Publicidade
Publicidade
O Doutor Capitão Pelino dos nossos tempos
PublishNews, Paulo Tedesco, 08/12/2016
A partir da obra de Lima Barreto, Paulo Tedesco analisa a postura de muitos acadêmicos frente a autores autopublicados

O Capitão Pelino é um dos bons personagens de A Nova Califórnia, conto de Lima Barreto, autor homenageado com justeza na próxima edição da Festa Literária de Paraty (Flip). Nessa história, ao meu ver, ele representa, de forma paradigmática e sintética, muito da atitude de uma parte da academia e dos críticos literários brasileiros para com novos autores e as novas formas de literatura.

Pois esse Capitão Pelino era “mestre-escola e redator da Gazeta de Tubiacanga, órgão local e filiado ao partido situacionista” e, ainda nas mesmas palavras do narrador, “era sábio, era gramático”. E continua: “ninguém escrevia em Tubiacanga que não levasse bordoada do Capitão Pelino, ele não deixava de dizer: ‘Não há dúvida! O homem tem talento, mas escreve: ‘um outro’, ‘de resto’...’ E contraía os lábios como se tivesse engolido alguma cousa amarga”. Assim, “toda a vila de Tubiacanga acostumou-se a respeitar o solene Pelino, que corrigia e emendava as maiores glórias nacionais. Um sábio...”. Sobre Flamel, um recém-chegado e possível desafiador na sua categoria de único sábio local, se manifestava: “vocês hão de ver, dizia ele, quem é esse tipo... Um caloteiro, um aventureiro ou talvez um ladrão fugido do Rio”.

Como melhor descrever a postura de muitos que, por deterem diploma ou título de doutor e se verem também como pesquisadores, saem a bancar-se uma espécie de real Capitão Pelino? É difícil. E a arte da literatura está nisso, em situações e personagens da ficção que dizem o muito e o tanto que a realidade nos apresenta todo o dia.

E é assim que tratam também quem se autopublica ou quem resolve fazer seu próprio caminho literário e até científico. No Brasil, em especial – como herança de um país tão antigo como o de Lima Barreto, que também escreve, quase na mesma toada, o excelente O homem que sabia javanês – esse tratamento arrogante e incrivelmente desrespeitoso termina por afastar o leitor comum da intimidade e da compreensão com o verdadeiro da arte literária.

Não por coincidência que dos livros incensados em concursos literários, muitos rapidamente caem no esquecimento, pois não só temos uma indústria editorial em permanente crise, como temos essa boa parcela da academia a posar de Capitão Pelino. O que mostra que, no Brasil, por vezes, não adianta só concurso, tem que ser amigo de alguém.

Critico as universidades e faculdades de Letras? Não, eu critico o método empregado para quem conquistou uma estranha soberba junto com o canudo, e com isso aumenta a distância das academias, muitas delas públicas, das soluções mais genuínas de que tanto precisa nosso país e nossos pobres.

E qual melhor figura do que a personagem do Capitão Pelino, quando centenas se atiram em concursos, autopublicações digitais e assim sustentam as mais diferentes empresas e iniciativas a lhes prometer sucesso ao fim do túnel? Sim, porque se o mundo do conhecimento institucional não tem a humildade de absorver e dialogar com quem pensa em ter uma carreira literária fora de seus muros, não há outro caminho a não ser ignorar os Capitães Pelinos da vida e arriscar a própria fortuna por um sonho, como o de ser escritor, em particular.

Paulo Tedesco é escritor de ficção, cronista e ensaísta, atua como professor e desenvolvedor de cursos em produção editorial e consultoria em projetos editoriais, também como orientador em projetos de inovação em diferentes setores. Trabalhou nos EUA, onde viveu por cinco anos, nas áreas de comunicação impressa, indústria gráfica e propaganda. É autor dos livros Quem tem medo do Tio Sam? Fumprocultura de Caxias do Sul, 2004); Contos da mais-valia & outras taxas (Dublinense, 2010) e Livros: um guia para autores (Buqui, 2015). Desenvolveu e ministra o curso de Processos Editorais na PUCRS e coordena o www.consultoreditorial.com.br atendendo autores e editores. Pode ser acompanhado pelo seu site, pelo Facebook ou pelo Twitter.

[08/12/2016 08:00:00]
Publicidade

O Prêmio Avena PublishNews é uma realização da International Paper e do PublishNews com o objetivo de reconhecer os livros mais vendidos de 2016 e os profissionais de vendas e marketing por trás destes sucessos de prateleira. Trata-se do primeiro prêmio direcionado especificamente para aqueles que cuidam da comercialização dos livros. A cerimônia de premiação acontecerá em São Paulo, no dia 29 de março, com apoio da Unibes Cultural. São cinco categorias baseadas nos números de vendas da lista anual de mais vendidos de 2016, além dos prêmios de Livro Mais Vendido do Ano, Editora do Ano, Profissional de Marketing e Vendas do Ano e a láurea especial Prêmio PublishNews Avena de Contribuição ao Mercado Editorial.

Leia também
Paulo Tedesco fala, dessa vez, sobre a poesia, 'o mapa da condição humana'
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a impressão por demanda e seus impactos na autopublicação
Em novo artigo para a sua coluna no PublishNews, Paulo Tedesco declara seu amor à ficção: ‘a boa ficção salva o homem do horror’
Paulo Tedesco fala sobre as recentes notícias do mercado editorial e o impacto na venda de livros
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala que uma boa pesquisa, bem embasada, faz a diferença na busca pelo 'rigor obstinado' de escritores
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Autora questiona o uso da palavra 'descobertabilidade' em chamada do PN. Felipe Lindoso explica o que é 'descobertabilidade' e provoca os leitores a acharem termo melhor.
Paulo Tedesco fala, dessa vez, sobre a poesia, 'o mapa da condição humana'
Em sua coluna, Felipe Lindoso fala sobre a pertinência da obra de Margaret Atwood
Completando a série sobre a África, Octavio Kulesz fala sobre a realidade das editoras na era digital, sobre autopublicação e impressão por demanda
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a impressão por demanda e seus impactos na autopublicação
A pessoa que lê — e que escreve — tem uma possibilidade de entender o outro e de se entender maior do que se não o fizesse.
Elvira Vigna
Escritora brasileira
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar