Publicidade
Publicidade
Como a leitura pode salvar ou destruir um país
PublishNews, Pedro Almeida, 13/12/2016
Em sua coluna, Pedro Almeida faz uma relação entre as compras governamentais e os resultados do PISA e conclui que a suspensão de programas como o PNBE tem impacto direto futuro do país

Nos cursos que tenho ministrado, sempre aprendo e me reciclo bastante.

Numa oportunidade dessas, no Rio de Janeiro, estive com Anna Rennhack, pedagoga e mestre em Educação que, por cerca de 13 anos, exerceu o cargo de gerente de Relações Institucionais no Grupo Record. Seu foco principal eram as vendas para governos. Dela, ouvi uma informação preocupante, mas que precisa ser mais discutida e que já provocou inúmeras baixas no mercado editorial, de pessoas e empresas e, se não estivermos atentos, pode provocar um dano muito maior, na Educação, na formação de leitores, no futuro de nossos profissionais de todas as áreas.

Anna Rennhack foi quem deu o start deste artigo de Pedro Almeida
Anna Rennhack foi quem deu o start deste artigo de Pedro Almeida
Há dois anos um tipo de compra de livros está paralisada: são as compras de livros para bibliotecas das escolas, PNBE, e tudo indica que não haverá compras em 2017. E nada hoje parece desanuviar o cenário para 2018!

No último ano em que houve compras do PNBE, 2014, elas representaram quase 20 milhões de livros infantis e juvenis, correspondendo a 66% do mercado infantojuvenil. Isso significa dizer que nos últimos dois anos o mercado editorial neste segmento encolheu para 1/3.

Quais as consequências? Desemprego de profissionais, editores, autores, ilustradores, gráficos, revisores, tradutores, agentes, vendedores. Livros que saíram de catálogo e não voltarão. Pessoas que precisaram redirecionar a dedicação de uma vida à Educação e precisam buscar novas atividades profissionais. São muitas as editoras que fecharam, e há várias outras segurando as portas por um fio (e por idealismo), tentando garantir a existência na esperança de alguma melhora em breve.

Mas isto não sensibiliza muita gente, afinal, é o país inteiro na mesma crise.

Então outro algo deveria sensibilizar.

Acabam de sair os resultados do PISA, avaliação de estudantes brasileiros em relação a outros 70 países do mundo e nosso país ficou dentre os últimos colocados: 65º dos 70 avaliados, atrás de Kosovo, Tunísia e Argélia, por exemplo.

Muita gente diz que o resultado passa por valorização do professor. Penso que sim, mas não apenas salário. É investimento na formação, na estrutura das escolas, na definição de prioridades do currículo escolar, na disciplina tanto para alunos quanto para todo corpo de professores. Greves frequentes, faltas de professores, escolas sem estrutura física razoável, retirada de autoridade dos professores em salas de aula são elementos mais graves do que oferecer um conteúdo mediano, mas frequente e consistente aos alunos.

Meses atrás, publiquei num artigo a declaração da doutora em Educação, Emília Amaral, sobre como se alterou nas últimas décadas o ensino de literatura, apoiado por uma visão pós-modernista.

Segundo ela, passou-se a oferecer literatura a partir de questões externas às histórias dos livros. Basicamente significa dizer que o aluno saber se o autor / personagem era negro, homossexual, perseguido passou a ter mais destaque que a história narrada. Muitos desses livros passaram a ser vistos apenas por trechos, então não importava mais agora conhecer a história.

Olhem as questões do Enem e vejam como analisar a mente do poeta, o momento da produção da escritora é o destaque das questões. Não há literatura ali. Não é preciso ler um livro do autor para responder a essas perguntas.

Numa idade em que deveríamos formar leitores, fazer mais pessoas terem prazer com a leitura, desestimulamos o prazer pela ideia de tornar aquele possível futuro leitor num crítico literário e social. Mas não se torna um crítico sem antes haver leitura com compreensão.

Não à toa temos gente disparando ideias e ideais nas redes sociais sem qualquer estudo histórico. Uma geração que não sabe somar, não relaciona causa e consequência, que joga culpa no Estado e nos pais por todas as mazelas, mas não assume parte da responsabilidade.

É sobre isso que se trata a leitura.

É sobre esses jovens e adolescentes, que não terão livros novos, atuais, desafiadores nos próximos anos que veremos resultados ainda piores.

E o que se dizer do índice de leitura. A pesquisa “Retratos da Leitura”, de 2007, indicou que apenas 55% se declaravam leitores no Brasil. Em 2015, com o boom de compra de livros dos anos anteriores para as bibliotecas esse número subiu para 57%, e 4,96 livros lidos per capta. O que devemos esperar para 2017? Certamente uma queda. E bem grande.

Se a retomada das compras governamentais de livros, que alguns poderiam ver como meio de salvar empresas (no caso, as editoras), não é algo sensibilizante e capaz de produzir votos e aumentar a aceitação de um político, o argumento de salvar uma geração do analfabetismo funcional deveria ser considerado algo forte, pois tem impacto direto futuro do país e melhora de índices de emprego, renda, saúde e segurança. Sim, a falta de leitura pode destruir um país.

Pedro Almeida é jornalista e professor de literatura, com curso de Marketing pela Universidade de Berkeley. Autor de diversos livros, dentre eles alguns ligados aos animais, uma de suas paixões, trabalha no mercado editorial há 20 anos. Foi publisher em editoras como Ediouro, Novo Conceito, LeYa e Lafonte. Atualmente inicia uma nova etapa de sua carreira, lançando a própria editora: Faro Editorial.

Sua coluna traz exemplos recolhidos do cinema que ajudam a entender como funciona o mercado editorial na prática. Como é o trabalho de um ghost writer? O que está em jogo na hora de contratar um original? Como transformar um autor em um best-seller? Muitas dessas questões tão corriqueiras para um editor são o pano de fundo de alguns filmes que já passaram pelas nossas vidas. Quem quer trabalhar no mercado editorial encontrará nesses filmes algumas lições importantes. Quem já trabalha terá com quem “dividir o isolamento”, um dos estigmas dos editores de livros. Pedro Almeida coleciona alguns exemplos e vai comentá-los uma vez por mês.

Tags: PNBE
[13/12/2016 10:17:00]
Publicidade

O Prêmio Avena PublishNews é uma realização da International Paper e do PublishNews com o objetivo de reconhecer os livros mais vendidos de 2016 e os profissionais de vendas e marketing por trás destes sucessos de prateleira. Trata-se do primeiro prêmio direcionado especificamente para aqueles que cuidam da comercialização dos livros. A cerimônia de premiação acontecerá em São Paulo, no dia 29 de março, com apoio da Unibes Cultural. São cinco categorias baseadas nos números de vendas da lista anual de mais vendidos de 2016, além dos prêmios de Livro Mais Vendido do Ano, Editora do Ano, Profissional de Marketing e Vendas do Ano e a láurea especial Prêmio PublishNews Avena de Contribuição ao Mercado Editorial.

Leia também
Sim, ter um livro que vai virar filme é ótimo, mas como “pegar essa carona”? Pedro Almeida responde
Pedro Almeida: 'a Bienal desse ano se tornou o evento de Literatura mais importante que as festas literárias, pois aproximou de vez leitores e autores como nenhum outro'
Pedro Almeida escreve sua própria análise do quadro apresentado pela Retratos da Leitura e provoca: 'Agora que temos dados, o que fazer com eles?'
Em sua coluna, Pedro Almeida conclama os heróis mais populares no Brasil para aderirem a uma efetiva campanha de promoção da leitura
Na véspera da abertura da Bienal do Rio, Pedro Almeida presta uma homenagem aos seus colegas editores
Publicidade

O relatório Global eBook documenta e analisa como os mercados de livros digitais estão se desenvolvendo nos EUA, Reino Unido, Europa continental, Brasil, China, Índia e Rússia. Ele traz os melhores dados estatísticos disponíveis e descreve como os players globais e locais estão se saindo em cada mercado. A edição de 2016 do relatório está disponível para compra na loja brasileira da Amazon em versão para Kindle ou então no site www.global-ebook.com em PDF.

Outras colunas
Completando a série sobre a África, Octavio Kulesz fala sobre a realidade das editoras na era digital, sobre autopublicação e impressão por demanda
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a impressão por demanda e seus impactos na autopublicação
'Não é porque é digital, que é automático': Camila Cabete usa sua coluna para listar algumas ações e alguns cuidados que todos editores de livros digitais deveriam ter
Toda semana você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Carlo Carrenho defende que marketing e editorial deviam ser uma coisa só
Desde muito cedo percebi que a literatura era parte essencial da minha vida, do meu modo de ser.
Alberto Mussa
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar