Publicidade
Publicidade
Como escrever um livro de cozinha
PublishNews, 27/07/2012
Como escrever um livro de cozinha

Do clássico The elements of style (Longman, 105 pp., US$ 15,95), de William Strunk e E. B. White, ao surpreendente On writing (Scribner, 288 pp., US$ 16), de Stephen King, não é difícil encontrar, em inglês, títulos que pretendem ensinar a escrever – ou, pelo menos, que relacionem algumas regras básicas e dêem conselhos para cultivar e aprimorar o estilo. A lista segue com diversos volumes específicos: como criar obras de ficção, ficção científica, cenas eróticas, textos sobre saúde e sobre... comida. Um dos mais recentes é How to write about food (Amazon Digital Services, para o Kindle, US$ 9,95), publicado em março, em que a autora S. J. Sebellin-Ross fala do que é necessário para alguém se tornar um “crítico de restaurantes, jornalista de gastronomia, autor de livros de receitas e blogueiro”, e ainda ganhar dinheiro com isso (bem, é o que ela promete). Na mesma linha existe Will write for food: The complete guide to writing cookbooks, blogs, reviews, memoir and more (Da Capo Lifelong Books, 360 pp., US$ 15,95), de Dianne Jacob, reeditado em 2010 com um capítulo extra sobre a escrita pessoal na internet por causa do sucesso que a blogueira Julie Powell começou a fazer com seu Julie & Julia (Record, 352 pp., R$ 39,90), aquele que virou filme com Meryl Streep fazendo uma impagável Julia Child.

Mais antigo, The recipe writer’s handbook (Wiley, 336 pp., US$ 24,95), de Barbara Gibbs Ostmann e Jane Baker, vai direto ao ponto: trata da melhor maneira de elaborar receitas para que sejam claras e concisas em diversos veículos, como o rádio, a televisão e, claro, a internet. Outros meios de comunicação também têm mostrado interesse em ajudar seus leitores a elaborar melhor seus escritos culinários. No fim de junho, o site Food52 deu dicas para criar boas introduções, os headnotes, em livros de cozinha: conte uma historinha a respeito daquele prato, descreva uma situação engraçada, ofereça possibilidades para variar os ingredientes ou dê algum aviso pertinente a respeito dos temperos, do equipamento necessário ou do tempo despendido naquela preparação. E, na semana passada, o jornal britânico The Guardian publicou um artigo com os ensinamentos de Alice Hart, autora de três títulos editados desde 2010. Embora algumas de suas recomendações sejam universais – sim, para escrever bem é preciso, antes de mais nada, ler, ler, ler, e isso vale para qualquer gênero –, outras, mesmo que óbvias para a categoria “livros de cozinha”, ainda passam despercebidas em boa parte dos volumes à venda por aí. Testar as receitas, por exemplo, duas vezes no mínimo, se necessário uma terceira, para ter certeza de que as medidas, as indicações de temperatura, o modo de preparo, tudo esteja correto e possa ser reproduzido em casa pelo leitor. (Eu já contei, aqui, de como me senti enganada ao ver que o livro de uma chef badalada não só não abria o jogo para os leitores como parecia complicá-lo ainda mais). Pensar no leitor também é importante, e sem esnobismo, diz Alice Hart: ele terá acesso àquele forno turbinado que o autor usou para fazer seu assado especialíssimo? Mantém mandolines, mezzalunas e gadgets de uso mais limitado sempre à mão, na gaveta da cozinha? Tem todo o tempo do mundo para ficar virando a carne na panela a cada 30 minutos, durante 4 horas, até que ela se desmanche dos ossos? (Aqui vale outro parêntese para dizer que esse tipo de impossibilidade culinária caseira ainda está muito presente nos livros de chefs, de quem cozinha profissionalmente em restaurantes. Volto ao tema numa outra ocasião.)

Mas o ponto da escritora que me deu mais certeza de que ela estava sendo honesta em tudo o que escreveu foi o último: não espere ficar rico com isso. A não ser que você seja a Martha Stewart, a Nigella Lawson, o Jamie Oliver ou o Gordon Ramsey, pra ficar apenas em alguns, autores iniciantes de livros de cozinha são (mal) pagos da mesma maneira que outros autores iniciantes. “Você certamente precisará de outras fontes de dinheiro para pagar as contas”, escreve Alice. “Mas pelo menos terá comida boa na geladeira.” É isso aí.

A coluna Caderno de receitas fala sobre livros de cozinha: dos títulos editados no Brasil aos bons (e maus) exemplos estrangeiros; do trabalho envolvido nas traduções; da migração para as plataformas digitais e de muitos outros assuntos saborosos ligados a esse universo. Os textos de Gabriela Erbetta vão fechar a semana uma vez a cada quinze dias.

[26/07/2012 21:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Digital tem um grande terreno a conquistar no Brasil, mas tem alguém ensinando os leitores a usar tudo isso?
Parece que essa é também a temporada dos livros de receitas derivados de blogs de sucesso
Em sua viagem aos EUA, Gabriela Ebertta conta o que viu nas livrarias do lado de lá
Gabriela Erbetta dedica a sua coluna de hoje à grande Julia Child
Gabriela Erbetta conta como foi ler um mangá culinário
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Projeto de Lei que cria o Fundo Nacional Pró-Leitura é aprovado na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. Volnei Canônica explica tudo sobre o que isso significa
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Volnei Canônica usa sua coluna para falar sobre a cena da literatura infantil e juvenil dentro da premiação do Jabuti
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a qualidade da leitura dos brasileiros, podemos ler muito, mas "a realidade é de que lemos mal, e muito mal"
Antes do poeta mostra-se o homem, antes do talento o caráter.
Machado de Assis
Escritor brasileiro
(1839-1908)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar