Alemanha perdeu 600 mil compradores de livros só no primeiro semestre de 2017
PublishNews, Leonardo Neto, 09/02/2018
Terceiro país mapeado pela #PugMagNet, Alemanha constata declínio na demanda por livros. Na comparação com 2016, o mercado de livros alemão perdeu 2% da sua receita total.

Portão de Brandenburgo é um dos cartões postais da Alemanha | © Norbert Aepli / Wikicommons
Portão de Brandenburgo é um dos cartões postais da Alemanha | © Norbert Aepli / Wikicommons

A Alemanha é o terceiro país perfilado pela PubMagNet, série de matérias que é resultado do intercâmbio de informações entre jornalistas, analistas e observadores que formam a rede de mesmo nome cuja reunião anual aconteceu em Oslo no fim de janeiro, com a participação do PublishNews. Thomas Wilking, editor-chefe da buchreport, mostrou que, no ano passado, o mercado de livros na Alemanha perdeu 2% da sua receita total, na comparação com 2016. Em livrarias físicas, essa queda chegou a 3%. “A demanda por livros está claramente em declínio. Os mecanismos da indústria nos últimos anos parecem ser menos efetivos agora”, declarou.

O preço médio em 2017 se manteve em alta, mas, segundo o editor da buchreport, isso não foi suficiente para compensar o declínio da demanda. “Em 2017, o preço médio aumentou 1,7% no mercado como um todo, mas isso não estabilizou as receitas de forma significativa”, analisou. Segundo Thomas, os canais de vendas on-line cresceram em 2017, mas, de novo, esse crescimento não foi suficiente para compensar as perdas sofridas pelas livrarias físicas. Por fim, o editor observa que as expectativas das vendas do segundo semestre não se concretizaram e foram menores do que o previsto. “Embora alguns livreiros acreditassem que as editoras colocariam um programa de outono atraente e amplamente diversificado e com títulos chamativos, isso não aconteceu ao ponto de manter os níveis apresentados no ano passado”, completou.

Segundo Thomas, esse declínio significativo nas vendas de livros é atribuído a uma enorme queda no número de leitores. Uma pesquisa recente realizada pela Associação Alemã de Livreiros e Editores com base em dados apurados pela GfK apontou que a indústria do livro perdeu, de 2012 até 2017, seis milhões de compradores de livros. Só no primeiro semestre de 2017, o mercado perdeu 600 mil compradores em relação ao mesmo período de 2016. Aqui, Thomas ressalva que, em 2016, o número de compradores caiu para 30,8 milhões de pessoas, o menor nível dos últimos dez anos. Sempre bom lembrar que a população estimada da Alemanha é de 83 milhões de pessoas. Contribui para essa conta também uma questão de acesso. Em 2015, houve a descontinuação do Bertelsman Buch Club, que reunia cerca de um milhão de membros. Além disso, ao longo do ano passado, a Wettbild, uma popular rede de pequenas livrarias, fechou muitas das suas unidades.

Outro motivo pra isso, aponta Thomas, é a concorrência acirrada com outros tipos de entretenimento. Segundo ele, o consumo com a mídia livro caiu em quase todas as faixas etárias, exceto entre aquela de 10 a 19 anos e no grupo de mais de 70 anos.

Sobre a PubMagnet

Em 2017, o PublishNews realizou uma série de matérias especiais que mapearam o mercado de livros em seis países: Alemanha, Espanha, EUA, França, Japão e Reino Unido. Apelidada de PubMagNet, a série surgiu a partir das informações trocadas em um grupo de jornalistas, analistas e observadores do mercado editorial mundial que existe há mais de dez anos. A rede, que leva o mesmo nome da série, tem como objetivo o intercâmbio de informações, dados e notícias vindos de diversas as partes do mundo e se reúne duas vezes por ano, sempre em outubro, durante a Feira de Frankfurt, e no início do ano, em algum país da Europa. Nesse ano, a reunião aconteceu em Oslo (Noruega). Além do PublishNews, participaram da PubMagNet representantes dos seguintes países: Alemanha (buchreport), China (bookdao), EUA (Publishers Weekly), Espanha (Dosdoce), França (Livres Hebdo), Itália (Informazioni editoriali), Japão (BunkaNews) e Reino Unido (The Bookseller).

[09/02/2018 09:10:00]