Publicidade
Publicidade
Robert Darnton e a utopia possível das bibliotecas e livros digitais
PublishNews, 21/05/2010
Na coluna de hoje, Roney analisa o recém-lançado “A questão dos livros

“Pense no livro. Sua resistência é extraordinária. Desde a invenção do códice, por volta do nascimento de Cristo, provou-se uma máquina maravilhosa – excelente para transportar informação, cômodo para ser folheado, confortável para ser lido na cama, soberbo para armazenamento e incrivelmente resistente a danos”, escreveu o historiador Robert Darnton no recém-lançado A questão dos livros: passado, presente e futuro (Companhia das Letras, tradução de Daniel Pellizzari). E completa: o livro “não precisa de upgrades, downloads ou boots, não precisa ser acessado, conectado a circuito ou extraídos de redes. Seu design é um prazer para os olhos. Sua forma torna o ato de segurá-lo nas mãos um deleite. E sua conveniência fez dele a ferramenta básica de saber por milhares de anos, mesmo quando precisava ser desenrolado para ser lido (na forma de rolos de papiro, diferentemente do códice, composto de folhas reunidas por encadernação).” 

A frase poderia sugerir que A questão dos livros é um libelo em defesa dos livros em papel – o que não deixa de ser –, mas a obra de Darnton é também uma instigante série de ensaios e reflexões baseadas em diversas experiências do autor com a criação de projetos de livros, coleções e bibliotecas digitais. O historiador coordenou uma pioneira iniciativa, o projeto Gutemberg-e, de editar uma coleção de teses de história em formato digital junto à American Historical Association e em vários dos ensaios discute desde o status acadêmico deste tipo de edição (em um universo que continua a privilegiar os livros impressos) até questões de preço, distribuição e direitos autorais.

Como ex-diretor da Biblioteca de Harvard (pioneira em arquivar informações geradas digitalmente), mostra as possibilidades de criar bibliotecas digitais públicas e as insuficiências e dilemas colocados pelo projeto do Google de reunir a maior biblioteca virtual do planeta. Com isso, A questão dos livros é um guia para entender os dilemas intelectuais, editoriais, éticos e comerciais que envolvem não apenas o projeto do Google, mas a própria existência física de acervos textuais e livros cuja preservação tem estado em risco frente às ilusórias (até agora) vantagens do armazenamento digital.

Um dos aspectos mais interessantes dos ensaios de Darnton é que ele propõe uma reflexão sobre o que seria efetivamente um livro digital, editado em camadas, que abrangeria leituras e interesses distintos. O que se observa hoje é muito mais uma corrida para transformar livros impressos em arquivos eletrônicos que possam ser lidas em máquinas cada vez mais amigáveis à leitura, e menos a busca de inventar de fato o livro digital, refletindo sobre o que pode mudar do ponto de vista da produção intelectual do texto (em qualquer campo), da sua edição, da leitura e assim por diante.

Assim, por exemplo, uma tese de ciências humanas criada digitalmente poderia ter como primeira camada uma exposição concisa do tema. A camada seguinte conteria versões expandidas de diferentes aspectos do mesmo argumento. Uma terceira camada poderia apresentar documentos, textuais, iconográficos ou sonoros acompanhada por ensaios interpretativos. Uma quarta camada seria teórica ou historiográfica, com seleção de trabalhos anteriores e discussões. Uma quinta seria pedagógica, com sugestões para debates em salas de aula e módulos de ensino. Uma sexta apresentaria a correspondência entre o autor e o editor sobre a obra, cartas de leitores e a possibilidade de se expandir à medida que o livro fosse sendo lido e criticado.

“Este novo formato de livro traria à tona um novo tipo de leitura”, escreve Darnton. “Longe de deplorar os modos eletrônicos de comunicação, quero explorar as possibilidades de aliá-los ao poder desencadeado por Johannes Gutenberg há mais de cinco séculos”, escreve Darnton, para quem a era digital abre possibilidades realmente novas de se implantar a utopia da “República das Letras” imaginada no século 18.

Roney Cytrynowicz é historiador e escritor, autor de A duna do tesouro (Companhia das Letrinhas), Quando vovó perdeu a memória (Edições SM) e Guerra sem guerra: a mobilização e o cotidiano em São Paulo durante a Segunda Guerra Mundial (Edusp). É diretor da Editora Narrativa Um - Projetos e Pesquisas de História e editor de uma coleção de guias de passeios a pé pela cidade de São Paulo, entre eles Dez roteiros históricos a pé em São Paulo e Dez roteiros a pé com crianças pela história de São Paulo.

Sua coluna conta histórias em torno de livros, leituras, bibliotecas, editoras, gráficas e livrarias e narra episódios sobre como autores e leitores se relacionam com o mundo dos livros.

[20/05/2010 21:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Roney Cytrynowicz conta a história da escritora japonesa Mitsuko Kawai e a sua relação com a Biblioteca Amadeu Amaral localizada no bairro paulistano da Saúde
Em sua coluna, Roney Cytrynowicz pega carona no relançamento de 'A chave do tamanho', de Monteiro Lobato, pelo selo Globinho, para fazer uma reflexão do mundo atual
A partir de Primo Levi e Anne Frank, Roney Cytrynowicz analisa a difusão da fotografia do menino Omran Dagneesh dentro de uma ambulância após ser ferido no bombardeio de Alepo
A partir de uma visita ao Museu da Diversidade, em SP, Roney Cytrynowicz fala sobre a trajetória de editoras e livrarias gays no Brasil
Roney Cytrynowicz conta a história de Conrad Gesner e as obras fantásticas editadas por ele no século 16
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Para Silvio Alexandre, o FIQ é um dos grandes responsáveis pela atual situação do mercado brasileiro que passa por uma fase muito boa em termos de vendas e maturidade criatividade
Nosso colunista Julio Silveira esteve no Festival de Literatura-Mundo na ilha do Sal, em Cabo Verde. De volta ao Brasil, ele conta o que viu por lá.
Rui Campos, finalmente, já está 'à vontade para comemorar a certeza do fim do fim do livro'
Toda semana você confere nova uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Prefiro atender escritores à gente da TV. O pessoal da literatura é mais legal, conversa mais, tem mais interesse.
Jurandir Ferreira dos Santos
Taxista dos escritores na Balada Literária
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar