Publifolha cria novo selo de não ficção
PublishNews, Roberta Campassi, 15/03/2012
Três Estrelas concentrará obras de jornalismo, ciências humanas, biografias e divulgação científica

A Publifolha lançou um novo selo para abarcar livros de não ficção voltados às áreas de jornalismo, ciências humanas, história, biografias e divulgação científica. Batizada de Três Estrelas, a marca tem como objetivo reforçar esse tipo de publicação dentro do catálogo da editora e afrouxar a ligação um tanto simbiótica com o Grupo Folha, que publica o jornal Folha de S. Paulo.

“A ideia é que esse selo não tenha uma ligação direta com a Folha e publique autores diversos, nacionais e internacionais”, afirma Alcino Leite Neto, editor do Três Estrelas. No caso das publicações assinadas por jornalistas, a ideia é atrair profissionais inclusive de outros veículos, segundo ele. Diga-se de passagem, a nova marca faz referência às estrelas vermelha, azul e preta impressas na primeira página de cada edição do jornal desde 1960, ano em que a Folha da Manhã, a da Tarde e a da Noite foram reunidas numa só publicação.

O Três Estrelas chega às livrarias com História da imprensa paulista, de Oscar Pilagallo, e A perfeição não existe, de Tostão. Uma coletânea de textos de Paulo Francis intitulada Diário da corte e um livro da jornalista brasileira Silvia Bittencourt também estão previstos. Este último vai se chamar A cozinha do diabo – Um jornal contra Hitler e contar a história do jornal antinazista Münchener Post. Também serão publicadas traduções de obras estrangeiras – entre elas a história dos romances policiais escrita pela autora best-seller P. D. James.

Ao todo, o novo selo lançará dois livros por mês e 18 este ano. Cerca de 24 estão previstos para 2013. “Vamos aumentar progressivamente conforme os resultados”, afirma Leite Neto. A Publifolha, forte especialmente no segmento de livros ilustrados e guias de viagem, lança cerca de cem obras anualmente e vai continuar publicando os títulos institucionais da Folha.

Veja abaixo a lista dos lançamentos do Três Estrelas já divulgados.

Nacionais:

- A perfeição não existe, de Tostão

- História da imprensa paulista: jornalismo e poder de d. Pedro I a Dilma, de Oscar Pilagallo

- Diário da corte, de Paulo Francis

- A cozinha do Diabo: um jornal contra Hitler, de Silvia Bittencourt

- Três vezes Zumbi: a construção de um herói brasileiro, de Jean Marcel Carvalho França e Ricardo Ferreira

- Por que virei à direita, vários autores

Traduções:

- Martinho Lutero – Um destino, de Lucien Febvre

- Talking about detective fiction (Conversa sobre histórias de detetives, título provisório), de P. D. James

- L’homme qui se prenait pour Napoléon (O homem que achava que era Napoleão, título provisório), de Laure Murat

[15/03/2012 00:00:00]