Publicidade
Publicidade
É hora de salvar as Bibliotecas Parque do Rio de Janeiro
PublishNews, Carlo Carrenho, 2/12/2016
Com custo mensal de R$ 1,75 milhão e padrão de atendimento escandinavo, as melhores bibliotecas do Rio estão ameaçadas de extinção e precisam do seu apoio e da iniciativa privada

Contação de histórias na Biblioteca Parque do Centro do Rio | © Lima Andruška
Contação de histórias na Biblioteca Parque do Centro do Rio | © Lima Andruška

No último dia 19/10, estive pela primeira vez em uma Biblioteca Parque, no caso a unidade do centro do Rio. Faço aqui um mea culpa, pois já deveria ter visitado o espaço muito antes. Meus filhos com sotaque carioca, no entanto, já foram várias vezes, algumas com a mãe e muitas com a escola. Era um sábado e fui assistir ao espetáculo Parada Shakespeare, da Cia iLtda, junto com a Tarsila e o Lorenzo, e seus esses e erres puxados.

A biblioteca estava cheia e com muitas atividades. Fui atendido logo de cara por uma recepcionista que, atenciosamente, me indicou o caminho para o teatro. Andei até o local observando jovens que ocupavam todos os espaços da biblioteca. Como chegamos cedo, pudemos participar de uma contação de histórias. Honestamente, uma das melhores que já vi, com direito a tradução para surdos. Mais importante: Tatá e Lolô adoraram... “Iraaado, papai!”

O teatro era ótimo. A lojinha era linda. Tudo organizado e de alta qualidade. A internet, gratuita, era mais rápida que a da minha casa. Me lembrou as bibliotecas suecas que frequentei quando morei em Estocolmo.

Tarsila e Lorenzo brincando com uma cadeira de rodas em uma exposição lúdica na Biblioteca Parque do centro do Rio | © Lima Andruška
Tarsila e Lorenzo brincando com uma cadeira de rodas em uma exposição lúdica na Biblioteca Parque do centro do Rio | © Lima Andruška
Mas parece que o sonho acabou. Drömmen är över, diriam os suecos. "Deu ruim, papai", diriam Tarsila e Lorenzo. Afinal, as quatro unidades das Bibiotecas Parque – Estadual (Centro), Niterói, Rocinha e Manguinhos ­– passaram a funcionar em horário reduzido desde ontem (1º). Mais grave, os funcionários das mesmas, contratados pelo Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG), a organização social que administra a rede, já estão todos de aviso prévio. Embora as bibliotecas sejam estaduais, com o colapso do Estado do Rio de Janeiro, as prefeituras do Rio e Niterói haviam assumido os custos das unidades. No entanto, os apoios municipais não estão garantidos para 2017, e não precisa ser nenhum gênio para se concluir que, se os funcionários estão em processo de demissão, a possibilidade de os novos prefeitos Marcelo Crivella, do Rio, e Rodrigo Neves, de Niterói, manterem a verba é remota na avaliação do IDG.

As três Bibliotecas Parque cariocas custam R$ 1,5 milhão por mês e a unidade de Niterói outros R$ 250 mil. Não é pouco dinheiro, mas também não é um valor impeditivo. Mas temos de ser realistas: o Estado do Rio está quebrado, o novo prefeito do Rio não parece ter o mínimo de interesse em cultura e, em Niterói, a história pode não ser diferente.

Mas vamos ficar assim? Vamos deixar o sonho acabar? Aceitar o “Deu ruim”? Tenho certeza que o IDG e os diretores das bibliotecas estão tentando de tudo para manter os projetos, mas cabe à sociedade se mobilizar também. Estou falando de se manifestar, protestar, mas mais ainda de tentar achar uma solução. Já coloco o PublishNews à disposição para ajudar em qualquer iniciativa para salvar as bibliotecas, seja como canal de comunicação ou facilitador de contatos com o mercado editorial. Eu também, como pessoa física, teria todo interesse em ser um “sócio-apoiador” da iniciativa ou coisa que o valha.

A verdade é que R$ 1,75 milhão por mês é até bem pouco para a iniciativa privada e para grandes empresas. Será que uma ou algumas delas não poderiam bancar o projeto? E quer uma prova de que o valor é baixo? A Odebrecht, que pede hoje desculpas a todos nos jornais por seus atos de corrupção, vai pagar R$ 6,7 bi por esse “perdão”, conforme seu acordo de leniência. Este valor poderia manter as Bibliotecas Parque abertas no Rio de Janeiro por nada mais que 319 anos.

Vamos salvar as Bibliotecas Parque do Rio? “Partiu, papai, demorô!”, diriam Tatá e Lolô.

Estação Shakespeare, espetáculo gratuito da Cia iLtda e parte do 4º Festival Internacional de Circo, foi encenado em novembro no teatro da Biblioteca Parque do centro do Rio | © Lima Andruška
Estação Shakespeare, espetáculo gratuito da Cia iLtda e parte do 4º Festival Internacional de Circo, foi encenado em novembro no teatro da Biblioteca Parque do centro do Rio | © Lima Andruška

Carlo Carrenho é o fundador e CEO do PublishNews. Formado em Economia pela FEA-USP, especializou-se em Edição de Livros e Revistas no Radcliffe Publishing Course, em Cambridge (EUA). Atualmente é advisor da Bookwire e da BR75, além de embaixador no Brasil da plataforma de acessibilidade Bookshare. Como especialista no mercado de livros, já foi convidado para dar palestras e participar de mesas em países como EUA, Alemanha, China, África do Sul, Inglaterra e Emirados Árabes, entre outros.

É co-coordenador do curso MBA Book Publishing, da Casa Educação em São Paulo, depois de coordenar por diversos anos o curso de pós-graduação da FGV-RJ sobre o negócio do livro. Sempre atento aos novos modelos de negócio e às mudanças tecnológicas, Carlo possui um de seus focos na questão dos livros digitais e segue com afinco o que acontece no setor digital no Brasil, tanto que é autor do capítulo brasileiro do livro Global eBook: a report on market trends and developments.

Carlo é paulista, mas vive no Rio de Janeiro. É cristão, mas estudou em escola judaica. É brasileiro, mas ama a Suécia. Enfim, sua vida tende à contradição. Talvez por isso ele torça para o Flamengo e adore o seriado Blue Bloods.

[02/12/2016 11:10:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Carlo Carrenho analisa os dois maiores mercados editoriais da América do Sul
Em sua coluna, Carlo Carrenho indica os eventos imperdíveis para os profissionais que forem a Frankfurt
Carlo Carrenho traz em sua coluna suas impressões bastante pessoais sobre as atividades do PublishNews e sua participação na Flip
Carlo Carrenho explica seu ceticismo em relação ao rumor publicado n'O Antagonista
Segundo matéria da Publishers Weekly, a gigante de Seattle termina 2017 entre as cinco maiores redes norte-americanas em número de lojas
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Projeto de Lei que cria o Fundo Nacional Pró-Leitura é aprovado na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. Volnei Canônica explica tudo sobre o que isso significa
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Volnei Canônica usa sua coluna para falar sobre a cena da literatura infantil e juvenil dentro da premiação do Jabuti
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a qualidade da leitura dos brasileiros, podemos ler muito, mas "a realidade é de que lemos mal, e muito mal"
Escrever é sempre inventar. Mesmo a ingenuidade se trabalha.
Mathieu Lindon
Escritor francês
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar