Publicidade
Publicidade
Da utopia caímos na distopia
PublishNews, Julio Silveira, 10/10/2017
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?

Marshall McLuhan profetizou que a internet, dando voz a todo mundo e gerando uma multiplicidade de perspectivas iria desmoralizar a “propaganda” (sentido inglês) política: com fácil acesso à comunicação (e à expressão), cairiam por terra as máscaras fascistas. Da utopia caímos na distopia. Hoje parece que a tal multiplicidade se reduziu a duas “fasces” — que ficam dando golpes de mentira uns nos outros. E como ficamos nós editores, que temos como material de trabalho as ideias e a informação?

Ao mesmo tempo, nunca a disseminação das ideias foi tão eficiente: um mero post tem o poder de inflamar milhões de debatedores. Se as ideias correm, já a informação empaca: mais importam as opiniões que os fatos; a força que a consistência. Diante da avalanche de “respostas” (e de sua “qualidade”), como ficam aqueles que trabalham com informação e a troca de ideias? Desistem? Proponho aqui o contrário: que aprendamos com a “burrice” e que se empreguemos melhor sua energia. Aprendamos com paradoxos.

Eis um exemplo: com o caso do Queermuseu incomodando milhões na rede, a arte voltou a ser transgressora — capacidade que vem perdendo desde os urinóis de Duchamp — e, portanto, relevante. Multidões que nunca foram a museus agora não só sabem de sua existência como discutem (pontificam e vociferam) sobre o que é arte. Cinismo à parte, quando se pensa no negócio dos editores (o da circulação de ideias), o que verificamos é um enorme aumento do público consumidor (potencial) e uma divulgação poderosa e (em mais de um sentido) gratuita. Antes de me maldizer, pense em quantas pessoas saberiam da tal exposição sem a “ajuda” dos Savonarolas da web?

Não estou dizendo que os autos-da-fé da internet sejam mera estratégia de marketing. Estou dizendo que precisamos entender os mecanismos que os tornam tão virais (ou viróticos) para — quem sabe — empregá-los para fins diametralmente opostos, os construtivos.

“Não existe má publicidade”, já dizia o dono do circo. Mesmo o que postamos voluntariamente para humilhar “o outro lado” quase sempre sai pela culatra, dando exposição ao que deveríamos esconder, relevância ao que deveria ser ignorado. Há quem desconfie que tudo é deliberado e que postar algo vexaminoso seja apenas uma calculada estratégia de marketing. Quem saberia, por exemplo, quem é o rapper B. o. B. se ele não defendesse que a Terra é plana? Do mesmo modo, quantas pessoas não ficaram sabendo de “certas figuras políticas” somente porque outras pessoas, com as “melhores intenções”, as denunciaram ou ridicularizaram… e assim trabalharam para sua divulgação? “Pior do que falarem mal de você é não falarem mal de você”… será mesmo? (Quem disse isso, aliás, acabou pelo pudico império britânico).

Escritores e músicos (estabelecidos e do establishment) organizaram um contra-ataque aos detratores on-line. Suas ideias são melhores (ou ao menos mais elegantes), mas eles já começam perdendo, na escolha das armas. Discursos e argumentos nada podem diante de memes toscos. Não adianta gostar da política como em mil novecentos e sessenta e seis se hoje dançamos nos fanatic fake news days.

A maioria dos editores está na mesma situação destes escritores e músicos: têm a informação, a reflexão e acesso aos meios de comunicação tradicionais. Porém não têm a força imediata, estabanada e irreprimível do novo meio, a rede. A relação dos editores com a internet começou com soberba desconfiança e descambou para o desespero subserviente, haja vista a lista de bestsellers coalhada de autores que já faziam enorme sucesso on-line, antes de escreverem uma linha.

Editores podem voltar a ser importantes e reassumir seu mais-que-nunca-nunca necessário papel curatorial (o de pinçar e aprimorar, na barafunda catártica da web, o que tiver potencial) quando conseguirmos compor o aparentemente inconciliável e soubermos publicar, com a virulência dos escândalos, o que tiver de fato informação e reflexão originais; quando superarmos fake news com new takes: novas formas de engajar e agarrar os leitores; quando dermos ao público, de forma fácil e inteligente, o que eles conseguem de forma fácil e burra na internet: uma voz e um canal.

E quem sabe então será cumprida a profecia de McLuhan:

O público, no sentido de um grande consenso de pontos de vista distintos e diferentes, acabou. Hoje o público (sucessor da “plateia de massa”) pode ser uma força criativa e participante. […] Uma nova forma de “política” está emergindo, uma forma que ainda não nos demos conta.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É  promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

[10/10/2017 07:30:00]
Publicidade

A Primavera Literária, o mais tradicional das editoras independentes no Brasil, é um evento que contribui para a movimentação da atividade econômica do setor editorial, para a democratização da leitura e para a discussão de políticas públicas para Livro e da Leitura. Haverá programação cultural com temáticas efervescentes e as crianças serão contempladas com o Espaço Infantil Clube Quindim estreando este ano. O evento é gratuito, não fique de fora!

Leia também
Julio Silveira faz balanço da Flip, elogia a curadoria de Josélia Aguiar e dá força para a criação da 'federação de festivais', ideia proposta durante mesa na Casa PublishNews
Nosso colunista Julio Silveira esteve no Festival de Literatura-Mundo na ilha do Sal, em Cabo Verde. De volta ao Brasil, ele conta o que viu por lá.
Em sua coluna, Julio Silveira fala do caso Cosac e conclui: 'se não mudarmos, bibliocídios como a da Cosac vão se repetir, e se intensificar. E os livros no Brasil continuarão não valendo nada.
O livro vai mal, e vai ficar igual se a gente não pensar diferente
Julio Silveira usa a história da editora da qual foi sócio para refletir sobre a evolução do mercado editorial brasileiro nos últimos 20 anos
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala da importância dos livros de ficção em sua vida, e sobre como a ficção e não ficção se completam
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Henderson fala sobre a sua preocupação de que a atual onda de censuras difusas a exposições chegue, em breve, ao mercado editorial
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
Nenhum livro realmente vale a pena ler na idade de dez anos que não valha igualmente - e muitas vezes muito mais - na idade de cinquenta anos.
C. S. Lewis
Escritor britânico (1898 - 1963)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar