Publicidade
Publicidade
Um e-book de fracasso
PublishNews, Paulo Tedesco, 21/06/2016
Paulo Tedesco defende em sua coluna que autores e editores aperceberam-se do engodo que é o tal livro digital


O atual modelo de livro digital foi originalmente proposto pela Amazon para alimentar seu Kindle, e num segundo momento foi adotado pela Apple para seus Ipads e Iphones. Somente depois é que foi adaptado por diferentes empresas para diferentes operações comerciais, gerando essa diversidade mundial de distribuidores e vendedores desse modelo de livro digital, mais conhecido por e-book, e que tem o formato e-pub como ponto de partida em seus arquivos digitais.

Até aí, imagino, muitos deverão estar de acordo, porém essa curtíssima história do e-book permite também um outro olhar sobre o significado desse modelo de leitura de conteúdo digital.

O fato é que esse formato nada mais do que transfere, se não de todo, boa parte da tarefa editorial e livreira para as mãos de poucos, e na maioria conglomerados estrangeiros, agentes de negócios. Ou seja, excetuando a criação editorial (o que não ocorre na autopublicação da Amazon, que entrega o serviço para o word da Microsoft) e a literária, todo o resto passa para as mãos de outras empresas que não aquelas que geraram o produto,

E por isso, sobretudo por isso, é que o modelo atual não sairá jamais do seu patamar de vendas. Não há como. Desde a fabricação de seu mais indicado suporte físico para leitura e arquivamento, no caso do Kindle e assemelhados, até a forma de recolhimento e gerenciamento das vendas, terminam por alijar boa parcela da uma indústria milenar, que embora tenha sido afetada pelas mudanças tecnológias, ainda não foi comprovada sua superação ou obsolescência.

É de se acreditar em novos formatos, como o tal “streaming” ou clube digital de leitura, a exemplo da Elefante Letrado e Nuvem de Livros, que por si são mais seguros e nitidamente mais eficazes em trazer o livro digitalizado para o leitor. Nesses, não há a possibilidade de se comprar algo e se perder porque seu aparelho quebrou ou um “bug” arrebentou com os arquivos de livros adquiridos.

Que me perdoem os mais afoitos, mas o modelo de e-book é um fracasso, e não passa de uma versão requentada para dizer que o livro poderia sair mais barato porque dispensava o custo de papel e o frete, além de impostos. O que é uma besteira das grandes. O passar dos anos mostrou claramente: as editoras, os autores e até os editores, ao verem os preços dos livros em formato e-book não ficarem muito distantes do papel, aperceberam-se do engodo que era o tal e-book.

Um outro raciocínio que pesa nesse precipício, é que os livros deixaram de ser atrativos para o mercado financeiro global. O estranho mercado editorial e livreiro sempre dado a consignações, devoluções, vendas independentes, bibliotecas e até revendas de usados e seminovos (nossos queridos e estimados sebos), mostraram aos investidores que um livro jamais seria como os celulares, televisores, máquinas de café e até o tal leitor digital (sic).

E aí está, muito possivelmente, o principal problema do modelo de e-book existente e que ainda provocará muita conversa em torno de sua inutilidade e desserviço à cultura. Sua invenção, em verdade, não foi necessariamente para democratizar a leitura, foi antes para atiçar os barões da especulação acionária, a exemplo do pré-histórico CD, que gerou fortunas e pouco tempo depois afundou a indústria da música que até hoje não se recuperou totalmente.

A boa nova é que os amantes do livro não caíram no engodo do descartável, e o leitor, o principal alvo disso tudo, não se deixou levar pelo afã midiático e tecnológico. Prova maior é a estagnação das vendas de e-books e o fato de que os principais defensores do fim do livro hoje assumem: o tal e-book é nada mais do que uma opção à leitura diante do livro em papel, e jamais o substituirá.


Nota dos editores: Este artigo de opinião gerou três respostas publicadas pelo PublishNews:

Um e-book de sucesso, de André Palme

O e-book não é um desserviço à cultura – é a solução, de Matheus Perez

Um eletrodoméstico de fracasso, de Alessandra Ruiz

Paulo Tedesco é escritor e consultor em projetos editoriais. É autor dos livros Quem tem medo do Tio Sam? Fumprocultura de Caxias do Sul, 2004); Contos da mais-valia & outras taxas (Dublinense, 2010) e Livros: um guia para autores (Buqui, 2015). Desenvolveu e ministra o curso de Processos Editorais na PUCRS e coordena o www.consultoreditorial.com.br atendendo autores e editores. Pode ser acompanhado pelo seu site, pelo Facebook ou pelo Twitter.

[21/06/2016 12:55:00]
Publicidade

O que você acha de ter todas as despesas pagas para ir à Feira do Livro de Frankfurt este ano? Se você tem até 35 anos, trabalha na indústria editorial e tem uma história de sucesso em sua carreira, você pode ser indicado ou se inscrever no Prêmio Jovens Talentos da Indústria do Livro. O vencedor ganha passagem e estadia para ir a Frankfurt, além de um ingresso VIP para o Business Club da Feira e 500 euros para gastar por lá. Para mais informações, se inscrever ou indicar alguém, veja as instruções aqui.

Leia também
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a memória e os novos jeitos de poder preservá-la
Para Paulo Tedesco, 'não existe milagre nessa retomada do ambiente físico de vendas de livros, o que existe é inteligência e compreensão do que o leitor procura'
Em sua coluna, Paulo Tedesco dá dicas para marinheiros de primeira viagem no mundo da autopublicação
Em sua coluna, Paulo Tedesco vai atrás dos conceitos de 'escritor' e 'autor' e conclui: 'para se candidatar a escritor é preciso revisar e burilar o texto ao limite, o que poderá tomar anos'
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Toda semana você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Para Silvio Alexandre, o FIQ é um dos grandes responsáveis pela atual situação do mercado brasileiro que passa por uma fase muito boa em termos de vendas e maturidade criatividade
Nosso colunista Julio Silveira esteve no Festival de Literatura-Mundo na ilha do Sal, em Cabo Verde. De volta ao Brasil, ele conta o que viu por lá.
Rui Campos, finalmente, já está 'à vontade para comemorar a certeza do fim do fim do livro'
O poeta, como bom fingidor, tem de rir da própria dor e da dor alheia.
Glauco Mattoso
Poeta brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar