A força da mulher no mercado
PublishNews, Leonardo Neto, 08/03/2018
Cerimônia de entrega do Prêmio Avena PublishNews, no próximo dia 19, terá uma mesa especial com CEOs mulheres de grandes casas editoriais que operam no Brasil

Uma pesquisa recente realizada no Reino Unido apontou que 84,6% da força de trabalho da indústria editorial local era composta por mulheres. Pesquisa semelhante, realizada nos EUA, deu conta que 78% dos postos de trabalho da indústria do livro eram ocupados por elas. No entanto, mesmo nestes mercados mais maduros, há poucas mulheres nos cargos de CEO de editoras. Nos EUA, Carolyn Reidy é uma dessas raridades. Ela comanda a Simon & Schuster, a quinta maior editora do país. No último CEO Talk da Feira do Livro de Frankfurt, ela defendeu, com muito bom humor, que isso precisava ser alterado.

No Brasil, não há pesquisas que apontem o número de mulheres trabalhando no mercado, mas, numa observação, é possível afirmar que elas são a maioria. No entanto, se você olhar para o topo da estrutura organizacional das maiores casas brasileiras, verá pouquíssimas mulheres. Algumas delas farão parte de uma mesa especial que acontecerá durante a cerimônia de entrega do Prêmio Avena PublishNews, no próximo dia 19. Vamos reunir Patrícia Hespanha, CEO da HarperCollins Brasil; Rosely Boschini, da Editora Gente, e Sonia Jardim, da Record, para um bate-papo com Raquel Cozer, editora da Intrínseca. Juntas, elas vão debater o papel da mulher na indústria, as perspectivas de futuro para elas e onde elas querem chegar. 

Para Sonia Jardim, é natural que a maioria da força de trabalho da indústria editorial (seja aqui no Brasil, nos EUA ou no Reino Unido) seja ocupada por mulheres. “Está em linha com o mercado leitor, que é predominantemente feminino. Isso acaba refletindo na indústria”, atesta. Para ela, as mulheres já têm conquistado importantes postos. “Até dois anos atrás, se você olhasse para as cinco maiores casas editoriais do Brasil, não veria nenhuma mulher no topo”, comenta. Ela tem razão. No Ranking Geral das Editoras de 2015, das cinco maiores editoras nenhuma era dirigida por mulheres. Já no de 2017, duas casas entre as cinco maiores eram dirigidas por mulheres: Grupo Editorial Record, pela Sonia, e Gente, por Rosely.

Patrícia Hespanha vai em consonância com Sonia e acredita que seja só uma questão de tempo para que mulheres passem a ocupar postos mais elevados na indústria. “Como a gente já viu, no mercado de maneira geral, a mulher leva um pouco mais de tempo do que os homens para chegar aos cargos de direção, mas eu tenho certeza de que se a gente voltar a ter esse mesmo bate-papo daqui a cinco ou dez anos, vamos ter um equilíbrio muito maios. Temos que continuar essa trajetória de conquista”, conclamou.

Sobre o Prêmio Avena PublishNews

Organizado pelo PublishNews e pela International Paper, o Prêmio Avena PublishNews dá o reconhecimento aos profissionais de marketing e de vendas por trás dos livros mais vendidos em cada uma das cinco categorias das Listas dos Mais Vendidos do PublishNews. Serão entregues troféus aos três primeiros colocados em cada uma das categorias (Ficção, Não Ficção, Autoajuda, Infantojuvenil e Negócios). Além disso, será eleito um profissional de marketing e de vendas que tenha se destacado ao longo de 2017 e uma personalidade da indústria do livro receberá um troféu pela sua contribuição ao mercado. A cerimônia acontece no próximo dia 19, a partir das 19h, na Unibes Cultural (Rua Oscar Freire, 2.500 – São Paulo / SP). Quem quiser participar do evento, basta preencher o formulário. As vagas são limitadas.

[08/03/2018 11:53:00]