Publicidade
Publicidade
É o digital, mané
PublishNews, Paulo Tedesco, 14/07/2017

Por mais que se comente sobre a tal crise da leitura, ou, para alguns, a do consumo de livros, parece que há mais do que situações pontuais de mercado do que querem nos fazer crer. Um algo para além dos números e das perspectivas e possibilidades do livro e da leitura.

No Brasil, em particular, temos esta instabilidade política fruto de um golpe de estado, à socapa da maioria da população que exerceu democraticamente seu voto e deu maioria ao governo deposto. A ausência de um ministro da Cultura, para ficarmos num humilde exemplo do descalabro, ainda não tem qualquer perspectiva de ser resolvida com um nome competente.

Nossa economia periférica, porém, é talvez o principal sintoma desse quadro de crise, aonde a cultura estrangeira, nem sempre de boa qualidade, é a da preferência das maiores empresas responsáveis pelo consumo – falo também do cinema e da música – e que domina majoritariamente os pontos de venda, bem como o volume de verbas de propaganda e “jabás”. O que explica afinal porque tanto jornal e revista privilegia obras importadas em seus elogios e indicações, quando temos coisa muita escrita e produzida de qualidade por brasileiros (a história contada pelo Maurício de Sousa, criador da Turma da Mônica, em biografia recém lançada, é paradigmática nesse sentido).

O quadro, porém, é antigo, e o novo é que vem sendo o fiel na balança. O universo da leitura e da escrita digital, acompanhados dos gigantes como Amazon, Google, Microsoft e Facebook, para ficarmos com os mais conhecidos e ainda relevantes, adentrou com fúria na popularização da parafernália eletrônica.

E esse digital, elevado à última fronteira da dita revolução tecnológica, é que vem condicionando a leitura e a produção escrita no Brasil, e possivelmente ao redor do mundo.

E é na leitura e na escrita que encontramos as novas formas de consumo de livros, ou melhor, os formatos de leitura e da relação com o conteúdo escrito do cidadão contemporâneo. E aqui, visto as constantes inovações em aplicativos e jogos eletrônicos, fica mais do que nítida a disputa do olhar e a disputa pelo tempo de entretenimento e estudo.

Não é difícil perceber, como telespectador, por exemplo, como somos sugados para as ofertas de diversão televisionada. Além de sinais a cabo, e que não são poucos, temos os sinais pela internet e a própria internet a nos oferecer o impensável e a cada dia mais barato e fértil. E talvez esse impensável seja o verdadeiro responsável por erros cada vez maiores em concepções sociais e políticas – vide o fascismo que retoma sua força, e também pela perpetuação de inverdades sobre mundo fora de nossas casas. Uma mentira, hoje, nunca teve tanta facilidade de se ver ampliada, a destruir vidas, e pior, em justificar a eliminação de povos, como na Síria e Palestina, ou de permitir que eminentes mafiosos assumam o poder num país importante como o nosso. 

A boa nota, e é boa sim, é que o leitor, na sua maioria sempre aberto a experiências, não se tornou ainda nas tais massas amorfas e opacas como alguns pós-modernos dos anos 1980 tanto insistiram nos fazer crer. E enquanto persistir discordância, livros em papel e criança com livros na mão, o mundo ainda terá saídas – apesar dos golpes e das mentiras.

Paulo Tedesco é escritor e consultor em projetos editoriais. É autor dos livros Quem tem medo do Tio Sam? Fumprocultura de Caxias do Sul, 2004); Contos da mais-valia & outras taxas (Dublinense, 2010) e Livros: um guia para autores (Buqui, 2015). Desenvolveu e ministra o curso de Processos Editorais na PUCRS e coordena o www.consultoreditorial.com.br atendendo autores e editores. Pode ser acompanhado pelo seu site, pelo Facebook ou pelo Twitter.

[14/07/2017 06:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
​​Foi lendo os 'Contos reunidos de Fiódor Dostoiévski', que Paulo Tedesco concluiu: para ler mais e melhor é preciso de dois vetores, tempo e disposição.
Em seu último artigo do ano, Paulo Tedesco fala sobre a importância de saber empreender
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a qualidade da leitura dos brasileiros, podemos ler muito, mas "a realidade é de que lemos mal, e muito mal"
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se apostar no nicho certo para se vender mais livros
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala da importância dos livros de ficção em sua vida, e sobre como a ficção e não ficção se completam
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Em sua coluna, Pedro Almeida analisa o potencial do nosso soft power e em como a literatura pode ajudar a alavancá-lo
​​Foi lendo os 'Contos reunidos de Fiódor Dostoiévski', que Paulo Tedesco concluiu: para ler mais e melhor é preciso de dois vetores, tempo e disposição.
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
O que significa, em 2018, manter uma publicação impressa como o Almanaque Pensamento, que tem exatas 200 páginas de previsões astrológicas e outras previsões para todos os dias do ano?
Em sua coluna, Volnei Canônica relembra Bartolomeu Campos de Queirós, que morreu há exatamente seis anos
Eu projetei os meus problemas na literatura. Ao invés de ficar com o sofrimento, eu passava para o personagem.
Jaime Prado Gouvêa
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar