), livro de Greer Hendricks e Sarah Pekkanen é um suspense que explora as complexidades do casamento e as verdades perigosas que ignoramos em nome do amor.

PublishNews, Redação, 23/05/2018

Jane Hughes recomeçou a vida em uma cidade no interior do País de Gales, onde trabalha em um abrigo de animais. Seu nome de batismo, Emma Woolfe, ficou esquecido no passado, quando uma desastrosa viagem de férias com suas melhores amigas para um hotel nas montanhas do Nepal, terminou com a morte de duas delas. Cinco anos depois, parece que essa história está preparada para voltar à tona. Em mais um dia normal de trabalho, Jane recebe uma carta anônima de alguém que sabe os seus segredos e esse alguém está disposto a infernizá-la. As mensagens se tornam frequentes e a única saída é procurar Al, a outra amiga sobrevivente, com quem Jane não fala desde o desastre. Envolto em segredos, A farsa (Bertrand / Record, 350 pp, R$ 49,90 – Trad.: Daniel Estill) é um thriller psicológico nos moldes de A garota no trem. A narrativa, dividida entre o passado e o presente de Emma, mostra que o hotel no Nepal não era tão inofensivo quanto parecia. Em um lugar sem comunicação com o mundo externo, a amizade entre as cinco mulheres é lentamente colocada à prova até, finalmente, se romper.

PublishNews, Redação, 23/05/2018

Romance de estreia de Travis Mulhauser, Depois da tempestade (Fábrica 231 / Rocco, 256 pp, R$ 39,90 – Trad.: Fabiana Colasanti) é um suspense ambientado no gelado e distante condado de Cutler, no Michigan, região natal do autor. O ar soturno e frio do lugar perpassa toda a narrativa, que tem início quando a jovem Percy James pega seu carro em meio a uma tempestade de neve para ir à procura da mãe viciada, certa de que vai encontrá-la na fazenda de Shelton Potter, um conhecido traficante. Ao chegar lá, porém, Percy se depara com uma cena inesperada (e assustadora): um cachorro morto, Shelton e a namorada completamente desacordados e um bebê desprotegido num quarto com as janelas abertas. Só resta à protagonista resgatar a pequena Jenna e pedir ajuda a Portis Dale, seu único amigo e o mais próximo de uma figura paterna que ela já teve, que vive numa cabana isolada na colina. A partir daí, a trama toma a forma de uma perseguição eletrizante. E entre mortos e sobreviventes, nenhum dos personagens sairá ileso.

PublishNews, Redação, 23/05/2018

Em O assassino do zodíaco (Jangada / Pensamento, 464 pp, R$ 46,90), Sam Wilson fala sobre uma série de assassinatos de brutalidade incomum que tem como vítimas pessoas de classes sociais muito diferentes. Numa sociedade corrupta e violenta, dividida pelos signos do Zodíaco, as desigualdades entre as pessoas vêm do berço e continuam por toda a vida. Alguns minutos de diferença, no momento do nascimento, podem significar uma vida de luxo, como a de Capricórnio, ou de pobreza e sofrimento, como a de Áries. Seriam esses crimes uma rebelião contra o sistema ou obra de um serial killer? Para encontrar uma resposta, o detetive Jerome Burton se junta à astróloga forense Lindi Childs. Juntos eles percorrem uma trajetória sombria para tentar desvendar uma história tenebrosa de traição, amores perdidos, promessas quebradas e uma verdade devastadora capaz de abalar o mundo em que vivem.

PublishNews, Redação, 23/05/2018

O jovem Addison Schacht tem 18 anos e está terminando o ensino médio. Preenchendo o formulário para concorrer a uma vaga na universidade, ele para em uma das perguntas: “Quais são suas maiores qualidades e seus piores defeitos?” Enquanto pensa na sua trajetória até ali e decide se deve ou não continuar os estudos, o rapaz vai levando a vida, vendendo drogas na escola, arrumando briga com os professores e tentando entender sua relação com a melhor amiga Digger. Mas quando Kevin, um colega de turma, é assassinado, Addison decide fazer uma investigação por conta própria. E, quanto mais ele descobre a respeito desse mistério, mais mergulha em questões ocultas de seu próprio passado. Os criminosos de novembro (Planeta, 304 pp, R$ 46,90), de Sam Munson, deu origem al filme de Sacha Gervasi, com Ansel Elgort e Chloë Grace Moretz.

 
©2001-2018 por Carrenho Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.
Rua Fidalga 471, Conjunto 3 | Vila Madalena | São Paulo | SP | Brasil | 05432-070
O conteúdo deste site não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.