Bienal SP: tudo bem quando termina bem
PublishNews, Leonardo Neto, 01/09/2014
Editoras apontam crescimento nas vendas e organização supera estimativa inicial de público

Contrariando as expectativas iniciais, a Bienal Internacional do Livro de São Paulo, foi um sucesso de público e de vendas para algumas editoras. A previsão inicial de 700 mil visitantes foi superada e alcançou, de acordo com a organização, 720 mil pessoas. Editoras, que no início reclamavam da relação custo x benefício da Bienal, acabaram comemorando as vendas. A Record, segundo publicou Marco Rodrigo Almeida na coluna Painel das Letras, estava feliz da vida com crescimento de 97% no faturamento em comparação com a edição de 2012. “O maior sucesso foi a americana Cassandra Clare, que vendeu 3 mil exemplares da série Os instrumentos mortais até quinta (28). As brasileiras Paula Pimenta (550 livros vendidos) e Carina Rissi (350) também ficaram no topo do ranking da editora”, trouxe a coluna.  O mesmo caminho trilhou a WMF Martins Fontes. Segundo matéria publicada pelo Estadão e assinada por Maria Fernanda Rodrigues, a editora classificou essa edição como a melhor Bienal da sua história, com previsão de apurar crescimento de 25% no fechamento das contas da Bienal. A Editora Senac comemorou crescimento de 45,76% no número de exemplares vendidos em relação à edição passada e de 28,37% no faturamento. Tudo isso puxado pela promoção no último final de semana, que deu 50% de desconto nos livros. 

[01/09/2014 00:00:00]