Diários de Frankfurt - Antes mesmo de começar o batidão da Feira, Rafaela aprende a sua primeira lição
PublishNews, Rafaela Lamas*, 11/10/2017
Depois dos primeiros contatos com os agentes internacionais, nossa marinheira de primeira viagem conclui: 'é importante respirar fundo, segurar a onda do deslumbramento'

Nos dois primeiros dias dessa jornada, enquanto os expositores preparam seus estandes e ainda não é dada a largada para o início da Feira (o que só aconteceu hoje), muitos agentes literários e editores já começam suas rodadas de reuniões em lugares alternativos à sede do evento.

Um dos mais tradicionais e pomposos pontos de encontro do mercado editorial na cidade é o Steigenberger Frankfurter Hof, um hotel luxuosíssimo localizado na Kaiserplatz. 

Pausa para uma perguntinha muito importante: para vocês o nome da praça também parece ser bem mais fácil de pronunciar que o nome do hotel? Pois bem. E eu ainda descobri que sou melhor compreendida quando digo que estou indo para a praça ao invés de dizer que estou indo para o hotel. Em dias de trabalho duro como esses, não faz mal cortar caminhos e poupar um pouco de energia quando dá, né? Faz é um bem danado, isso sim. Portanto, doa a quem doer, enquanto minha pronúncia do nome do hotel não melhorar, seguirei fazendo muitas reuniões na Kaiserplatz.

Agora de volta ao papo sério, vale dizer que esses dois dias de encontros que antecederam a abertura da Feira foram muito bons para eu perceber o quão importante foi sair do Brasil já bastante focada no tipo de livro que estou buscando.

Estar no maior evento do mercado editorial é fascinante: aqui se abre uma infinidade de portas, em vários sentidos. E, no caso específico das possibilidades de aquisições, é surreal a quantidade de livros a que somos apresentados.

E os agentes literários e editores que vêm para a feira exportar seu conteúdo não estão aqui para brincadeira, o que é bastante compreensível. Eles são também vendedores e existem aqueles que sabem apresentar seus produtos com muita paixão, olho no olho, sabe? Só falta mesmo subir a cortina vermelha e você se ver n’alguma cadeira da plateia tendo absoluta certeza de que aquela história que acabou de mudar a sua vida pode virar um best-seller. Sabemos, nem sempre é bem assim que as coisas acontecem.

Portanto, e acho que principalmente para marinheiros de primeira(s) viagem(ns), é importante respirar fundo, segurar a onda do deslumbramento e lembrar que esse-livro-sensacional-que-poderia-ser-o-SEU-livro-de-cabeceira nem sempre vai fazer sentido para o catálogo da sua editora. É preciso ter foco no que a empresa está buscando e no que pode realmente ser absorvido pelo mercado brasileiro.

No Grupo Autêntica, por exemplo, temos nessa edição da Feira uma equipe de três pessoas fazendo reuniões em nome dos cinco selos do Grupo. Saímos do Brasil alinhadas com as expectativas de cada editor, com a linha editorial de cada selo e com as tendências do mercado para não corrermos o risco de (i) levar para casa um amontoado de propostas desconexas, gerando um retrabalho de avaliação de originais que nem deveriam ter sido solicitados; (ii) deixar o livro do ano passar despercebido no meio disso tudo.

Agora já está ficando tarde por aqui. Preciso desligar o computador e fazer a minha Ode ao Foco antes de dormir. Amanhã encaro o primeiro dia de reuniões na Feira! 

PS: Não dá para fechar esse diário sem mencionar a cerimônia de abertura da Feira que reuniu Emmanuel Macron, presidente da França, e Angela Merkel, chanceler da Alemanha, em um discurso em prol da arte, da cultura e da liberdade de expressão. Para os que – assim como eu – não puderam comparecer, vale a pena conferir a cobertura que o PublishNews fez do evento.

Veja mais alguns cliques de Rafaela por Frankfurt.

Hall do Frankfurter Hoff, o hotel onde muita coisa acontece | © Rafaela Lamas
Hall do Frankfurter Hoff, o hotel onde muita coisa acontece | © Rafaela Lamas

Aproveitando os últimos suspiros de tranquilidade nos dias que antecedem a feira, Rafaela conseguiu andar pelas margens do Main, o rio que corta Frankfurt | © Rafaela Lamas
Aproveitando os últimos suspiros de tranquilidade nos dias que antecedem a feira, Rafaela conseguiu andar pelas margens do Main, o rio que corta Frankfurt | © Rafaela Lamas

Mais um pouco da cidade | © Rafaela Lamas
Mais um pouco da cidade | © Rafaela Lamas

Nas suas andanças, Rafaela entrou nessa livraria | © Rafaela Lamas
Nas suas andanças, Rafaela entrou nessa livraria | © Rafaela Lamas

* Rafaela Lamas, 25 anos, coordenadora do departamento de Direitos Autorais do Grupo Autêntica e Assistente Editorial na Autêntica Editora. Bacharel em Ciências do Estado pela UFMG e profissional do mercado editorial há três anos. À disposição para bater aquele papo sobre escrever certo por linhas tortas e tentar explicar coméqu’eu vim parar aqui.

[11/10/2017 07:30:00]