Publicidade
Publicidade
Doria engata a marcha ré e descumpre a Lei n. 12.244/10
PublishNews, Volnei Canônica, 09/05/2017
Volnei Canônica analisa as últimas ações de incentivo à leitura e ao livro realizadas pela Prefeitura de São Paulo e conclui: 'o que vimos é que Doria e sua equipe engataram a marcha ré'

Prefeito João Doria visita uma creche da prefeitura na Zona Sul de São Paulo | © Leon Rodrigues / Secom
Prefeito João Doria visita uma creche da prefeitura na Zona Sul de São Paulo | © Leon Rodrigues / Secom

A cidade de São Paulo está vivendo um dos piores momentos dos últimos tempos em se tratando de uma política para a promoção do livro e da leitura. O prefeito João Doria e sua equipe estão diminuindo o acesso ao livro e à leitura do paulistano. Como bem diz Antônio Candido, a Literatura é um direito incompressível, ou seja, que não pode ser suprimido em detrimento de outros direitos. Literatura como Direito Humano, assim como alimentação, moradia, educação, entre outros.

Charles Cosac quando foi apresentado como diretor da Mário de Andrade. Em segundo plano, André Sturm, secretário de Cultura do município | © Sylvia Masini / Secretaria de Cultura
Charles Cosac quando foi apresentado como diretor da Mário de Andrade. Em segundo plano, André Sturm, secretário de Cultura do município | © Sylvia Masini / Secretaria de Cultura
Desde a chegada na gestão pública, Doria tem cometido um erro atrás do outro em se tratando de política para a leitura e a escrita. O primeiro erro: a nomeação de Charles Cosac para dirigir a Biblioteca Mário de Andrade. Desconheço qualquer trabalho anterior de Charles na gestão de um equipamento cultural. Dirigir uma das principais bibliotecas do Brasil sem ter experiência até poderia não ser tão desastroso. Mas o novo diretor da biblioteca tem se mostrado um gestor sem diálogo com a população, elitista. Basta ver sua decisão de suprimir o horário noturno da biblioteca sem justificativa sustentável, pior, alegando falta de público. Segundo entrevista dada pelo próprio Charles, ele pediu para que um alguém responsável por sua segurança, passasse uma noite na biblioteca contando quantas pessoas a frequentavam. Talvez seja do desconhecimento deste gestor que a biblioteca é um bem cultural vivo e que necessita de estratégias para trazer público. Em vez de fechar a biblioteca à noite, por que ele não se preocupou em aprimorar ações já existentes ou propor novas ações para que esse equipamento fosse ocupado? Para quem não entende ou não está disposto a fazer um investimento social dando acesso à leitura e à escrita, fechar uma biblioteca sempre será a solução "mais conveniente".

Outra ação da administração atual foi anunciar a privatização das bibliotecas públicas, disponibilizando a gestão destes equipamentos a terceiros. Esse é um risco muito grande para uma política pública nesta área, o prenúncio de um descompasso. Desde 2011, num movimento puxado pelas bibliotecas comunitárias do Polo LiteraSampa, realizou-se um processo de discussão, agregando muitos promotores da leitura e o poder público. Todo esse trabalho resultou na aprovação do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas de São Paulo. Fato que Doria e seus secretários de Cultura e de Educação parecem desconhecer. Neste plano existem objetivos, metas, ações pensadas e realizadas por aqueles que trabalham no dia a dia para construir uma cidade mais politizada, onde o cidadão tenha acesso à informação, conhecimento e ficção. Talvez por isso, a gestão pública esteja "sentada em cima do plano".

Biblioteca Mário de Andrade, a maior da cidade de São Paulo e a segunda maior do Brasil, deixou de abrir ao público durante a noite | © Sylvia Masini / Secretaria de Cultura
Biblioteca Mário de Andrade, a maior da cidade de São Paulo e a segunda maior do Brasil, deixou de abrir ao público durante a noite | © Sylvia Masini / Secretaria de Cultura
Para aumentar os fatos descabidos, Doria apresentou um plano de desenvolvimento das bibliotecas que não traz nenhuma inovação. Mas que deixa claro o despreparo da equipe e o seu conceito sobre o equipamento cultural, o acesso e a promoção da leitura. Caro prefeito, nenhuma biblioteca deve renovar o seu acervo com doações. Isso mostra que você pensa que comprar livros é gasto e não investimento; que as bibliotecas não planejam suas compras, não sabem as necessidades dos leitores da comunidade que atende. Caro prefeito, tenho vários livros sobre gestão cultural, sobre a importância da educação e da cultura para lhe doar. Mas o senhor tem de me garantir que vai ler.

Na semana passada, foi anunciado mais um ato de desrespeito à educação, à cultura, ao leitor, ao cidadão. Para aumentar o número de salas de aula destinadas à educação infantil, o prefeito mandou fechar as brinquedotecas, salas de leitura e salas de informática. Um ato que vai contra os avanços que as creches e escolas infantis tinham conquistado. Um ato que vai contra a Lei n. 12.244/10 que exige que até 2020 toda instituição pública ou privada tenha uma biblioteca. Em nome do racionalismo (pragmatismo?), vamos alfabetizar e ensinar a somar - eliminando o lúdico, o prazer, a socialização, a filosofia, a ficção. Cortamos a necessidade da criança se expressar em troca de sílabas, de números e de uma gestão descomprometida com o humano, com a sociedade.

Buscar na palavra ou na imagem diferentes significados, diferentes formas de comunicação, diferentes possibilidades de se posicionar, parece não ser o projeto de Educação e Cultura desta gestão. Existem governos que ficam em ponto morto, outros engatam a primeira e nunca passam para a segunda ou a terceira. Mas até o momento o que vimos é que Doria e sua equipe engataram a marcha ré.

Volnei Canônica é formado em Comunicação Social – Relações Públicas pela Universidade de Caxias do Sul, com especialização em Literatura Infantil e Juvenil também pela Universidade de Caxias do Sul, e especialização em Literatura, Arte do Pensamento Contemporâneo pela PUC-RJ. É diretor do Centro de Leitura Quindim e ex-diretor de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, do Ministério da Cultura. Coordenou no Instituto C&A de Desenvolvimento Social o programa Prazer em Ler. Foi assessor na Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). Na Secretaria Municipal de Cultura de Caxias do Sul, assessorou a criação do Programa Permanente de Estímulo à Leitura. o Livro Meu. Também foi jurado de vários prêmios literários.

[09/05/2017 09:47:00]
Publicidade

A Primavera Literária, o mais tradicional das editoras independentes no Brasil, é um evento que contribui para a movimentação da atividade econômica do setor editorial, para a democratização da leitura e para a discussão de políticas públicas para Livro e da Leitura. Haverá programação cultural com temáticas efervescentes e as crianças serão contempladas com o Espaço Infantil Clube Quindim estreando este ano. O evento é gratuito, não fique de fora!

Leia também
Em sua coluna, Volnei Canônica rebate informações sobre os livros do Porto Maravilha
Volnei Canônica voltou de Paraty e faz um balanço do que viu na Flip, dando especial enfoque nos debates sobre políticas públicas do livro realizados nos dias do evento
Em sua coluna, Volnei Canônica busca dar uma resposta a essa pergunta
Ilustradora brasileira ganhou prêmio na Coreia do Sul
Em sua coluna, Volnei Canônica comenta a interdição da Biblioteca Demonstrativa de Brasília, cuja reforma, de quase R$ 2 milhões, será feita por empresa de um funcionário do Iphan,
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Henderson fala sobre a sua preocupação de que a atual onda de censuras difusas a exposições chegue, em breve, ao mercado editorial
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
André Palme já está na Alemanha para a sua terceira Feira de Frankfurt e ele aproveita para compartilhar algumas dicas para quem também vai acompanhar o evento
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Escrever é escrever pra alma do ser humano. Portanto você precisa conhecer a alma do ser humano pra escrever.
Pedro Bandeira
Escritor brasileiro homenageado na Jornada de Passo Fundo 2010
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar